Arquivos de Minha mãe

Crônicas

Três historinhas de chuva

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 Texto de

1. A avó
Bas­tava soar, dis­tante, um tro­vão. Mi­nha avó não sos­se­gava mais. O dia in­teiro. Até que, en­fim, vi­esse a chuva. Man­dava co­brir os es­pe­lhos da casa, acen­dia uma vela para Santa Bár­bara so­bre a cô­moda do quarto e cha­mava a fa­mí­lia in­teira para pas­sar a tem­pes­tade ao lado dela.
Leia mais

Compartilhe

Crônicas

O sigilo de um passado que nos incomoda

quinta-feira, 23 de junho de 2011 Texto de

Aí está a Nina, ca­chor­ri­nha que tam­bém é mi­nha

Es­con­der coi­sas do nosso pas­sado (ou mesmo do pre­sente) das quais nos en­ver­go­nha­mos nos faz bem? Re­solve nos­sas in­cer­te­zas a res­peito do fu­turo? Sus­tenta nossa es­ta­bi­li­dade emo­ci­o­nal? Evita uma ex­po­si­ção pre­ju­di­cial à nossa ima­gem? A dis­cus­são em torno de do­cu­men­tos si­gi­lo­sos da his­tó­ria do país me des­per­tou para mi­nhas pró­prias de­son­ras.
Leia mais

Compartilhe

Impressões

Clint Eastwood e Silvio Santos

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011 Texto de

O ator e di­re­tor Clint Eastwood

O apre­sen­ta­dor e em­pre­sá­rio Sil­vio San­tos

Pu­tas que os pa­ri­ram. Com o de­vido res­peito, claro. Eu te­nho um grande amigo, so­bre o qual já es­crevi em ou­tras pá­gi­nas deste blog. O nome dele é Déco. Meu pri­meiro e grande pro­fes­sor de jor­na­lismo. Ele me di­zia as­sim, em meio às nos­sas noi­ta­das etílico-intelectuais: “ABC, você é um grande fi­lho da puta, mas isso é de ver­dade, um fi­lho da puta mesmo”. Eu olhava para ele meio sem en­ten­der. E ele com­ple­tava: “É isso mesmo. Sua mãe é a puta do Nene Cava” (Nene Cava é meu pai). E com­ple­tava mais: “Per­cebe como puta às ve­zes é uma coisa ma­ra­vi­lhosa?”. Déco, meu grande amigo fi­ló­sofo. Que sau­da­des! É pen­sando nele que digo, a res­peito de Clint e Sil­vio: “Pu­tas que os pa­ri­ram”. Com o maior res­peito.
Leia mais

Compartilhe

Crônicas

Paisagem da janela

terça-feira, 28 de dezembro de 2010 Texto de

Quando eu ti­nha uns 4 ou 5 anos, fiz uma vi­a­gem de trem com mi­nha mãe. O que eu mais me lem­bro da ex­pe­ri­ên­cia é algo bas­tante inu­si­tado: a vi­são as­sus­ta­dora do vão en­tre o va­gão e a pla­ta­forma. Sa­ber que ali em­baixo ha­via um fosso, mesmo que fosse muito im­pro­vá­vel al­guém pi­sar no va­zio e cair na­quele “abismo”, era per­tur­ba­dor.
Leia mais

Compartilhe

Retratos

Primeira escola e primeiro crime

quarta-feira, 25 de agosto de 2010 Texto de

A ima­gem acima mos­tra cri­an­ças di­ante de um pré­dio bem sim­ples e rús­tico. Aí muita gente co­me­çou a apren­der a ler e a es­cre­ver. Eu tam­bém. A foto não é do meu tempo. É da época de meus pais. Meus pais es­tu­da­ram aí. Mais tarde foi mi­nha vez, coisa de dois ou três me­ses an­tes de mu­dar­mos para a ci­dade. A es­cola fi­cava na Fa­zenda Bem Es­tar, lo­ca­li­zada em Ca­fe­lân­dia, mu­ni­cí­pio do in­te­rior de São Paulo.
Leia mais

Compartilhe

Retratos

FUNDAMENTAIS

terça-feira, 20 de julho de 2010 Texto de
FUNDAMENTAIS

SAÍDA DA BARRIGA - Em 10 de no­vem­bro de 1992, as três mu­lhe­res mais im­por­tan­tes da mi­nha vida: mi­nha fi­lha (de pou­cas ho­ras), mi­nha mãe e a mãe da mi­nha fi­lha (dor­mindo o sono dos jus­tos) PRÓXIMO RETRATO: mi­nha fa­mosa ca­chor­ri­nha (numa foto de raro charme) en­tra em cena 

Compartilhe

Crônicas, Impressões

Memoráveis

segunda-feira, 28 de junho de 2010 Texto de

Aí está a graça da Copa. Tem gente que fica tor­cendo para que os gran­dões se­jam eli­mi­na­dos. Pra quê? O que pode ser mais emo­ci­o­nante do que es­tes dois jo­gos de quartas-de-final?: Bra­sil x Ho­landa e Ar­gen­tina x Ale­ma­nha.

Pena que a Itá­lia saiu. Pena que Es­pa­nha ou Por­tu­gal vai sair. Os gran­des con­fron­tos é que fa­zem da Copa uma ver­da­deira Copa. São des­ses jo­gos que não nos es­que­ce­mos ja­mais.
Leia mais

Compartilhe

Crônicas, Impressões

A primeira Teta ninguém esquece

quinta-feira, 15 de abril de 2010 Texto de

A pri­meira Teta que vi, claro, foi a da mi­nha mãe. Aliás, fo­ram as pri­mei­ras te­tas. Por­que, afi­nal, elas são duas. Mas eu não me re­cordo, em­bora eu te­nha ma­mado até 4 anos de idade (eu sei, um ab­surdo!) e mi­nhas lem­bran­ças te­nham ori­gem bem an­tes disso – aos 2 anos.

Cu­ri­o­sa­mente, na­quela época pro­nun­ciar “teta” era quase di­zer um pa­la­vrão. E pen­sando bem até hoje ela é pouco usual (digo a pa­la­vra – rs­sss), mesmo sendo an­tes de mais nada nossa pri­meira fonte de ali­mento.
Leia mais

Compartilhe

Impressões

Conexão

terça-feira, 30 de março de 2010 Texto de

O Se­nado já man­dou para Ara­pi­raca, em Ala­goas, in­te­gran­tes de sua CPI (Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­rito) que vai in­ves­ti­gar a ban­da­lheira dos pa­dres acu­sa­dos de pe­do­fi­lia.

Não sei se vo­cês vi­ram o pro­grama do Ca­brini, no SBT, que foi quem de­nun­ciou o caso (para quem per­deu, está tudo no you­tube, claro). Se não fosse trá­gico, se­ria cô­mico. As ce­nas apre­sen­ta­das no “Co­ne­xão Re­pór­ter” são ao mesmo tempo ver­go­nha (por ter pa­dres me­ti­dos – li­te­ral­mente – nesse tipo de de­nún­cia) e es­cár­nio (pe­las re­a­ções dos de­nun­ci­a­dos).
Leia mais

Compartilhe

Impressões

Arruda

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010 Texto de

A OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil) quer a saída ou a pri­são tem­po­rá­ria do go­ver­na­dor José Ro­berto Ar­ruda, do Dis­trito Fe­de­ral. Bons tem­pos aque­les em que a pa­la­vra ar­ruda re­me­tia ime­di­a­ta­mente ao fa­moso ga­lhi­nho para afas­tar mau olhado. Que farra, não?
Leia mais

Compartilhe