Contos

Depois do jantar

quarta-feira, 18 de abril de 2018 Texto de

“Quan­do eu fa­la­va des­sas co­res mór­bi­das
Quan­do eu fa­la­va des­ses ho­mens sór­di­dos
Quan­do eu fa­la­va des­te tem­po­ral
Vo­cê não es­cu­tou
Vo­cê não quer acre­di­tar, mas is­to é tão nor­mal”

(Tre­cho de “Pai­sa­gem na ja­ne­la”, de Lô Bor­ges e Fer­nan­do Brant)

“E sua ir­mã?”, per­gun­tou o pai. Não ti­rou os olhos do pra­to.

Mi­ri­am ape­nas ba­lan­çou a ca­be­ça ne­ga­ti­va­men­te. Ar­ras­ta­va o gar­fo pa­ra lá e pa­ra cá em meio ao ar­roz.

“Vo­cê sa­be pa­ra que é seu ce­lu­lar, não sa­be?”

“Sei”, mas­ti­gou a co­mi­da sem per­ce­ber. Con­cen­tra­va-se pa­ra pen­sar em coi­sas dis­tan­tes que lhe exi­gis­sem to­da a ca­pa­ci­da­de de abs­tra­ção. Na­que­le mo­men­to es­cul­pia pe­dras flu­tu­an­tes no es­pa­ço si­de­ral.

“Dei­xa ver.”

Mi­ri­am em­pur­rou o apa­re­lho até bem per­to de­le. O pó das ro­chas zan­za­va na es­cu­ri­dão. Re­fle­tia va­gos bri­lhos es­te­la­res. De­se­nhos de to­dos os ti­pos.

“Quem é Sil­vi­nho?”

“Tra­ba­lho de es­co­la, tá es­cri­to aí.”

O ho­mem olhou pa­ra Mi­ri­am por al­guns se­gun­dos. De­pois cor­reu os olhos pe­las men­sa­gens.

“Não me es­con­da na­da”, ele vol­tou a co­mer em si­lên­cio.

Mi­ri­am pu­xou o te­le­fo­ne de vol­ta. A ro­cha trans­for­ma­ra-se num pe­que­no amu­le­to. Mas de­sa­pa­re­ceu quan­do, sem que­rer, ela viu um grão de ar­roz dan­çan­do por en­tre os fi­os do bi­go­de do pai. Te­ve no­jo.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Cavalo Branco

terça-feira, 20 de março de 2018 Texto de

Trou­xe­ram-lhe a be­bi­da, mas Na­tá­lia mal no­tou. Es­ta­va tão ab­sor­ta pe­lo am­bi­en­te e, cla­ro, pe­la mú­si­ca, que dis­se “obri­ga­da” quan­do o gar­çom já ti­nha de­sa­pa­re­ci­do. Ob­ser­vou com cu­ri­o­si­da­de as si­lhu­e­tas dan­çan­tes sob as pou­cas lu­zes ins­ta­la­das pró­xi­mas ao te­to ele­va­do e es­ti­lo­so, cu­jas te­lhas fran­ce­sas en­tre­me­a­das por al­gu­mas de vi­dro fil­tra­vam um pou­co da cla­ri­da­de ex­ter­na, às ve­zes até mes­mo a lua al­ta e cheia. Tu­do pa­re­cia co­mo an­tes, pen­sou ao dar uma olha­da ge­ral pe­las de­pen­dên­ci­as. Tal­vez a mai­or di­fe­ren­ça es­ti­ves­se si­tu­a­da ne­la pró­pria, ro­dou o co­po en­tre as mãos com uma mis­tu­ra de nos­tal­gia e apre­en­são. Que­ria evi­tar uma co­mo­ção es­tú­pi­da, mas ao mes­mo tem­po sen­tia o pei­to con­trair-se, o co­ra­ção ba­tia le­ve­men­te des­com­pas­sa­do à me­di­da que sua res­pi­ra­ção os­ci­la­va. Mo­lhou os lá­bi­os com a es­pe­ran­ça de res­ga­tar a es­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal, mas o má­xi­mo que con­se­guiu foi sen­tir o ál­co­ol quei­mar a gar­gan­ta, de­pois um ca­lor­zi­nho en­tu­si­as­mou-a mo­men­ta­ne­a­men­te. Per­gun­tou-se se te­ria to­ma­do a de­ci­são cer­ta. Vi­rou um tra­go e ten­tou avis­tar o pal­co. Sen­ta­ra-se bem lá atrás, o ve­lho bar es­ta­va lo­ta­do e mui­ta gen­te dan­ça­va na pis­ta e en­tre as me­sas.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Hipóteses

quinta-feira, 15 de março de 2018 Texto de

Dei­ta­do de cos­tas, viu que, no meio do céu, a lua fa­ti­a­va-se em du­as con­for­me o mo­vi­men­to das pál­pe­bras, às ve­zes ga­nha­va uma co­lo­ra­ção âm­bar, de­pois em­pa­li­de­cia atrás de uma mem­bra­na os­ci­lan­te. Vi­rou a ca­be­ça pa­ra seu la­do es­quer­do, de on­de vi­nha um som de res­pi­ra­ção len­ta e pe­sa­da, mas es­ta­va es­cu­ro de­mais, além do que su­as for­ças não ins­pi­ra­vam gran­des pro­je­tos fí­si­cos. Sen­tia uma ton­tu­ra ex­te­nu­an­te, era di­fí­cil man­ter o mun­do em or­dem. Fe­chou os olhos e ten­tou por al­gum tem­po en­tre­gar-se a uma imo­bi­li­da­de ab­so­lu­ta, in­ter­rom­pi­da ape­nas por es­pas­mos dos mem­bros. O pla­no bei­ra­va a al­go in­fan­til, mas sua con­di­ção de­plo­rá­vel li­mi­ta­va-o a es­se es­tá­gio do pen­sa­men­to, nes­se ca­so a es­pe­ran­ça, lo­go tor­na­da vã, de des­per­tar de um pe­sa­de­lo qual­quer. Ao cer­ti­fi­car-se re­sig­na­do de seu es­ta­do de vi­gí­lia, em­pre­en­deu um mo­vi­men­to cau­te­lo­so, es­ti­cou o bra­ço es­quer­do até on­de pô­de no ru­mo da res­pi­ra­ção ofe­gan­te. Na ver­da­de, era na­da mais que o re­sul­ta­do do ven­to ro­do­pi­an­do so­bre um te­ci­do que ele re­co­nhe­ceu co­mo sen­do o pró­prio ca­sa­co em­bo­la­do no chão. Com o mes­mo cui­da­do, re­co­lheu o bra­ço so­bre o pei­to, pu­xan­do jun­to o ca­sa­co, e en­tão o ruí­do dis­si­pou-se e tor­nou-o úni­co na imen­si­dão es­cu­ra.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Arrebentação

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018 Texto de

Mu­ri­lo tra­ba­lha nu­ma mul­ti­na­ci­o­nal de res­pei­to. Nos úl­ti­mos anos, pa­ra aten­der às no­vas exi­gên­ci­as de mer­ca­do, uma mo­der­na ges­tão re­du­ziu os qua­dros da em­pre­sa e im­plan­tou o que, nas reu­niões, os exe­cu­ti­vos cha­ma­ram de me­ca­nis­mos iné­di­tos de pro­du­ção sob a chan­ce­la de uma re­vo­lu­ci­o­ná­ria me­to­do­lo­gia ba­se­a­da em pa­râ­me­tros de gran­des con­glo­me­ra­dos chi­ne­ses. Cla­ro que, no fim das con­tas, cres­ce­ram as exi­gên­ci­as por mais em­pe­nho e com­pro­me­ti­men­to dos co­la­bo­ra­do­res (ter­mo sub-rep­tí­cio em­pre­ga­do pa­ra ame­ni­zar as dis­pa­ri­da­des so­ci­o­e­conô­mi­cas en­tre os que man­dam e os que obe­de­cem, igua­lan­do-os fan­ta­si­o­sa­men­te den­tro da en­gre­na­gem pro­fis­si­o­nal, se­gun­do ex­pli­cou Mu­ri­lo a ami­gos num tom en­tre di­ver­ti­do e re­sig­na­do, já com os lá­bi­os en­tor­pe­ci­dos pe­lo uís­que se­ma­nal).
Leia mais

Compartilhe

Contos

A casa de Montevidéu

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018 Texto de

Des­li­gou o ce­lu­lar de­pois de ter vis­to as ho­ras. On­ze e meia. Que­ria an­dar um pou­co na re­gião do ho­tel. Fa­zia uma noi­te bo­ni­ta em­bo­ra ele não sou­bes­se de on­de vi­nha o en­can­to. Nun­ca ti­nha ido a Mon­te­vi­déu, e pa­re­cia-lhe uma gran­de cha­ti­ce par­ti­ci­par ape­nas dos pas­sei­os pro­gra­ma­dos. Bus­ca­va um pou­co de li­ber­da­de. Tal­vez na ma­nhã se­guin­te nem fos­se atra­ves­sar o Pra­ta com os ou­tros até Bu­e­nos Ai­res. De que iria va­ler a cur­ta vi­a­gem ao sul se não con­se­guis­se des­li­gar-se de seu co­ti­di­a­no?
Leia mais

Compartilhe

Contos

Núpcias

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018 Texto de

Tu­li­pa ama­va Pe­dro que ama­va Lui­za. Tu­li­pa era ir­mã de Pe­dro. E Pe­dro, noi­vo de Lui­za. Mais do que a pró­pria noi­va, Tu­li­pa pa­re­cia eu­fó­ri­ca à me­di­da que se apro­xi­ma­va a da­ta do ca­sa­men­to. Li­ga­va qua­se to­dos os di­as de­pois de vol­tar da fa­cul­da­de.

“Vo­cê vem ho­je?”, ani­ma­va-se en­quan­to er­guia as per­nas e es­fre­ga­va os pés um no ou­tro, dei­ta­da de bru­ços em sua ca­ma.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Aparição no Rio Pinheiros

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018 Texto de

A es­cri­to­ra des­co­la­da em bus­ca de nar­ra­ti­vas ori­gi­nais ti­nha qua­se tu­do em men­te: o epi­só­dio se­ria am­bi­en­ta­do à bei­ra do Rio Pi­nhei­ros, em São Pau­lo, quan­do o ser meio hu­ma­no meio ja­ca­ré dei­xa­ria as águas com a na­tu­ra­li­da­de de um mer­gu­lha­dor. Na ver­da­de, ini­ci­al­men­te o pro­ta­go­nis­ta se­ria meio hu­ma­no meio pei­xe, mas de­pois ela pen­sou que um pê­nis gi­gan­te con­fun­din­do-se com o ra­bão do ja­ca­ré po­de­ria dar um tom pi­can­te ao tex­to, e is­so bas­tou pa­ra que ela se de­ci­dis­se.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Mãos à obra

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018 Texto de
Detalhe de "Vênus e as Três Graças", de Botticelli

De­ta­lhe de “Vê­nus e as Três Gra­ças”, de Bot­ti­cel­li

O tes­ta­men­tei­ro sen­tou di­an­te das mu­lhe­res, olhou pa­ra elas com cu­ri­o­si­da­de e dis­se la­men­tar mui­to, o Má­xi­mo era um ex­ce­len­te ra­paz, mas sa­be­mos co­mo é a vi­da etc. etc. Tia Ma­ria An­to­nia e Tia An­to­nia Ma­ria es­ta­vam no es­cri­tó­rio de­le, num des­ses pré­di­os im­po­nen­tes da Fa­ria Li­ma, sen­ta­das em ca­dei­ras de en­cos­to al­to, de mo­do que, com as cos­tas bem apoi­a­das, não so­fre­ri­am com as do­res em su­as res­pec­ti­vas co­lu­nas, uma en­cren­ca ra­zoá­vel que as per­se­guia des­de a ado­les­cên­cia, quan­do fo­ram ve­ta­das pa­ra a equi­pe de vô­lei do gi­ná­sio, o que era uma pe­na, dis­se­ra o pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca, pois com es­sa es­ta­tu­ra vo­cês se­ri­am ex­ce­len­tes jo­ga­do­ras. Tan­tos anos de­pois, su­pe­ra­dos os trau­mas es­por­ti­vos e psi­co­ló­gi­cos (es­tes nem tan­to), e con­for­tá­veis fi­si­ca­men­te, res­ta­va-lhes a dor na al­ma.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Incidente no 21

terça-feira, 23 de janeiro de 2018 Texto de

Ha­via se mu­da­do pa­ra a Rua Igua­te­mi pou­cas ho­ras an­tes de le­van­tar-se e ir ao ba­nhei­ro. As­sim que co­me­çou a uri­nar, ou­viu em meio ao si­lên­cio es­cor­re­ga­dio da ma­dru­ga­da idên­ti­co ruí­do no apar­ta­men­to de ci­ma: lí­qui­do es­gui­chan­do con­tra lí­qui­do, de­pois a des­car­ga. Exaus­to, cain­do de so­no, en­xu­gou as mãos na to­a­lha pre­sa ao su­por­te so­bre o la­va­bo en­quan­to pen­sa­va que coin­ci­dên­cia po­de ser si­nal de sor­te. Sor­riu pa­ra si mes­mo, mas te­ve um so­bres­sal­to ao der­ru­bar o su­por­te de me­tal. Na­da de­mais quan­to ao pe­que­no in­ci­den­te, a não ser pe­la ní­ti­da im­pres­são de ter ou­vi­do ba­ru­lho se­me­lhan­te aci­ma de sua ca­be­ça. Es­pe­rou por al­guns se­gun­dos sem mo­ver-se, abriu e fe­chou a tor­nei­ra, der­ru­bou no­va­men­te o su­por­te, des­ta vez pro­po­si­tal­men­te, aper­tou mais uma vez o bo­tão da des­car­ga, mas tu­do que pô­de ou­vir fo­ram os ruí­dos cau­sa­dos por ele mes­mo. De­pois dor­miu.
Leia mais

Compartilhe

Contos

Cachecol

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 Texto de

Cru­zou com ele em fren­te ao Masp. Era um dia frio em que a mai­o­ria das pes­so­as ves­tia blu­sas e ja­que­tas. Ele es­ta­va tam­bém de ca­che­col cu­ja fran­ja de lã es­cor­re­gou com o ven­to e lam­beu o om­bro es­quer­do de Lu­ci­a­na. Do ins­tan­te em que ela o avis­tou até per­dê-lo na li­nha fi­nal do olhar pe­ri­fé­ri­co, fo­ram ape­nas al­guns se­gun­dos, mas as­sim mes­mo re­co­nhe­ceu-o. Não ti­nha co­mo não re­co­nhe­cê-lo. Seu ros­to ain­da per­ma­ne­ceu por um bom tem­po co­mo uma más­ca­ra en­fi­a­da em to­das as ca­be­ças dos pe­des­tres à me­di­da que ela avan­ça­va pe­la Ave­ni­da Pau­lis­ta. A sur­pre­sa ab­sor­veu-a de tal mo­do que che­gou ao Me­trô Tri­a­non sem ter pla­ne­ja­do. Só en­tão lem­brou-se do ca­fé, lá atrás, on­de ti­nha a en­tre­vis­ta de tra­ba­lho. Se­gu­rou a bol­sa com for­ça e co­me­çou a fa­zer o ca­mi­nho de vol­ta. A ca­da pas­so, vas­cu­lha­va an­gus­ti­a­da em meio à mul­ti­dão. Não sa­bia ex­pli­car a si mes­ma o porquê de de­se­jar vê-lo no­va­men­te. Era uma sen­sa­ção des­con­for­tá­vel e ao mes­mo tem­po de um pra­zer bru­tal. Já à me­sa, de­pois de cum­pri­men­tar a ge­ren­te de no­vos ne­gó­ci­os da em­pre­sa on­de pre­ten­dia tra­ba­lhar, abar­cou dis­far­ça­da­men­te o en­tor­no com um rá­pi­do olhar e, sem qual­quer ex­pec­ta­ti­va, de­pa­rou-se com o ca­che­col.
Leia mais

Compartilhe