Crônicas, Impressões

Memoráveis

segunda-feira, 28 de junho de 2010 Texto de

Aí es­tá a gra­ça da Co­pa. Tem gen­te que fi­ca tor­cen­do pa­ra que os gran­dões se­jam eli­mi­na­dos. Pra quê? O que po­de ser mais emo­ci­o­nan­te do que es­tes dois jo­gos de quar­tas-de-fi­nal?: Bra­sil x Ho­lan­da e Ar­gen­ti­na x Ale­ma­nha.

Pe­na que a Itá­lia saiu. Pe­na que Es­pa­nha ou Por­tu­gal vai sair. Os gran­des con­fron­tos é que fa­zem da Co­pa uma ver­da­dei­ra Co­pa. São des­ses jo­gos que não nos es­que­ce­mos ja­mais.

O úl­ti­mo con­fron­to en­tre Bra­sil e Ho­lan­da, em 1998, é um dos meus jo­gos ines­que­cí­veis. As­sis­ti à par­ti­da na mi­nha pe­que­na Ca­fe­lân­dia. E me lem­bro exa­ta­men­te da ho­ra em que o Taf­fa­rel pe­gou o pê­nal­ti de­ci­si­vo.

Es­tá­va­mos em vá­ri­os ami­gos e fa­mi­li­a­res. Eu não olhei a co­bran­ça. Fi­quei de­ti­do num pon­to qual­quer da rua (es­tá­va­mos na va­ran­da, on­de co­lo­ca­mos a TV), era uma bo­ca-da-noi­te agra­dá­vel, qua­se um ca­lor, mas ain­da as­sim uma noi­te in­de­ci­sa, uma noi­te que ain­da não se mos­tra­va por com­ple­to, se se fe­cha­ria em tre­vas ou se se ilu­mi­na­ria de­bai­xo de lua e es­tre­las.

A ca­sa de mi­nha mãe é nu­ma es­qui­na e tu­do es­ta­va si­len­ci­o­so no en­tor­no na­que­les mo­men­tos de ten­são que an­te­ce­dem uma co­bran­ça de­ci­si­va de pê­nal­ti. En­tão, se­gu­ran­do a mão de mi­nha fi­lha de cin­co anos, fi­xei o olhar num ca­chor­ro dei­ta­do em fren­te de uma das ca­sas vi­zi­nhas. Ele dor­mia co­mo se na­da de im­por­tan­te es­ti­ves­se acon­te­cen­do, co­mo se da­li a pou­co não ha­ve­ria uma ex­plo­são de fe­li­ci­da­de ou uma ter­rí­vel frus­tra­ção.

Se­gun­dos de­pois, o vi­ra-la­ta sal­tou as­sus­ta­do com os fo­gos e gri­tos que já res­so­a­vam e fa­zi­am a noi­ti­nha, en­fim, sor­rir de ale­gria. As pes­so­as pu­la­vam ao meu la­do e eu ain­da le­vei al­guns se­gun­dos pa­ra me li­ber­tar de uma bre­ve pa­ra­li­sia, pa­ra dei­xar de olhar o ca­chor­ro a es­sa al­tu­ra já de­vi­da­men­te em pé, pa­ra ver a rua ra­pi­da­men­te for­rar-se de ban­dei­ras e de gen­te co­me­mo­ran­do, pa­ra ver a lua dis­tan­te que co­me­ça­va a se er­guer.

O fu­te­bol é as­sim. Cu­ri­o­so, inex­pli­cá­vel. Fan­ta­si­o­so, fun­do.

Mas e se fos­se Bra­sil x Es­lo­vá­quia? Ah, não. Aí, nem o ca­chor­ro do vi­zi­nho te­ria se le­van­ta­do. E nem ha­ve­ria lua.

Compartilhe