Crônicas, Impressões

A primeira Teta ninguém esquece

quinta-feira, 15 de abril de 2010 Texto de

A pri­mei­ra Te­ta que vi, cla­ro, foi a da mi­nha mãe. Aliás, fo­ram as pri­mei­ras te­tas. Por­que, afi­nal, elas são du­as. Mas eu não me re­cor­do, em­bo­ra eu te­nha ma­ma­do até 4 anos de ida­de (eu sei, um ab­sur­do!) e mi­nhas lem­bran­ças te­nham ori­gem bem an­tes dis­so – aos 2 anos.

Cu­ri­o­sa­men­te, na­que­la épo­ca pro­nun­ci­ar “te­ta” era qua­se di­zer um pa­la­vrão. E pen­san­do bem até ho­je ela é pou­co usu­al (di­go a pa­la­vra - rs­s­ss), mes­mo sen­do an­tes de mais na­da nos­sa pri­mei­ra fon­te de ali­men­to.

Mas uma coi­sa é cer­ta: sua pre­sen­ça en­tre nós, sob o pon­to de vis­ta das re­fe­rên­ci­as psi­co-se­xu­ais (exis­te?) é de uma com­ple­xi­da­de mag­ní­fi­ca. Tal­vez a úni­ca coi­sa ca­paz de der­ro­tá-la nes­se as­pec­to se­ja o pê­nis. Aliás, o Pin­to (pa­ra aqui igua­lar a ter­mi­no­lo­gia ao mes­mo pa­ta­mar de Te­ta).

E mes­mo as­sim por­que es­se ser mi­to­ló­gi­co (o Pin­to) é ob­je­to de nu­me­ro­sos es­tu­dos da psi­ca­ná­li­se e afins, en­quan­to a Te­ta aca­ba, por mo­ti­vos ób­vi­os, sen­do de cer­ta ma­nei­ra pre­ser­va­da no sen­ti­do de que ela é co­mo uma de­li­ci­o­sa rai­nha: nos­sas fan­ta­si­as fi­cam es­con­di­das sob o res­pei­to que de­ve­mos a ela.

A pri­mei­ra vez (que eu me lem­bre) que vi uma – aliás, du­as – foi no meio de um ca­fe­zal per­to de on­de nas­ci, na La­goa Se­ca, em Ca­fe­lân­dia. Era uma mo­ça de pe­le mo­re­na, tal­vez uma ado­les­cen­te. Não sei mais quem era. Ela es­ta­va tra­ba­lhan­do na ro­ça e, sem per­ce­ber que ha­via al­guém olhan­do, er­gueu a ca­mi­sa e li­vrou-se do su­tiã (que de­via es­tar in­co­mo­dan­do).

Eu era um ga­ro­to que fa­zia pou­co ti­nha aca­ba­do de ser des­ma­ma­do. Tam­bém não sei mais o que sen­ti. Mas uma coi­sa fi­cou pra sem­pre na mi­nha ca­be­ça: inex­pli­ca­vel­men­te, um bei­ja-flor a son­dou bem de per­to, acho até que o pe­que­no bi­co do pás­sa­ro atre­vi­do apro­xi­mou-se tan­to tan­to de um de seus ma­mi­los bem es­cu­ros, que a fez ar­re­pi­ar-se e pro­te­ger as te­tas com as mãos en­quan­to ves­tia de no­vo a ca­mi­sa lis­tra­da.

Ou­tra te­ta

Eu ain­da não ti­nha vis­to “A te­ta as­sus­ta­da” (2009), pe­ru­a­no in­di­ca­do ao Os­car de me­lhor fil­me es­tran­gei­ro e ga­nha­dor do Ur­so de Ou­ro no Fes­ti­val de Ber­lim. Vi ago­ra. A nar­ra­ti­va en­vol­ve a su­pers­ti­ção de po­pu­la­ções in­dí­ge­nas do Pe­ru so­bre a trans­mis­são de uma do­en­ça pe­lo lei­te ma­ter­no das mu­lhe­res es­tu­pra­das nos tem­pos do ter­ro­ris­mo do Sen­de­ro Lu­mi­no­so (dé­ca­da de 1980).

Es­sa do­en­ça po­de ser tra­du­zi­da num me­do in­sa­no da vi­o­la­ção. Por is­so mes­mo, pa­ra se de­fen­der, a pro­ta­go­nis­ta (Faus­ta) en­fia uma ba­ta­ta na va­gi­na.

Tam­bém achei um bom fil­me. Mas não mais que is­so. O fil­me, aliás, ex­plo­ra bas­tan­te as con­tra­di­ções so­ci­ais pe­ru­a­nas. Faus­ta mo­ra na pe­ri­fe­ria e a cer­ta al­tu­ra é hu­mi­lha­da pe­la pa­troa, mu­lher da al­ta so­ci­e­da­de de Li­ma.

Mi­nha co­ta­ção: bon­zi­nho.

Ni­nho

Apro­vei­tei pa­ra pe­gar tam­bém “Ni­nho va­zio”, fil­me do ar­gen­ti­no Da­ni­el Bur­man, di­re­tor de ape­nas 37 anos que vem ga­nhan­do fa­ma in­ter­na­ci­o­nal com seus tra­ba­lhos.

A his­tó­ria é so­bre um ca­sal de meia ida­de que vê os fi­lhos par­ti­rem pa­ra su­as pró­pri­as vi­das e pas­sa a sen­tir o pe­so des­sa au­sên­cia. Ela bus­ca en­fi­ar-se nu­ma vi­da so­ci­al in­ten­sa e ele, um im­por­tan­te es­cri­tor, tor­na-se ca­da vez mais in­tros­pec­ti­vo.

Es­sa di­ver­gên­cia de pos­tu­ras aju­da a acen­tu­ar a cri­se nes­se ca­sa­men­to à bei­ra do nau­frá­gio.

Gos­tei do fil­me. Bons ato­res. Te­ma fun­da­men­tal nos di­as de ho­je. Di­re­ção óti­ma. Di­zem que foi um dos fil­mes mais vis­tos dos úl­ti­mos anos na Ar­gen­ti­na.

Mi­nha co­ta­ção: ine­vi­tá­vel (pa­ra os ca­sa­dos)

Mar­cha

Meu ni­nho tam­bém es­tá va­zio. Mi­nha fi­lha es­tá na fa­cul­da­de e o quar­to de­la guar­da ape­nas su­as coi­sas que fi­ca­ram, in­cluin­do os bi­chos de pe­lú­cia, que vi­vem o dia in­tei­ro na ca­ma, e a gui­tar­ra e o vi­o­lão, mu­dos. É a vi­da, di­zem. É a vi­da, eu re­pi­to.

Li­nha

De vez em quan­do, li­ga no meu ce­lu­lar um ca­ra pro­cu­ran­do um tal pas­tor Ama­ro. Não sei quem é o ca­ra nem quem é o pas­tor Ama­ro. Mas já es­ta­mos qua­se ami­gos. Por­que a coi­sa es­tá se tor­nan­do pró­xi­ma.

Co­me­çou ape­nas com “ah, foi en­ga­no, me des­cul­pe”. De­pois, eu per­gun­tei se ele era da mes­ma área, ele dis­se que sim e fi­ca­mos meio atô­ni­tos. Mais al­gu­mas li­ga­ções e tan­to ele co­mo eu pas­sa­mos a xin­gar, de­si­lu­di­dos, as ope­ra­do­ras.

De vez em quan­do, em vá­ri­as áre­as di­fe­ren­tes, li­go de al­gum te­le­fo­ne fi­xo pa­ra meu pró­prio nú­me­ro pa­ra, in­tri­ga­do, ver se o pas­tor Ama­ro aten­de. Mas nun­ca o en­con­trei. De mi­nha par­te, de­sis­to. Se o pas­tor Ama­ro qui­ser, ele que me pro­cu­re.

Compartilhe