Quick Response Code

Quick Response Code

O QR Co­de – Quick Res­pon­se Co­de (Có­di­go de Res­pos­ta Rá­pi­da) – é um sis­te­ma de co­di­fi­ca­ção de in­for­ma­ções por meio de ima­gens em 2D, si­mi­lar ao po­pu­lar có­di­go de bar­ras pa­ra­le­las. A sua uti­li­za­ção se dá por meio de fi­gu­ras bi-di­men­si­o­nais – se­guin­do pa­drão in­ter­na­ci­o­nal nor­ma­ti­za­do – que po­dem ser in­ter­pre­ta­das por pro­gra­mas es­pe­cí­fi­cos ca­pa­zes de re­co­nhe­cer es­se for­ma­to de ima­gem. Atu­al­men­te, o seu uso mais fre­quen­te ocor­re por meio das câ­me­ras fo­to­grá­fi­cas de apa­re­lhos ce­lu­la­res, prin­ci­pal­men­te pa­ra fa­ci­li­tar e agi­li­zar o aces­so à en­de­re­ços de in­ter­net, te­le­fo­nes, e-mails, etc. A des­ta­ca­da van­ta­gem tec­no­ló­gi­ca do QR Co­de é a sua ca­pa­ci­da­de de ser in­ter­pre­ta­do ra­pi­da­men­te, mes­mo com ima­gens em bai­xa re­so­lu­ção cap­ta­das por câ­me­ras di­gi­tais em for­ma­to VGA.


QR Co­de do link www.marcioabc.com.br

O QR Co­de foi de­sen­vol­vi­do pe­la em­pre­sa nipô­ni­ca Den­so-Wa­ve em 1994 e é bas­tan­te di­fun­di­do no Ja­pão. O pa­drão de ori­gem ja­po­ne­sa foi dis­po­ni­bi­li­za­do em ja­nei­ro de 1999 e, des­de en­tão, foi ado­ta­do co­mo pa­drão in­ter­na­ci­o­nal – ISO/IEC 18004 –, ten­do si­do apro­va­do em ju­nho de 2000.

A prin­ci­pal di­fe­ren­ça do QR Co­de em re­la­ção aos có­di­gos de bar­ras pa­ra­le-las tra­di­ci­o­nais, é a pos­si­bi­li­da­de de co­di­fi­car in­for­ma­ções tan­to no sen­ti­do ho­ri­zon­tal quan­to no ver­ti­cal. Por meio da lei­tu­ra da ima­gem em am­bos os sen­ti­dos, o QR Co­de po­de co­di­fi­car vá­ri­as cen­te­nas de ve­zes a quan­ti­da­de de da­dos pos­sí­veis em um có­di­go de bar­ras pa­ra­le­las co­mum.

Leitor de QR Code em seu celular

Por ser pou­co di­fun­di­do no Bra­sil, uma boa par­ce­la dos te­le­fo­nes ce­lu­la­res que são co­mer­ci­a­li­za­dos pe­las prin­ci­pais ope­ra­do­ras do país não vem com pro­gra­ma de lei­tu­ra de QR Co­de ins­ta­la­do. Po­rém, a ins­ta­la­ção de apli­ca­ti­vos é fá­cil pa­ra a mai­o­ria dos mo­de­los. Uma so­lu­ção prá­ti­ca pa­ra os ce­lu­la­res mais co­mer­ci­a­li­za­dos é aces­sar, atra­vés do brow­ser do apa­re­lho, o link www.i-nigma.mobi. Ca­so o seu apa­re­lho se­ja com­pa­tí­vel com o pro­gra­ma, o down­lo­ad e a ins­ta­la­ção se­rão re­a­li­za­dos au­to­ma­ti­ca­men­te.

Pa­ra os mo­de­los mais so­fis­ti­ca­dos, há ou­tras op­ções in­te­res­san­tes, lis­ta­das abai­xo. Con­fi­ra:

iPho­ne 3G, da Ap­ple: Apli­ca­ti­vo 2D Sen­se, na App Sto­re
An­droid G1, da HTC: Apli­ca­ti­vo Bar­co­de Scan­ner, na An­droid Mar­ket
Sym­bi­an N95, da No­kia: Apli­ca­ti­vo Quick­mark – www.quickmark.com.tw
Win­dows Mo­bi­le Di­a­mond, da HTC: Apli­ca­ti­vo i-nig­ma – www.i-nigma.com
Black­Ber­ry Bold, da RIM: Apli­ca­ti­vo Be­e­tagg – www.beetagg.com

Pa­ra mais in­for­ma­ções so­bre o QR Co­de, as­sis­ta a ma­té­ria do Olhar Di­gi­tal.