Retratos

Primeira escola e primeiro crime

quarta-feira, 25 de agosto de 2010 Texto de

A ima­gem aci­ma mos­tra cri­an­ças di­an­te de um pré­dio bem sim­ples e rús­ti­co. Aí mui­ta gen­te co­me­çou a apren­der a ler e a es­cre­ver. Eu tam­bém. A fo­to não é do meu tem­po. É da épo­ca de meus pais. Meus pais es­tu­da­ram aí. Mais tar­de foi mi­nha vez, coi­sa de dois ou três me­ses an­tes de mu­dar­mos pa­ra a ci­da­de. A es­co­la fi­ca­va na Fa­zen­da Bem Es­tar, lo­ca­li­za­da em Ca­fe­lân­dia, mu­ni­cí­pio do in­te­ri­or de São Pau­lo.

Lá den­tro, ha­via uma úni­ca sa­la pa­ra pe­lo me­nos dois gru­pos de es­tu­dan­tes que es­ta­vam em anos di­fe­ren­tes. A pro­fes­so­ra des­do­bra­va-se pa­ra en­si­nar, por exem­plo, o pri­mei­ro e o ter­cei­ro anos. En­quan­to ela pas­sa­va a ta­re­fa de clas­se pa­ra o pri­mei­ro ano, o ter­cei­ro es­pe­ra­va. E vi­ce-ver­sa. Era as­sim a mai­o­ria das es­co­las ru­rais na­que­les tem­pos – no dos meus pais e tam­bém no meu.

A es­tru­tu­ra da es­co­la con­sis­tia nu­ma me­sa pa­ra a pro­fes­so­ra e em car­tei­ras du­plas pa­ra os alu­nos. Ao la­do, ha­via um quar­ti­nho fei­to co­mo des­pen­sa. Nes­se quar­ti­nho, co­me­ti meu pri­mei­ro cri­me: jun­to com um co­le­ga, en­fi­ei-me lá na ho­ra do re­creio e co­mi cho­co­la­te em pó rou­ba­do de uma la­ta. Em ou­tra oca­sião, fo­mos olhar a pro­fes­so­ra na “ca­si­nha” (a pri­va­da de al­ve­na­ria cons­truí­da no quin­tal do pré­dio es­co­lar). Eram cri­mes gra­ves pa­ra a épo­ca.

Compartilhe