Crônicas

O sigilo de um passado que nos incomoda

quinta-feira, 23 de junho de 2011 Texto de

Aí es­tá a Ni­na, ca­chor­ri­nha que tam­bém é mi­nha

Es­con­der coi­sas do nos­so pas­sa­do (ou mes­mo do pre­sen­te) das quais nos en­ver­go­nha­mos nos faz bem? Re­sol­ve nos­sas in­cer­te­zas a res­pei­to do fu­tu­ro? Sus­ten­ta nos­sa es­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal? Evi­ta uma ex­po­si­ção pre­ju­di­ci­al à nos­sa ima­gem? A dis­cus­são em tor­no de do­cu­men­tos si­gi­lo­sos da his­tó­ria do país me des­per­tou pa­ra mi­nhas pró­pri­as de­son­ras.

Eu gos­ta­ria de es­con­der que ma­tei pas­sa­ri­nhos no ni­nho e que le­vei ca­chor­ri­nhos pa­ra jo­gar no rio.

Que ter­mi­nei um lon­go na­mo­ro de qual­quer jei­to só pa­ra ir to­mar cer­ve­ja com os ami­gos.

Que não fiz na­da pa­ra com­pre­en­der me­lhor meu pai.

Que dis­se à mi­nha mãe que ela não ti­nha na­da a ver com a mi­nha vi­da.

Que um dia re­cla­mei do ser­vi­ço de um es­ta­ci­o­na­men­to e dis­se ao ca­ra que iria fa­zer uma ma­té­ria.

Que ju­di­ei dos meus pri­mos me­no­res quan­do cri­an­ça.

Que pus a cul­pa num co­le­ga da fren­te quan­do mi­nha co­la pa­ra a pro­va do gi­ná­sio caiu no chão.

Que fui mal edu­ca­do com pes­so­as que amo.

Que já es­con­di opi­niões pa­ra não me com­pro­me­ter.

Que uma vez não dei a mão pa­ra um men­di­go por­que ele es­ta­va su­jo.

Que me fiz de bem in­for­ma­do pa­ra não pa­re­cer ig­no­ran­te.

Que já dei­xei a luz ace­sa pa­ra dor­mir por­que es­ta­va as­som­bra­do.

Que, por re­ceio, não dei ca­ro­na a uma mu­lher com cri­an­ça de co­lo na bei­ra da ro­do­via.

Que por pou­ca coi­sa me sen­ti in­jus­ti­ça­do pe­la vi­da.

Que não vi­si­to ve­lhos ami­gos.

Que te­nho da­do pou­ca aten­ção a uma ca­chor­ri­nha que tam­bém é mi­nha.

Que te­nho pre­con­cei­tos.

Eu gos­ta­ria de es­con­der tu­do is­so. De não con­tar a nin­guém. Mas qual o sen­ti­do de al­go as­sim se não te­nho co­mo es­con­der de mim mes­mo?

O Bra­sil não po­de es­con­der seu pas­sa­do de si mes­mo. E nós so­mos o Bra­sil. O Bra­sil do bem e o Bra­sil do mal.

Compartilhe