Arquivos de Música

Crônicas

O dia em que eu toquei violão com o Cartola

sábado, 5 de outubro de 2013 Texto de

A se­guir, re­pro­duzo o re­gis­tro que fiz no meu bloco de ca­be­ceira por volta das cinco da ma­dru­gada de hoje.

Meus so­nhos ge­ral­mente são lon­gas me­tra­gens. Esta noite, po­rém, par­ti­ci­pei de um curta. Eu es­tava to­cando vi­o­lão (logo eu, o cara mais de­sa­fi­nado do mundo) com o Car­tola!

Mas eu sei o mo­tivo. On­tem pas­sou no Ca­nal Bra­sil um do­cu­men­tá­rio so­bre ele e eu vi um tre­cho. E lá es­tá­va­mos Car­tola e eu to­cando vi­o­lão!
Leia mais

Compartilhe

Crônicas

Fera

quarta-feira, 20 de março de 2013 Texto de

No meio da dé­cada de 1990, quando mi­nha fi­lha Ana Clara ti­nha uns dois anos, cos­tu­má­va­mos bo­tar pra ela ou­vir um disco de vi­nil com vá­rias his­tó­rias in­fan­tis. O apa­re­lho de som fi­cava na sala do pe­queno apar­ta­mento, bem perto da te­le­vi­são. Sem­pre que o li­gá­va­mos para que ela ou­visse o disco, dei­xá­va­mos a TV sem vo­lume.
Leia mais

Compartilhe

Geral

Vandré, 1978

segunda-feira, 4 de junho de 2012 Texto de

Van­dré con­fere um disco dele que As­sis com­prou num sebo de Pa­ris (Foto pu­bli­cada em Jornalistas&Cia)

Em se­tem­bro de 1978, Ge­raldo Van­dré con­ce­dia ao “Fo­lhe­tim”, ines­que­cí­vel su­ple­mento de cul­tura da Fo­lha de S. Paulo, uma en­tre­vista que po­de­ria, com o tempo, se tor­nar ape­nas mais uma. En­tre­tanto, o for­mato edi­to­rial ado­tado para a ma­té­ria es­crita por As­sis Ân­gelo, o modo como As­sis con­du­ziu a con­versa, o modo como As­sis se dei­xou le­var pela in­crí­vel “vi­a­gem” de Van­dré, es­ses as­pec­tos tor­na­ram a re­por­ta­gem an­to­ló­gica.
Leia mais

Compartilhe


Trai­ler do fil­maço de Da­vid Lean lan­çado em 1962

Com­prei o DVD do filme “La­wrence da Ará­bia” (Di­re­ção de Da­vid Lean, 1962). Só pra re­ver na hora que eu bem en­ten­der. É um dos meus fil­mes pre­fe­ri­dos, em­bora eles se­jam mui­tos. Mas “La­wrence” tem algo de fa­bu­loso, mis­te­ri­oso, in­tri­gante, algo que sem­pre me atrai para o de­serto do norte da África, onde o te­nente in­glês exerce pa­pel fun­da­men­tal na luta das al­deias ára­bes ali­a­das ao exér­cito bri­tâ­nico con­tra os tur­cos, que na época (a ação se passa du­rante a Pri­meira Guerra Mun­dial) pre­ten­diam ane­xar a Pe­nín­sula Ará­bica ao seu Im­pé­rio Oto­mano.
Leia mais

Compartilhe

Crônicas

Uma imagem. E só.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011 Texto de

Às ve­zes, fi­ca­mos bo­qui­a­ber­tos de ad­mi­ra­ção com ce­nas na te­le­vi­são ou no ci­nema. Mas é in­crí­vel como não nos da­mos conta de que bem ao nosso lado po­dem ro­lar coi­sas tão ma­ra­vi­lho­sas (ou mais) como as pro­du­zi­das pe­los pro­fis­si­o­nais da ima­gem.
Leia mais

Compartilhe

Crônicas

Paisagem da janela

terça-feira, 28 de dezembro de 2010 Texto de

Quando eu ti­nha uns 4 ou 5 anos, fiz uma vi­a­gem de trem com mi­nha mãe. O que eu mais me lem­bro da ex­pe­ri­ên­cia é algo bas­tante inu­si­tado: a vi­são as­sus­ta­dora do vão en­tre o va­gão e a pla­ta­forma. Sa­ber que ali em­baixo ha­via um fosso, mesmo que fosse muito im­pro­vá­vel al­guém pi­sar no va­zio e cair na­quele “abismo”, era per­tur­ba­dor.
Leia mais

Compartilhe

Crônicas

Memória da saudade

segunda-feira, 1 de novembro de 2010 Texto de


Ví­deo com “Can­ção da Amé­rica” e ce­nas do en­terro de Elis Re­gina, em 1982. É com esta mú­sica e essa voz ex­tra­or­di­ná­ria que ho­me­na­geio meus ami­gos mor­tos

Eu res­peito muito as cren­ças e os ri­tu­ais. Desde, claro, que não se­jam ab­sur­dos. E como há cren­ças e ri­tu­ais ab­sur­dos! Mas isso fica para ou­tra hora. O fato é que eu res­peito muito as cren­ças e os ri­tu­ais. Por­que, afi­nal de con­tas, nós sa­be­mos tão pouco, quase nada. Como te­ria dito Só­cra­tes, o fi­ló­sofo, só sei que nada sei. E eis o que sei: res­peito, recuso-me a du­vi­dar do que não sei, e como nada sei, de nada du­vido.
Leia mais

Compartilhe

Impressões

O Brasil de Rolando Boldrin

quinta-feira, 28 de outubro de 2010 Texto de


Eu sem­pre gos­tei do Ro­lando Bol­drin. Quem lê meu blog ou quem me co­nhece há al­gum tempo sabe da mi­nha ori­gem, uma ori­gem ru­ral, uma ori­gem que se junta a tan­tas ou­tras deste Bra­sil agreste. Nós, que vi­e­mos do campo, car­re­ga­mos uma sina que às ve­zes nos con­forta e em ou­tras nos abor­rece: gos­ta­mos do su­jeito (ou não gos­ta­mos) logo de cara. Não sei o que é. Tal­vez seja um co­nhe­ci­mento ime­mo­rial ou, quem sabe, uma des­sas mui­tas bo­ba­gens nas quais nós con­fi­a­mos como se fosse uma lei ina­ba­lá­vel.
Leia mais

Compartilhe

Geral

Pedaços da rede (1)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010 Texto de

Ima­gem re­ti­rada de capa de disco de Odair José

Ve­jam co­men­tá­rio feito por um in­ter­nauta em al­gum lu­gar da web. Um co­men­tá­rio que é um belo mi­ni­conto.

“Como era bom aquele tempo. Mi­nha pri­meira tre­pada foi na zona, me apai­xo­nei pela puta, ia lá todo dia, dan­çava co­la­di­nho com ela ao som dessa e ou­tras mú­si­cas do Odair José. Es­pe­rava a noite toda para às ve­zes dor­mir com ela.
Leia mais

Compartilhe

Retratos

Meu canudo de papel

sábado, 4 de setembro de 2010 Texto de


Eis um mo­mento im­por­tante para Car­los Nas­ci­mento (rs­sss). A ima­gem acima mos­tra o fa­moso jor­na­lista me en­tre­gando o di­ploma de jor­na­lismo. Foi uma grande honra re­ce­ber das mãos dele meu ca­nudo de pa­pel.
Leia mais

Compartilhe