Crônicas

O dia em que eu toquei violão com o Cartola

sábado, 5 de outubro de 2013 Texto de

A se­guir, re­pro­du­zo o re­gis­tro que fiz no meu blo­co de ca­be­cei­ra por vol­ta das cin­co da ma­dru­ga­da de ho­je.

Meus so­nhos ge­ral­men­te são lon­gas me­tra­gens. Es­ta noi­te, po­rém, par­ti­ci­pei de um cur­ta. Eu es­ta­va to­can­do vi­o­lão (lo­go eu, o ca­ra mais de­sa­fi­na­do do mun­do) com o Car­to­la!

Mas eu sei o mo­ti­vo. On­tem pas­sou no Ca­nal Bra­sil um do­cu­men­tá­rio so­bre ele e eu vi um tre­cho. E lá es­tá­va­mos Car­to­la e eu to­can­do vi­o­lão!

A cer­ta al­tu­ra, ele se vi­ra pra mim e diz “Már­cio, eu sei por que vo­cê é Man­guei­ra”. E eu “Ah, é? E por que, meu ve­lho?” (eu tam­bém sei o mo­ti­vo de o ter tra­ta­do por “meu ve­lho”: é que tam­bém on­tem as­sis­ti ao fil­me “O Gran­de Gatsby”, em que o per­so­na­gem prin­ci­pal car­re­ga con­si­go es­se ca­co­e­te).

Bom, en­tão per­gun­tei ao Car­to­la “E por que, meu ve­lho?”. E o Car­to­la: “Por­que eu e vo­cê (ve­jam só: ele, Car­to­la, e eu, Már­cio ABC!) so­mos sem ei­ra nem bei­ra”.

De­pois de um tem­pi­nho, ele me es­tu­dou com o olhar: “En­ten­deu?”. Mas eu es­ta­va mu­do, com um nó na gar­gan­ta. “To­ca aí, vai”, ele dis­se em se­gui­da, co­mo se fos­se a coi­sa mais na­tu­ral do mun­do nós dois es­tar­mos lá!

Mas eu con­ti­nu­a­va pa­ra­li­sa­do. Não sei mais se a es­sa al­tu­ra es­ta­va so­nhan­do ou acor­da­do. Um se­gun­do de­pois, o so­nho con­ti­nu­ou. De ócu­los es­cu­ros, rin­do, ele se vi­rou pa­ra o la­do. Atrás de sua fa­ce ha­via um mor­ro de fa­ve­la. O sol ilu­mi­na­va os ca­se­bres e re­fle­tia seus rai­os no mar lá adi­an­te.

“Bom”, ele se vol­tou a mim no­va­men­te, “dá uma tra­ga­da aí e to­ca es­se ne­gó­cio”. Eu vi um ci­gar­ro en­tre o min­di­nho e o ane­lar da mão di­rei­ta en­quan­to ele de­di­lha­va o vi­o­lão.

Le­vei o ci­gar­ro à bo­ca e tra­guei (quer di­zer, é ape­nas uma im­pres­são de que tra­guei por­que na ver­da­de eu não sei tra­gar). O Car­to­la, de no­vo, es­ta­va vi­ra­do pa­ra nos­sa di­rei­ta, olhan­do de­ti­da­men­te o mor­ro. Mas eu não dis­tin­guia mais os ca­se­bres. Ago­ra eu via meu pró­prio re­fle­xo nos ócu­los es­cu­ros de­le. E o meu re­fle­xo era o de um Már­cio ABC já ve­lho (não sei ex­pli­car es­se de­ta­lhe do so­nho es­te­ti­ca­men­te) e cho­ran­do de emo­ção por es­tar ali, to­can­do com o Car­to­la.

Nis­so, acor­dei. E, de fa­to, cho­ra­va. Não sei se foi im­pres­são, mas tam­bém me su­biu às na­ri­nas um le­ve aro­ma de ta­ba­co.

Compartilhe