Trai­ler do fil­ma­ço de Da­vid Le­an lan­ça­do em 1962

Com­prei o DVD do fil­me “La­wren­ce da Ará­bia” (Di­re­ção de Da­vid Le­an, 1962). Só pra re­ver na ho­ra que eu bem en­ten­der. É um dos meus fil­mes pre­fe­ri­dos, em­bo­ra eles se­jam mui­tos. Mas “La­wren­ce” tem al­go de fa­bu­lo­so, mis­te­ri­o­so, in­tri­gan­te, al­go que sem­pre me atrai pa­ra o de­ser­to do nor­te da Áfri­ca, on­de o te­nen­te in­glês exer­ce pa­pel fun­da­men­tal na lu­ta das al­dei­as ára­bes ali­a­das ao exér­ci­to bri­tâ­ni­co con­tra os tur­cos, que na épo­ca (a ação se pas­sa du­ran­te a Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al) pre­ten­di­am ane­xar a Pe­nín­su­la Ará­bi­ca ao seu Im­pé­rio Oto­ma­no.

A obra, ba­se­a­da no li­vro au­to­bi­o­grá­fi­co “Os Se­te Pi­la­res da Sa­be­do­ria”, do ofi­ci­al in­glês T. E. La­wren­ce, le­vou mui­tos prê­mi­os, in­cluin­do se­te ca­te­go­ri­as do Os­car, en­tre as quais me­lhor fil­me e me­lhor di­re­tor. Bom, Da­vid Le­an me­re­ce. Sua obra é fan­tás­ti­ca. Além de “La­wren­ce”, as­si­na “A Pon­te do Rio Kwai”, “Dou­tor Ji­va­go” e “Pas­sa­gem pa­ra a Ín­dia”, en­tre ou­tros. É pre­ci­so mais? Em “La­wren­ce”, ele es­ca­la Alec Guin­ness e o es­pe­ta­cu­lar Anthony Quinn ao la­do dos en­tão pro­mis­so­res Pe­ter O’Toole (que in­ter­pre­ta o pro­ta­go­nis­ta) e Omar Sha­rif.

En­fim, as si­nop­ses es­tão aí na in­ter­net pa­ra quem qui­ser. Eu aqui só es­co­lho al­gu­mas im­pres­sões so­bre o fil­me. Eu po­de­ria fa­lar das to­ma­das mag­ní­fi­cas – aliás, uma mar­ca nos épi­cos de Da­vid Le­an – que tor­nam o fil­me um cam­peão em fo­to­gra­fia. Tam­bém po­de­ria co­men­tar a in­crí­vel pro­fun­di­da­de que o en­tão jo­vem Pe­ter O’Toole con­se­gue im­pri­mir a seu per­so­na­gem, um ho­mem ex­cên­tri­co e enig­má­ti­co cu­ja prin­ci­pal guer­ra pa­re­ce ser a que ele tra­va con­si­go mes­mo, des­co­brin­do-se a ca­da epi­só­dio ter­rí­vel vi­vi­do em sua pas­sa­gem pe­la Ará­bia.

Aliás, um dos gran­des mé­ri­tos da obra é exa­ta­men­te es­te: mais do que um fil­me so­bre a guer­ra, é um fil­me so­bre o ín­ti­mo de ca­da per­so­na­gem, so­bre su­as cren­ças e seu pa­pel nos con­fli­tos bé­li­cos e hu­ma­nos. É im­pres­si­o­nan­te co­mo Da­vid Le­an sou­be ex­plo­rar tão bem es­se as­pec­to nos 220 mi­nu­tos do fil­me (não é um li­vro, on­de es­sa dis­cus­são po­de ser apro­fun­da­da, é ape­nas um fil­me, em­bo­ra lon­go!) Po­de­ria ain­da fa­lar so­bre co­mo Anthony Quinn es­tá tão à von­ta­de em seu pa­pel de lí­der in­te­res­sei­ro e mer­ce­ná­rio de uma das tri­bos ára­bes. E de mui­tas ou­tras pas­sa­gens mar­can­tes, co­mo o em­ba­te pro­fun­do de olha­res en­tre o ofi­ci­al La­wren­ce e o mi­li­tar tur­co que o tor­tu­ra.

Mas o que eu que­ro di­zer é ou­tra coi­sa. É so­bre a mú­si­ca do fil­me, a mú­si­ca que acom­pa­nha as prin­ci­pais pas­sa­gens de La­wren­ce, a mú­si­ca com­pos­ta por Mau­ri­ce Jar­re (que mor­reu em 2009). Eu não sou ne­nh­num es­pe­ci­a­lis­ta em ci­ne­ma, em mú­si­ca ou no que quer que se­ja, já dis­se is­so aqui em ou­tras oca­siões. Po­rém, não te­nho qual­quer re­ceio ou dú­vi­da ao di­zer que pou­cas ve­zes, ou quem sa­be ja­mais, uma mú­si­ca foi tão bem usa­da num fil­me. Não sei se sem ela, se­ria a mes­ma coi­sa (pra mim, é cla­ro). A ce­na em que um dos dois ga­ro­tos ára­bes que se ofe­re­cem pa­ra acom­pa­nhar La­wren­ce co­mo ser­vos es­pe­ra o re­tor­no de seu amo do ter­rí­vel de­ser­to, pa­ra on­de ele vol­tou à pro­cu­ra de um sol­da­do do gru­po que ha­via se per­di­do du­ran­te a noi­te, é in­tra­du­zí­vel.

Quan­do vê La­wren­ce ain­da dis­tan­te, vol­tan­do com o ho­mem ára­be ines­pe­ra­da­men­te sal­vo das afli­ções de­sér­ti­cas, o ga­ro­to, in­cré­du­lo e co­mo­vi­do, co­me­ça a ati­çar seu ca­me­lo pa­ra que o ani­mal si­ga ao en­con­tro do amo. E é exa­ta­men­te aí que a mú­si­ca acom­pa­nha com per­fei­ção a ve­lo­ci­da­de do ca­me­lo, cres­cen­do em rit­mo e em emo­ção. Li por es­tes di­as um ar­ti­go de Ar­nal­do Ja­bor em que ele diz ter cho­ra­do ao ver Co­le Por­ter can­tan­do “Let’s do it” no be­lís­si­mo fil­me “Meia-noi­te em Pa­ris”, de Wo­ody Al­len. Es­sa é a ma­gia do ci­ne­ma. Fa­zer com que nos aban­do­ne­mos às nos­sas emo­ções sem tra­vas, sem pu­do­res. Eu não sou da­que­les que as­sis­tem ao mes­mo fil­me dez, vin­te ve­zes (só pa­ra fi­car cla­ro: não te­nho na­da con­tra is­so), mas acho que já vi “La­wren­ce da Ará­bia” cin­co ou seis ve­zes. E sem­pre na ho­ra em que che­ga o mo­men­to da ce­na que des­cre­vi aci­ma não con­si­go con­ter as lá­gri­mas. Ain­da não sei o que me faz cho­rar to­das as ve­zes exa­ta­men­te nes­sa ce­na. Mas con­ti­nuo com es­pe­ran­ça de des­co­brir o mis­té­rio. Por­que ain­da vol­ta­rei a ver o fil­me não sei em quan­tas oca­siões. É que de vez em quan­do “La­wren­ce” me cha­ma lá do de­ser­to.


Ví­deo com a emo­ci­o­nan­te mú­si­ca de Mau­ri­ce Jar­re

Compartilhe