Contos

Hipóteses

quinta-feira, 15 de março de 2018 Texto de

Dei­ta­do de cos­tas, viu que, no meio do céu, a lua fa­ti­a­va-se em du­as con­for­me o mo­vi­men­to das pál­pe­bras, às ve­zes ga­nha­va uma co­lo­ra­ção âm­bar, de­pois em­pa­li­de­cia atrás de uma mem­bra­na os­ci­lan­te. Vi­rou a ca­be­ça pa­ra seu la­do es­quer­do, de on­de vi­nha um som de res­pi­ra­ção len­ta e pe­sa­da, mas es­ta­va es­cu­ro de­mais, além do que su­as for­ças não ins­pi­ra­vam gran­des pro­je­tos fí­si­cos. Sen­tia uma ton­tu­ra ex­te­nu­an­te, era di­fí­cil man­ter o mun­do em or­dem. Fe­chou os olhos e ten­tou por al­gum tem­po en­tre­gar-se a uma imo­bi­li­da­de ab­so­lu­ta, in­ter­rom­pi­da ape­nas por es­pas­mos dos mem­bros. O pla­no bei­ra­va a al­go in­fan­til, mas sua con­di­ção de­plo­rá­vel li­mi­ta­va-o a es­se es­tá­gio do pen­sa­men­to, nes­se ca­so a es­pe­ran­ça, lo­go tor­na­da vã, de des­per­tar de um pe­sa­de­lo qual­quer. Ao cer­ti­fi­car-se re­sig­na­do de seu es­ta­do de vi­gí­lia, em­pre­en­deu um mo­vi­men­to cau­te­lo­so, es­ti­cou o bra­ço es­quer­do até on­de pô­de no ru­mo da res­pi­ra­ção ofe­gan­te. Na ver­da­de, era na­da mais que o re­sul­ta­do do ven­to ro­do­pi­an­do so­bre um te­ci­do que ele re­co­nhe­ceu co­mo sen­do o pró­prio ca­sa­co em­bo­la­do no chão. Com o mes­mo cui­da­do, re­co­lheu o bra­ço so­bre o pei­to, pu­xan­do jun­to o ca­sa­co, e en­tão o ruí­do dis­si­pou-se e tor­nou-o úni­co na imen­si­dão es­cu­ra.

Pri­mei­ra hi­pó­te­se: acei­tou en­gal­fi­nhar-se com o co­le­ga de es­cri­tó­rio que sem­pre o de­sa­fi­a­va pa­ra umas por­ra­das, des­sas que fa­zem bem aos pu­nhos e aju­dam a des­car­re­gar o es­tres­se acu­mu­la­do en­tre pa­péis, e-mails, che­fes e bu­ro­cra­cia. “Só en­tre nós”, dis­se­ra-lhe Ca­mi­lo, sem a me­nor in­ten­ção de es­pa­lhar o hobby que jun­ta­va meia dú­zia de su­jei­tos dos mais di­ver­sos ti­pos. Foi vê-los lo­go que des­co­briu a coi­sa to­da, uns di­as de­pois de per­gun­tar so­bre o olho ro­xo. Ca­mi­lo man­dou uma men­sa­gem pe­lo What­sApp: “Tá mes­mo a fim?”. Fi­cou im­pres­si­o­na­do, e ex­ci­ta­do, com o ne­gó­cio. Uns ca­ras bem ma­gros po­di­am acer­tar gol­pes cer­tei­ros em cor­pos que, a prin­cí­pio, apa­ren­ta­vam ex­ce­len­te con­di­ção fí­si­ca. “O lan­ce”, dis­se­ra-lhe Ca­mi­lo, um dos bem ma­gros, “é vo­cê ex­plo­rar o que há de po­si­ti­vo em seu per­fil”. Por exem­plo: Ca­mi­lo in­ves­tia su­as fi­chas na agi­li­da­de. Po­dia gi­rar em tor­no do ad­ver­sá­rio du­ran­te bons mi­nu­tos sem ser acer­ta­do. “Mas não es­quen­ta”, acres­cen­ta­ra, “mes­mo le­van­do umas bor­do­a­das, é me­lhor do que guar­dar a ener­gia ruim no san­gue”.

Pon­tos con­tra­di­tó­ri­os: ele não se lem­bra­va de ter si­do fi­nal­men­te ini­ci­a­do na ri­nha, que era co­mo di­ver­ti­da­men­te Ca­mi­lo e os ou­tros de­no­mi­na­vam as dis­pu­tas. “So­mos ga­los de bri­ga, brother”, dis­se­ra-lhe en­quan­to da­va so­qui­nhos e si­mu­la­va mo­vi­men­tos de bo­xe cor­ren­do em vol­ta de­le no ba­nhei­ro da fir­ma. Ha­via es­ta­do com o pes­so­al em vá­ri­os par­ques, pra­ças, ter­re­nos bal­di­os e de­mais lu­ga­res de on­de a noi­te pau­lis­ta­na por si só con­se­gue afas­tar as pes­so­as. Tam­bém ha­via es­ta­do na oca­sião em que um dos sa­ra­dões deu-lhes um gran­de sus­to, es­ti­ra­do na gra­ma sem qual­quer mo­vi­men­to por se­gun­dos que pa­re­ce­ram equi­va­ler à pró­pria eter­ni­da­de, até que se le­van­tou e re­to­mou o con­fron­to sem mai­o­res con­sequên­ci­as. O fa­to é que não ha­via em sua me­mó­ria qual­quer frag­men­to de uma lu­ta da qual te­nha par­ti­ci­pa­do, ven­ce­dor ou ven­ci­do. O se­gun­do pon­to é que, su­pon­do que seu in­gres­so no cir­cui­to te­nha se da­do exa­ta­men­te ho­je (ou on­tem, pois na ver­da­de per­de­ra a no­ção do tem­po), pa­re­cia-lhe in­co­e­ren­te ter si­do dei­xa­do ali sem qual­quer as­sis­tên­cia. A não ser que (ao ini­ci­ar o pen­sa­men­to te­ve um pe­que­no so­bres­sal­to) os ou­tros o ti­ves­sem aban­do­na­do pe­lo mes­mo mo­ti­vo que o fa­ri­am quan­do o sa­ra­dão pre­gou-lhes aque­le sus­to. “Faz par­te do acor­do, meu ve­lho”, ex­pli­ca­ra-lhe Ca­mi­lo. “Se ro­lar mer­da, é ca­da um por si”. Pis­ca­ra pa­ra ele e acres­cen­ta­ra com os olhos vi­dra­dos: “Adre­na­li­na, sa­be?”.

Se­gun­da hi­pó­te­se: Mau­ra. Pro­cu­rou ajei­tar o ca­sa­co so­bre o cor­po, es­ta­va es­fri­an­do e o ven­to às ve­zes so­pra­va com mais for­ça. A fi­lha da pu­ta con­tou tu­do ao na­mo­ra­di­nho quin­ze anos mais jo­vem, aque­le fi­lho­te de crá­pu­la que vi­ve de­bai­xo das asas do de­pu­ta­do. Ela sem­pre dá mo­le quan­do be­be, fi­ca com a lín­gua sol­ta. En­tre­gou tu­do: “Ele não sai do meu pé, mo­zi­nho, ti­ve uma fra­que­zi­nha, per­dão”. De­pois cos­tu­ma fi­car re­vol­ta­da con­si­go mes­ma, aí nin­guém se­gu­ra: “Foi mais de uma vez, não era is­so que vo­cê que­ria ou­vir? En­tão, foi exa­ta­men­te is­so!”. O pi­or é que o su­jei­to não dá con­ta do ma­te­ri­al, sa­be co­mo é? Ela pró­pria con­fi­den­ci­ou-lhe num dos úl­ti­mos en­con­tros. A Mau­ra de­ve es­tar pi­san­do no pes­co­ço, e ele vai fa­zer o quê? Ar­ris­car-se com a lín­gua da ma­lu­ca? Na­da! Vai fi­car qui­e­ti­nho até se­gun­da or­dem. E aí é que es­tá o pro­ble­ma, pen­sou. Im­po­ten­te (sob vá­ri­os as­pec­tos) di­an­te de­la, reu­niu su­as for­ças ocul­tas e par­tiu pa­ra es­tra­ça­lhar o ex da na­mo­ra­di­nha ou, no mí­ni­mo, pa­ra dar um re­ca­do de­fi­ni­ti­vo. Lem­brou-se de uma vez em que en­con­trou os dois ca­su­al­men­te num even­to so­ci­al e o ra­paz aper­tou-lhe tão for­te que sen­tiu os de­dos par­tin­do-se. Ali no meio do na­da, abriu e fe­chou a mão vá­ri­as ve­zes de­pois de tê-la co­lo­ca­do bem à fren­te dos olhos pa­ra ten­tar en­xer­gá-la um pou­co, cons­ta­tou que os mo­vi­men­tos do bra­ço res­pon­di­am ra­zo­a­vel­men­te bem. Olhan­do pa­ra Mau­ra na­que­la noi­te, te­ve ga­nas de chu­tar a ca­ne­la do na­mo­ra­di­nho, che­gou a mo­ver as per­nas em sua di­re­ção, mas um olhar da ex-mu­lher foi su­fi­ci­en­te pa­ra in­ter­cep­tar a in­ten­ção. Ago­ra, en­tre­tan­to, ao ten­tar me­xê-las, tu­do ro­dou e ele de­sis­tiu sem âni­mo su­fi­ci­en­te se­quer pa­ra chu­tar o va­zio.

Pon­tos con­tra­di­tó­ri­os: em­bo­ra ti­ves­se des­men­ti­do tu­do al­gum tem­po de­pois, Mau­ra dis­se­ra-lhe, nu­ma da­que­las es­ca­pa­das se­ma­nais, que o na­mo­ra­di­nho “acha­va uma boa” sa­ber de su­as aven­tu­ras clan­des­ti­nas. “Ele fi­ca to­do ex­ci­ta­do”, con­tou-lhe a ex-mu­lher. Sim, Mau­ra ti­nha to­ma­do to­das e po­de­ria mui­to bem es­tar, ela mes­ma, cri­an­do fan­ta­si­as pa­ra con­su­mo pró­prio, mas tam­bém ha­via uma boa chan­ce de es­tar di­zen­do a ver­da­de, o que, no en­tan­to, não ga­ran­tia a in­clu­são do ex-ma­ri­do nos mer­gu­lhos eró­ti­cos do na­mo­ra­di­nho. Ten­tou res­pi­rar fun­do, a noi­te (ou ma­dru­ga­da) se­guia ca­da vez mais fria, su­as cos­tas doíam e a sen­sa­ção de em­bri­a­guez con­ti­nu­a­va a ator­doá-lo. Ou­tro as­pec­to a ser con­si­de­ra­do, re­to­mou, era a dis­cri­ção do de­pu­ta­do. O na­mo­ra­di­nho atu­a­va em sua equi­pe ha­via um bom tem­po e fo­ra des­sa al­ça­da sua vi­di­nha cer­ta­men­te não se­ria fá­cil. Por­tan­to, ima­gi­ná-lo me­ten­do-se nu­ma en­cren­ca des­se ti­po, que tal­vez (e nis­so fi­cou sem ar por al­guns se­gun­dos) re­sul­tas­se até mes­mo em mor­te, pa­re­cia ser um des­pro­pó­si­to, is­so pa­ra di­zer-se o mí­ni­mo (re­cu­pe­rou o fô­le­go).

Ter­cei­ra e úl­ti­ma hi­pó­te­se (pois à me­di­da que o tem­po cor­ria es­ta­va ca­da vez mais di­fí­cil or­de­nar as idei­as): re­pe­ti­ram com ele o que ha­vi­am fei­to com o pai. Por um ins­tan­te, pa­rou de ven­tar e uma nu­vem en­co­briu o lu­ar. Ele fe­chou os olhos e pro­cu­rou con­cen­trar-se o má­xi­mo pos­sí­vel di­an­te das pés­si­mas con­di­ções fí­si­cas e men­tais. Es­ta­va fo­di­do co­mo nun­ca ha­via es­ta­do. A úl­ti­ma vez com o ad­vo­ga­do, re­me­mo­rou, trou­xe­ra-lhe no­vas pre­o­cu­pa­ções, além das fi­nan­cei­ras e po­lí­ti­cas. “De­vo aler­tá-lo”, dis­se­ra-lhe o ad­vo­ga­do, “que re­ce­bi uma ame­a­ça mais sé­ria”, sor­ri­ra-lhe amar­ga­men­te. Ele aguar­dou com apre­en­são en­quan­to o ad­vo­ga­do pers­cru­ta­va-o à es­pe­ra de uma re­a­ção que não se es­ta­be­le­ceu. “Não foi di­ri­gi­da a mim”, dis­se­ra-lhe o ho­mem com uma mis­tu­ra de alí­vio e pe­sar. Na ver­da­de, co­mo em to­das as ou­tras oca­siões de me­nor im­por­tân­cia, tam­bém não te­ve me­do da ame­a­ça na oca­sião, mas qual­quer alu­são en­vol­ven­do o de­sa­pa­re­ci­men­to do pai re­vol­via su­as en­tra­nhas fa­mi­li­a­res. E na­da ali era agra­dá­vel. “Um dia vo­cê pre­ci­sa­rá en­trar nes­se pân­ta­no”, lem­brou-se de re­pen­te do con­se­lho do Dou­tor Ca­va­blan­co, mas fa­zia tem­po que pre­fe­ria re­mé­di­os a co­men­tá­ri­os do mé­di­co a res­pei­to do as­sun­to. Le­va­va o pro­ces­so adi­an­te por uma ques­tão de prin­cí­pi­os, mas se des­co­bris­se uma fór­mu­la que o fi­zes­se ser ca­paz de dei­xar tu­do pa­ra trás, ele o fa­ria. “Vo­cê acha que is­so re­sol­ve­ria?”, ou­viu a voz pos­san­te do mé­di­co que­brar a noi­te ao meio, en­tre­tan­to o ven­to rei­ni­ci­a­ra seu zu­ni­do e is­so o aju­dou a afas­tar-se do diá­lo­go sem pa­la­vras.

Pon­tos con­tra­di­tó­ri­os: pe­lo que com­pre­en­dia, os tem­pos obs­cu­ros da re­pres­são ti­nham se trans­for­ma­do em pá­gi­nas de li­vros e jor­nais, além de do­cu­men­tá­ri­os es­con­di­dos em no­me da es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, ao me­nos de mo­do ge­ral, pen­sou in­tri­ga­do tão lo­go for­mu­lou a ideia. Sen­tiu o la­do es­quer­do for­mi­gar e ao er­guer par­ci­al­men­te o cor­po per­ce­beu que es­ta­va to­do bor­ra­do, em­bo­ra não sen­tis­se qual­quer chei­ro além das ema­na­ções da ve­ge­ta­ção. Não con­se­guia acre­di­tar que ain­da po­di­am ado­tar pro­ce­di­men­tos ex­tre­mos e cru­el­men­te de­su­ma­nos (ou po­di­am?). Além do mais, e es­sa era a ques­tão fun­da­men­tal, pou­co im­por­ta­va pa­ra as atu­ais cir­cuns­tân­ci­as se os ca­na­lhas con­ti­nu­as­sem a agir co­mo na ida­de da pe­dra (ou na Di­ta­du­ra), pois ali o que re­al­men­te de­via ser es­cla­re­ci­do era que di­a­bos se­ria ca­paz de sal­vá-lo de uma que­da ini­ci­a­da tal­vez a dez mil pés de al­tu­ra, ca­so fos­se um avião de pe­que­no por­te, cal­cu­lou mal e mal. Tam­bém ima­gi­na­va que ati­ras­sem des­gra­ça­dos co­mo ele no mar e não num des­cam­pa­do in­cer­to, a não ser, re­fle­tiu, que qui­ses­sem eco­no­mi­zar com­bus­tí­vel, mes­mo por­que, ao con­trá­rio da épo­ca de seu pai, cor­pos ho­je em dia en­con­tram-se por aí a to­da ho­ra, gen­te é as­sas­si­na­da a to­da ho­ra, ba­las sil­vam a to­da ho­ra, con­fun­dem-se en­tre si sem sa­ber de que la­do saí­ram, se dos mo­ci­nhos ou dos ban­di­dos, tan­to faz.

A ca­be­ça e ago­ra tam­bém os os­sos doíam-lhe ter­ri­vel­men­te. Fe­chou os olhos bus­can­do ali­vi­ar as pon­ta­das nas têm­po­ras, mas re­cu­sa­va-se a sos­se­gar en­quan­to não en­con­tras­se uma ex­pli­ca­ção ra­zoá­vel pa­ra seu ca­so. Ter si­do jo­ga­do de um avião, con­cluiu, era sem dú­vi­da a pi­or de to­das. Em se­gui­da, con­si­de­rou que uma bri­ga com os ra­pa­zes não aca­ba­ria por moê-lo tan­to as­sim. Por fim, de­te­ve-se à se­gun­da hi­pó­te­se, e es­ta pas­sou a ser tão pro­vá­vel que um mi­nu­to de­pois um tre­mor sú­bi­to mui­to se­me­lhan­te à erup­ção do úl­ti­mo or­gas­mo di­vi­di­do com Mau­ra so­bre­pu­jou to­das as su­as do­res e le­vou-o a uma po­de­ro­sa ere­ção que o fez flu­tu­ar aci­ma do pró­prio cor­po. Ali, sen­tiu-se pro­te­gi­do por uma cer­te­za es­pes­sa e im­pe­ne­trá­vel que não sou­be tra­du­zir. De­pois, já de­sin­te­res­sa­do da­que­la e de ou­tras pos­sí­veis idei­as, abriu os olhos e viu que o es­cu­ro di­luía-se den­tro de ou­tro es­cu­ro, e es­te por sua vez, den­tro de ou­tro, e mais ou­tro, até que tan­to fa­zia man­ter os olhos aber­tos ou fe­cha­dos, pois tu­do era uma só es­cu­ri­dão.

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “A ca­sa de Mon­te­vi­déu”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ar­re­ben­ta­ção”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe