Contos

Arrebentação

quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2018 Texto de

Mu­ri­lo tra­ba­lha nu­ma mul­ti­na­ci­o­nal de res­pei­to. Nos úl­ti­mos anos, pa­ra aten­der às no­vas exi­gên­ci­as de mer­ca­do, uma mo­der­na ges­tão re­du­ziu os qua­dros da em­pre­sa e im­plan­tou o que, nas reu­niões, os exe­cu­ti­vos cha­ma­ram de me­ca­nis­mos iné­di­tos de pro­du­ção sob a chan­ce­la de uma re­vo­lu­ci­o­ná­ria me­to­do­lo­gia ba­se­a­da em pa­râ­me­tros de gran­des con­glo­me­ra­dos chi­ne­ses. Cla­ro que, no fim das con­tas, cres­ce­ram as exi­gên­ci­as por mais em­pe­nho e com­pro­me­ti­men­to dos co­la­bo­ra­do­res (ter­mo sub-rep­tí­cio em­pre­ga­do pa­ra ame­ni­zar as dis­pa­ri­da­des so­ci­o­e­conô­mi­cas en­tre os que man­dam e os que obe­de­cem, igua­lan­do-os fan­ta­si­o­sa­men­te den­tro da en­gre­na­gem pro­fis­si­o­nal, se­gun­do ex­pli­cou Mu­ri­lo a ami­gos num tom en­tre di­ver­ti­do e re­sig­na­do, já com os lá­bi­os en­tor­pe­ci­dos pe­lo uís­que se­ma­nal).

Mu­ri­lo não es­ca­pou ao rí­gi­do con­tro­le que vi­sa as­se­gu­rar mai­or pro­du­ti­vi­da­de por meio de uma agen­da pro­a­ti­va cu­jo pi­lar trans­for­ma­dor abriu de­fi­ni­ti­va­men­te a fron­tei­ra en­te am­bi­en­te de tra­ba­lho e atu­a­ção re­mo­ta, in­va­din­do a ca­sa, a fa­mí­lia, os ami­gos e a ca­ma. No iní­cio, su­por­tou ra­zo­a­vel­men­te bem os efei­tos co­la­te­rais. En­tu­pia-se de com­pri­mi­dos pa­ra en­xa­que­ca, an­si­e­da­de e do­res mus­cu­la­res. Avi­sou que “por um tem­po” pre­ci­sa­ria ocu­par-se mais com as coi­sas do es­cri­tó­rio. E as­sim foi le­van­do, até que per­ce­beu re­a­ções es­tra­nhas ao seu com­por­ta­men­to. Às ve­zes olha­va pa­ra os dois fi­lhos pe­que­nos e uma on­da de rai­va per­pas­sa­va seu san­gue, eles não lhe con­ce­di­am um mi­nu­to de paz, mal con­se­guia su­por­tá-los nos bre­ves in­ter­va­los do­més­ti­cos. A re­la­ção con­ju­gal tam­bém ti­nha pi­o­ra­do com a per­da gra­da­ti­va do que no ou­vi­do de Maí­sa, fa­lan­do bai­xi­nho, ele no­mi­na­va fu­ror do de­se­jo.

Ha­via ain­da ou­tras coi­sas. Por uma bo­ba­gem qual­quer qua­se saiu no bra­ço com um ami­go de lon­ga da­ta, além de ter bri­ga­do com a Do­na An­to­nia, a mu­lher do­ce res­pon­sá­vel pe­la lim­pe­za do es­cri­tó­rio. De­ci­diu pro­cu­rar aju­da mé­di­ca. Ou­viu do Dou­tor Ca­va­blan­co o que ele mes­mo já pre­vi­ra. Ou se afas­ta­va do rit­mo in­fer­nal em que ha­via se me­ti­do ou cor­ria o ris­co de co­nhe­cer li­te­ral­men­te o in­fer­no. Es­ses ter­mos são de Mu­ri­lo, não do Dou­tor Ca­va­blan­co, que pas­sou a acom­pa­nhar seu es­ta­do a par­tir de en­tão.

Na se­ma­na pas­sa­da, Mu­ri­lo fi­nal­men­te to­mou uma de­ci­são.

On­tem, por vol­ta das no­ve da ma­nhã, dis­se­ram tê-lo vis­to na­dan­do de cos­tas na En­se­a­da, no Gua­ru­já. Maí­sa re­ce­beu a men­sa­gem de uma ami­ga pe­lo What­sApp: “Vo­cês es­tão de fé­ri­as aqui e nem avi­sam?”. Não se tra­ta de um ca­so de po­lí­cia, é ver­da­de, pois to­dos os di­as Maí­sa re­ce­be al­gum si­nal de vi­da pe­lo ce­lu­lar. To­dos sa­bem o que es­tá se pas­san­do. No pri­mei­ro dia, quan­do Mu­ri­lo não vol­tou pa­ra ca­sa, Maí­sa per­ma­ne­ceu rís­pi­da e con­tra­ri­a­da por al­gu­mas ho­ras. De­pois co­me­çou a ava­li­ar a hi­pó­te­se de uma cri­se, con­for­me pre­vi­ra o psi­qui­a­tra. Is­so a co­mo­veu e a fez cho­rar es­con­di­da du­ran­te o ba­nho en­quan­to pen­sa­va na me­lhor ati­tu­de a to­mar. No en­tan­to, de­pois de co­lo­car as cri­an­ças pa­ra dor­mir, veio o pri­mei­ro si­nal de Mu­ri­lo: “Es­tou bem”. E mais na­da até o dia se­guin­te. Maí­sa dor­miu mal, acor­dou mal e pas­sou mal du­ran­te to­da a ma­nhã. Apre­en­si­va e in­dig­na­da, sen­tia-se im­po­ten­te e en­fren­tou mo­men­tos de rai­va, mas aca­bou sen­tin­do pe­na de Mu­ri­lo, e is­so apla­cou seu ran­cor.

“Con­ti­nuo bem”, Maí­sa leu na te­la do ce­lu­lar pou­co an­tes da von­ta­de de ati­rar o apa­re­lho pe­la ja­ne­la do quin­to an­dar. “Con­ti­nua bem?”, al­te­rou-se. “Con­ti­nua bem?”, en­fu­re­ceu-se, cha­man­do a aten­ção de ou­tros dois co­le­gas de tra­ba­lho. Ele pas­sa a noi­te fo­ra, não apa­re­ce des­de on­tem e tem a co­ra­gem de man­dar um avi­so com du­as pa­la­vras? “É SÓ ISSO QUE VOCÊ TEM A ME DIZER?”, di­gi­tou rai­vo­sa­men­te em le­tras maiús­cu­las. Não sa­tis­fei­ta, ne­gri­tou a fra­se an­tes de en­viá-la.

“Sim”, ele res­pon­deu du­as ho­ras mais tar­de.

Ha­via saí­do ape­nas com a rou­pa do cor­po e al­gum di­nhei­ro pa­ra a vi­a­gem à praia. Dei­xa­ra o car­ro no es­ta­ci­o­na­men­to da em­pre­sa. Qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de além de car­re­gar a si mes­mo era um incô­mo­do in­su­por­tá­vel. Se pu­des­se, aban­do­na­ria a pró­pria rou­pa por aí. Que­ria ver-se li­vre de to­dos os pe­sos ima­gi­ná­veis.

“Vo­cê es­tá bem?”, es­cre­veu Maí­sa, à noi­te, já em ca­sa. Ha­via to­ma­do um pou­co de vi­nho e sen­tia-se mais cal­ma

“Es­tou”.

“On­de vo­cê se me­teu?”, pe­lo me­nos foi rá­pi­do des­ta vez, pen­sou Maí­sa.

“Por aí.”

“Co­mo as­sim, Mu­ri­lo? Por aí on­de?”

“Tan­to faz.”

“Vo­cê pre­ci­sa vol­tar”, ela ten­tou man­ter apri­si­o­na­da to­da a fú­ria que sen­tia fer­ver den­tro de si.

“Pa­ra quê?”

“Pa­ra re­sol­ver­mos as coi­sas”, Maí­sa res­pi­rou fun­do.

“Dei­xe tu­do co­mo es­tá.”

“Vo­cê fi­cou lou­co de vez?”

“Acho que não.”

“Pois en­tão pen­se um pou­co e vol­te pa­ra cá.”

“Pre­fi­ro con­ti­nu­ar as­sim por en­quan­to.”

“As­sim co­mo?”, to­mou um lon­go go­le da be­bi­da sem qua­se sen­ti-la des­cer.

“As­sim.”

“Vo­cê não sen­te ao me­nos sau­da­de dos me­ni­nos?”

“Não ago­ra.”

“De mim?”, sen­tiu um nó na gar­gan­ta.

“Não ago­ra.”

“Va­mos fa­lar com seu mé­di­co”, pen­sou em li­gar pa­ra o Dou­tor Ca­va­blan­co, es­ta­va co­me­çan­do a de­ses­pe­rar-se.

“Não é pre­ci­so.”

“Me di­ga on­de vo­cê es­tá, por fa­vor.”

“Tan­to faz on­de es­tou.”

“Vo­cê acha que é só vo­cê que”, Maí­sa dei­xou a fra­se pe­lo meio, te­ve um bran­co re­pen­ti­no, uma von­ta­de de cho­rar que a fez der­ru­bar o ce­lu­lar.

“Não.”

“Eu tam­bém me sin­to pres­si­o­na­da, e nem por is­so fu­jo!”, con­se­guiu es­cre­ver.

“Obri­ga­do por is­so.”

“Pen­se que, em vez de vo­cê, po­de­ria ser eu.”

“Vo­cê te­rá sua chan­ce.”

Maí­sa con­si­de­rou-se sem for­ças pa­ra con­ti­nu­ar.

Saiu do mar de­pois de uns quin­ze mi­nu­tos se­gui­dos de bo­as bra­ça­das. Ao sen­tar-se ao sol, dei­xou o cor­po es­cor­re­gar até as cos­tas to­ca­rem a areia quen­te. Ten­tou man­ter os olhos aber­tos, mas a cla­ri­da­de ofus­ca­va tu­do aci­ma de­le. Era um dia lím­pi­do, não ha­via nu­vens, e o ar chei­ra­va a al­gas, pro­te­tor so­lar, sal, pre­gui­ça... Es­ti­cou as per­nas e cru­zou as mãos na nu­ca. De­pois de­ve ter dor­mi­do por um bom tem­po, pois des­per­tou com fo­me, o ros­to quei­ma­va. A rou­pa con­ti­nu­a­va exa­ta­men­te ali, ao seu la­do. En­fi­ou a mão num dos bol­sos com cer­ta apre­en­são e en­con­trou di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra o al­mo­ço. Foi até uma bar­ra­ca com a cal­ça e a ca­mi­sa pen­du­ra­das nos om­bros, es­ta­va de cu­e­ca, mas era uma cu­e­ca que po­dia per­fei­ta­men­te pas­sar co­mo sun­ga. Além do mais, ele es­ta­va pou­co se li­xan­do pa­ra es­sa cir­cuns­tân­cia ba­nal de sua sú­bi­ta ex­cur­são. Tan­to fa­zia.

Co­meu um pas­tel en­quan­to es­pe­ra­va pe­lo pei­xe fri­to, que re­gou com um bo­ni­to li­mão. Deu pa­ra com­prar tam­bém uma la­ti­nha de cer­ve­ja, e en­tão só res­ta­ram al­gu­mas mo­e­das. Be­beu dois ou três go­les com uma bo­ba sa­tis­fa­ção. Co­meu a sa­la­da e o pei­xe sa­bo­re­an­do um pra­zer que ha­via es­que­ci­do. O sol ro­de­a­ra a bar­ra­ca e co­me­ça­va a in­co­mo­dá-lo. Sen­tiu a pe­le ar­der. O ga­ro­to que o ser­viu le­vou a ban­de­ja com os res­tos de co­mi­da. A la­ti­nha tam­bém já es­ta­va va­zia. Mes­mo as­sim le­vou-a aos lá­bi­os. Grãos de areia es­tra­la­ram en­tre os den­tes. To­ma­ria ou­tra cer­ve­ja, sem dú­vi­da. Vas­cu­lhou os bol­sos no­va­men­te, mas não ha­via mais di­nhei­ro. Per­gun­tou ao do­no da bar­ra­ca se po­dia guar­dar sua rou­pa por um tem­pi­nho e an­tes que o ou­tro res­pon­des­se já es­ta­va a ca­mi­nho do mar.

A água fria lam­beu sua pe­le aver­me­lha­da e ele ar­re­pi­ou-se in­tei­ro, te­ve von­ta­de de uri­nar e uri­nou. Lem­brou-se di­ver­ti­do de uma re­por­ta­gem que le­ra so­bre os be­ne­fí­ci­os da uri­na pa­ra o mar. Riu con­si­go mes­mo en­quan­to ali­vi­a­va-se com a água até a cin­tu­ra. De uns vin­te me­tros mar aden­tro, avis­tou a praia re­ple­ta de ba­nhis­tas e ven­de­do­res am­bu­lan­tes, pa­re­ci­am car­na­va­les­cos sal­pi­ca­dos de lan­te­jou­las, to­dos bri­lha­vam de al­gum mo­do a dis­tân­cia. To­dos, pen­sou com a pre­gui­ça de um raio de sol, es­con­dem seus ran­ços fa­mi­li­a­res, o de­sa­len­to pro­fis­si­o­nal, o ar­re­pen­di­men­to por não ter to­ma­do aque­la ati­tu­de, a in­ve­ja do ami­go ou o te­são pe­la mu­lher de­le. Quis rir, mas es­ta­va amo­le­ci­do de­mais e ape­nas per­ce­beu os lá­bi­os abri­rem pe­que­nos sul­cos que ar­de­ram. Al­guém ali adi­an­te, Mu­ri­lo as­sus­tou-se por um mo­men­to com a pró­pria ideia, ten­ta es­con­der de si mes­mo a von­ta­de in­con­fes­sá­vel de ras­gar o mun­do em fa­ti­as e fi­car com uma das par­tes só pa­ra si. Pes­cou uma go­ta de su­or nos lá­bi­os. De­ci­diu per­ma­ne­cer as­sim, com a água até o pes­co­ço pa­ra não se quei­mar ain­da mais. Bem per­to de­le um sur­fis­ta na­dou com sua pran­cha, bar­cos e ve­las os­ci­la­vam mais adi­an­te, o ba­ru­lho das on­das tra­ça­va pla­nos de uma po­de­ro­sa te­ra­pia, pen­sou, a água es­pa­lhan­do-se na areia con­fun­dia-se aos pou­cos com o ala­ri­do das vo­zes, co­mo se a or­ques­tra en­cer­ras­se con­ti­nu­a­men­te o mes­mo nú­me­ro e os es­pec­ta­do­res in­sis­tis­sem em sem­pre co­men­tá-lo. Na­da­ra um pou­co mais e ago­ra po­dia flu­tu­ar nu­ma par­te cal­ma do mar, após a li­nha da ar­re­ben­ta­ção, sem lu­tar con­tra as on­das a car­re­gá-lo a to­do ins­tan­te na di­re­ção da praia. O céu era de um azul ines­que­cí­vel. Man­te­ve-se à flor d’água por um bom tem­po an­tes de na­dar de vol­ta.

O ga­ro­to da bar­ra­ca en­tre­gou-lhe as rou­pas, o sol ha­via caí­do um pou­co, a som­bra já to­ma­va uma lar­ga fai­xa da areia, es­con­den­do cor­pos e es­fri­an­do pen­sa­men­tos. Sen­tia fo­me de no­vo, mas da­va pa­ra aguen­tar até mais tar­de. Pe­di­ria al­go na sim­pá­ti­ca bar­ra­ca, in­ven­ta­ria uma des­cul­pa qual­quer, “per­di meu di­nhei­ro”, sor­riu bai­xi­nho e ba­lan­çou a ca­be­ça. En­tre­tan­to, a men­di­cân­cia não fa­zia par­te de seus pla­nos. Ofe­re­ceu-se pa­ra aju­dar a ser­vir, o do­no po­de­ria com­pen­sá-lo com um san­duí­che e uma cer­ve­ja no al­mo­ço e à noi­te. Mes­mo des­con­fi­a­do, o bar­ra­quei­ro acei­tou a pro­pos­ta. De­pois do ex­pe­di­en­te, dor­miu por ali mes­mo. Foi as­sim du­ran­te to­dos aque­les di­as. Não ha­via com o que se pre­o­cu­par. Ele não ti­nha na­da que pu­des­se in­te­res­sar a quem quer que fos­se, nem mes­mo o ce­lu­lar, que pro­vi­so­ri­a­men­te dei­xa­ra com o Dou­tor Ca­va­blan­co an­tes de vi­a­jar.

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “A ca­sa de Mon­te­vi­déu”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe