Contos

Véspera

terça-feira, 28 de agosto de 2018 Texto de

Dez anos ha­vi­am se pas­sa­do e ela ain­da sen­tia-se cons­tran­gi­da ao fa­lar so­bre o as­sun­to. Na ver­da­de, não ape­nas ela, mas to­dos de seu cír­cu­lo mais ín­ti­mo, pois eles sa­bi­am, ou pe­lo me­nos ima­gi­na­vam, co­mo fo­ra di­fí­cil. Ma­ri­a­ni­nha ain­da não ti­nha sei­os quan­do, ca­te­gó­ri­co, o pro­fes­sor de ba­lé pro­je­tou seu fu­tu­ro: uma joia a ser la­pi­da­da. O cor­po es­guio, a agi­li­da­de dos mo­vi­men­tos, a pos­tu­ra ele­gan­te, a ca­pa­ci­da­de de ab­sor­ver as téc­ni­cas, tu­do se en­cai­xa­va sob a pers­pec­ti­va ex­pres­sa­da com eu­fo­ria con­ti­da pe­lo ve­te­ra­no de dan­ça clás­si­ca. “Além do mais, é am­bi­ci­o­sa e de uma dis­ci­pli­na in­fa­lí­vel”, dis­se con­fi­an­te aos pais da alu­na quan­do os cha­mou pa­ra ins­cre­vê-la no con­cur­so in­ter­na­ci­o­nal. “Tem gran­des pos­si­bi­li­da­des”, ani­mou-se quan­to a ven­cer ou per­der. “De to­do mo­do, é ba­ga­gem que não se ex­tra­vi­a­rá”, sor­riu com imen­so ca­ri­nho, de mo­do que ali mes­mo re­ce­beu a au­to­ri­za­ção pa­ra as pro­vi­dên­ci­as for­mais.

Cu­ri­o­sa­men­te, não era o epi­só­dio cru­ci­al que a des­mon­ta­va a ca­da lem­bran­ça do ca­so, mas o que o mo­ti­va­ra, um com­po­nen­te in­vi­sí­vel e cu­ja ex­pli­ca­ção ela até ho­je não en­con­tra­ra. “Tal­vez vo­cê nun­ca a en­con­tre”, dis­se-lhe uma vez o Dou­tor Ca­va­blan­co, e dis­se-lhe de um mo­do tão pa­ter­nal e tran­qui­li­za­dor, que Ma­ri­a­ni­nha acei­tou me­lhor as in­qui­e­ta­ções cau­sa­das por seu dra­ma. En­tre­gou-se, en­tão, a um re­gu­lar exer­cí­cio de sa­ni­da­de: pas­sou a re­fa­zer ca­da pas­so do tor­tu­o­so tra­je­to. O de­se­jo de com­pre­en­der-se su­pe­rou o re­ceio de am­pli­ar as con­sequên­ci­as trau­má­ti­cas que a per­se­gui­am. Sim, já era ca­paz de re­me­mo­rar a cons­ci­ên­cia de sua pró­pria evo­lu­ção du­ran­te a sequên­cia das au­las, não pre­ci­sa­va mais ta­par os ou­vi­dos quan­do a voz do pro­fes­sor des­pe­jan­do elo­gi­os e tra­çan­do pla­nos pa­ra seu fu­tu­ro pro­mis­sor res­so­a­va de re­pen­te em sua ca­be­ça. Po­dia até mes­mo re­cons­ti­tuir a ex­pres­são de dor no ros­to da mãe, que não con­se­guiu pro­nun­ci­ar pa­la­vra ao bus­cá-la em Cum­bi­ca na vol­ta da vi­a­gem, e a re­a­ção im­pul­si­va e vi­o­len­ta do pai, que ame­a­çou ti­rar sa­tis­fa­ções com o pro­fes­sor. Tu­do ago­ra so­a­va me­nos bru­tal. Era co­mo ter caí­do so­bre um ta­pe­te fel­pu­do e ma­cio on­de se tem von­ta­de de ma­tar a pre­gui­ça.

No en­tan­to, es­sas no­vas sen­sa­ções não sig­ni­fi­ca­vam uma so­lu­ção, só um meio de avan­çar com mais se­gu­ran­ça até o ob­je­ti­vo fi­nal de re­to­mar a dan­ça sem dor. Não há na­da aqui, pen­sou um pou­co an­tes de ini­ci­ar mais uma de su­as ses­sões de te­ra­pia, ain­da sen­ta­da na sa­la de es­pe­ra tro­can­do men­sa­gens ba­nais pe­lo ce­lu­lar. Apal­pou a co­xa e ali aper­tou o po­le­gar com for­ça, a rai­va mo­men­tâ­nea di­luiu-se. Ho­je, en­fim, di­ria ao Dou­tor Ca­va­blan­co que es­ta­va pron­ta pa­ra aten­der ao pe­di­do fei­to por ele ha­via já um ano. Sim, se­gui­ria seu con­se­lho, vol­ta­ria à pis­ta de dan­ça, re­to­ma­ria os es­tu­dos, in­de­pen­den­te­men­te de êxi­tos ou fra­cas­sos.

“Vo­cê po­de me con­tar o ca­so to­do?”, o mé­di­co a sur­pre­en­deu tão lo­go ou­viu sua de­ci­são.

Ma­ri­a­ni­nha per­ce­beu um es­tra­nho es­pas­mo nas pál­pe­bras e um le­ve tre­mor nos lá­bi­os, mas os mo­vi­men­tos in­vo­lun­tá­ri­os não du­ra­ram mais do que dois ou três se­gun­dos. “Des­de os elo­gi­os do pro­fes­sor?”, ain­da foi ca­paz de brin­car.

Um dia an­tes de em­bar­car pa­ra o con­cur­so na Áus­tria, ela dei­xou de la­do o co­me­di­men­to dos me­ses em que se de­di­ca­ra in­te­gral­men­te aos trei­nos. Sen­tia-se pre­pa­ra­da e con­fi­an­te. Com a aju­da da mãe, já fi­ze­ra as ma­las. Es­ta­va tu­do pron­to. Quem po­de­ria, afi­nal, ima­gi­nar uma bo­ba­gem da­que­las? Os pais es­ta­vam sen­ta­dos à gran­de me­sa qua­dra­da da sa­la de jan­tar, um mó­vel an­ti­go co­mo sua pró­pria fa­mí­lia, e tam­bém co­mo a ca­sa em Pi­nhei­ros. Ali ha­vi­am es­ta­do avós e bi­sa­vós du­ran­te sé­cu­los. O for­ma­to per­mi­tia, se­gun­do o pai, a in­te­gra­ção fa­mi­li­ar, ao con­trá­rio de lon­gas me­sas re­tan­gu­la­res que res­trin­gem a vi­su­a­li­za­ção e di­fi­cul­tam os diá­lo­gos. Nu­ma me­sa com­pri­da, di­zia ele, as pes­so­as não sa­bem quem dis­se o quê. Aqui, in­sis­tia com exa­ge­ra­do apre­ço, to­dos po­dem fa­lar olhan­do no olho. E por iro­nia foi nu­ma das qui­nas de ma­dei­ra ma­ci­ça on­de Ma­ri­a­ni­nha, olhan­do com fe­li­ci­da­de nos olhos dos pais, de­pa­rou-se com sua des­ven­tu­ra.

Ela en­tra­ra sal­ti­tan­te pa­ra o úl­ti­mo al­mo­ço an­tes de vi­a­jar, es­ta­va fe­liz e sen­tia-se le­ve, não se tra­ta­va de um en­saio pro­pri­a­men­te di­to, mas qua­se sem per­ce­ber, le­va­da pe­lo en­tu­si­as­mo, pe­gou-se pra­ti­can­do os pas­sos que a al­ça­ri­am a um no­vo pa­ta­mar ar­tís­ti­co. E bem aí, sor­ri­den­te e se­nho­ra de si, ba­teu a co­xa di­rei­ta con­tra a me­sa. En­tre ri­sos bo­bos e gri­ti­nhos de dor, es­fre­gou as mãos so­bre a pe­le, la­cri­me­jou, o cho­que exi­giu-lhe con­cen­tra­ção pa­ra re­cu­pe­rar o equi­lí­brio, apoi­ou-se à me­sa en­quan­to re­pri­mia uma von­ta­de es­tú­pi­da de chu­tar a ma­dei­ra com to­da a for­ça do mun­do. Mas a avó e o avô, já mor­tos, man­ti­nham-se ali, im­preg­na­dos so­bre o tam­po en­ce­ra­do, am­bos na com­pa­nhia de va­gos an­te­pas­sa­dos, to­dos em pé, guar­dan­do an­gús­ti­as e fe­li­ci­da­des, la­men­tos e con­tem­pla­ções, ar­rou­bos e con­fi­dên­ci­as que per­pas­sam o fio dos me­tais e os ris­cos nas lou­ças.

Di­an­te do Dou­tor Ca­va­blan­co, Ma­ri­a­ni­nha sor­riu pa­ra si mes­ma, em­bo­ra lá no fun­do sou­bes­se da im­pos­si­bi­li­da­de de de­be­lar um sen­ti­men­to do qual te­mia se en­ver­go­nhar, e por is­so não o re­ve­lou ao mé­di­co.

Ao le­van­tar-se, após o al­mo­ço, foi ao quar­to e er­gueu a saia. Uma man­cha ar­ro­xe­a­da for­ma­ra-se so­bre a pe­le, um sol ne­gro den­so no nú­cleo e es­ma­e­ci­do em tons li­la­ses nas ex­tre­mi­da­des. Não doía, ex­pli­cou en­quan­to a mãe a so­cor­ria com cre­mes e po­ma­das. Na­da que o pró­prio tra­je do ba­lé não re­sol­ves­se. Es­con­deu o epi­só­dio do ve­lho pro­fes­sor, ou tal­vez mal se lem­bras­se dos úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos em meio à agi­ta­ção co­mum de uma vés­pe­ra. Vi­a­jou com ele, am­bos cer­tos de que tu­do sai­ria bem. E tu­do re­al­men­te saiu bem, me­nos o úl­ti­mo e de­ci­si­vo nú­me­ro.

“Que o se­nhor já co­nhe­ce”, ela vol­tou-se he­si­tan­te pa­ra o mé­di­co.

“Con­te ou­tra vez”, ele re­du­ziu o tom de voz a um grau mí­ni­mo, e Ma­ri­a­ni­nha te­ve por um ins­tan­te a im­pres­são de ter aden­tra­do um so­nho.

No­va­men­te mo­vi­men­ta­va-se com su­a­vi­da­de em sua apre­sen­ta­ção aos ju­ra­dos. Se­re­na e con­cen­tra­da, pe­ne­tra­va o si­lên­cio com um pra­zer úni­co. Sen­tia-se do­na de to­do o es­pa­ço, e não ape­nas do es­pa­ço do te­a­tro. Sua apre­sen­ta­ção, por as­sim di­zer, eco­a­va no mais lon­gín­quo pon­to do uni­ver­so. “Vo­cê e mais nin­guém”, lem­brou-se do pro­fes­sor di­zen­do-lhe an­tes do nú­me­ro. “Apre­sen­te-se a si mes­ma”, ou­viu-lhe ou­tra vez a voz que­bra­di­ça con­tor­na­da de co­nhe­ci­men­to e con­fi­an­ça. No en­tan­to, o sol es­cu­re­ceu-se de re­pen­te, de bri­lhan­te pas­sou a li­lás e en­tão uma pe­dra ame­tis­ta ro­lou pe­los olhos de Ma­ri­a­ni­nha. Co­mo raio, um pen­sa­men­to cru­zou-lhe a fron­te, era di­fí­cil ex­pli­car, mas o avi­so de uma dor pa­re­cia ter se an­te­ci­pa­do ao pró­xi­mo pas­so, de al­gum mo­do cer­ti­fi­cou-se de sua imi­nên­cia, as­sim que to­cas­se o pé di­rei­to no chão a le­são es­con­di­da sob a meia se ma­ni­fes­ta­ria de mo­do lan­ci­nan­te, re­te­sou-se de ime­di­a­to, um sú­bi­to tre­mor as­so­lou o tron­co de Ma­ri­a­ni­nha e ani­nhou-se em sua co­xa, o im­pul­so do ba­lé con­fun­diu-se com um cor­po de­sa­jei­ta­do à fren­te do jú­ri bo­qui­a­ber­to. Dois as­sis­ten­tes cui­da­do­sos a aju­da­ram a le­van­tar-se, e no fim das con­tas foi pre­ci­so car­re­gá-la nos bra­ços.

De­pois de to­dos os exa­mes mé­di­cos, ne­nhu­ma le­são foi cons­ta­ta­da. A man­cha ar­ro­xe­a­da ou o sol ne­gro ou a pe­dra ame­tis­ta ou coi­sa que o va­lha de­sa­pa­re­ceu sem dei­xar qual­quer mar­ca vi­sí­vel. “Es­tá tu­do em or­dem com sua per­na, ga­ro­ta”, dis­se-lhe um dos es­pe­ci­a­lis­tas que a exa­mi­na­ram. “Po­de re­to­mar seu ba­lé sem me­do”. Mas ela não ti­nha co­mo re­ter es­se oti­mis­mo des­po­ja­do. Ela sim­ples­men­te não po­dia con­tro­lar a ame­a­ça in­vi­sí­vel. A dor. A vés­pe­ra da dor. A sen­sa­ção in­tra­du­zí­vel de uma ir­rup­ção so­bre a qual só ela ti­nha cons­ci­ên­cia. E hor­ror. Ago­ra, no en­tan­to, ten­ta­ria de no­vo. O Dou­tor Ca­va­blan­co per­mi­tiu-lhe uma lon­ga pau­sa. Os dois per­ma­ne­ce­ram den­tro de um si­lên­cio res­pei­to­so.

“E a me­sa?”, per­gun­tou-lhe por fim com uma no­ta de ino­cên­cia e ou­tra de di­ver­ti­da cu­ri­o­si­da­de.

“A me­sa?”, Ma­ri­a­ni­nha ti­nha uma ex­pres­são va­ga.

O mé­di­co aguar­dou pa­ci­en­te­men­te.

“Sex­ta­va­ram-na”, dis­se ela de re­pen­te num tom de voz que en­cheu a sa­la. “Sex­ta­va­ram-na”, qua­se gri­tou en­quan­to ia sen­do to­ma­da por uma cri­se in­con­tro­lá­vel de so­lu­ços. “Sex­ta­va­ram-na”, re­pe­tiu já rou­ca, com o po­le­gar en­fi­a­do na co­xa co­mo se pu­des­se atra­ves­sar a pró­pria car­ne.

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “A ca­sa de Mon­te­vi­déu”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ar­re­ben­ta­ção”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Hi­pó­te­ses”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­va­lo Bran­co”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “De­pois do Jan­tar”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Bor­bo­le­ta”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “As vo­zes”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Trans­tor­no”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “O cri­a­dor de tu­do”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe