Contos

Cavalo Branco

terça-feira, 20 de março de 2018 Texto de

Trou­xe­ram-lhe a be­bi­da, mas Na­tá­lia mal no­tou. Es­ta­va tão ab­sor­ta pe­lo am­bi­en­te e, cla­ro, pe­la mú­si­ca, que dis­se “obri­ga­da” quan­do o gar­çom já ti­nha de­sa­pa­re­ci­do. Ob­ser­vou com cu­ri­o­si­da­de as si­lhu­e­tas dan­çan­tes sob as pou­cas lu­zes ins­ta­la­das pró­xi­mas ao te­to ele­va­do e es­ti­lo­so, cu­jas te­lhas fran­ce­sas en­tre­me­a­das por al­gu­mas de vi­dro fil­tra­vam um pou­co da cla­ri­da­de ex­ter­na, às ve­zes até mes­mo a lua al­ta e cheia. Tu­do pa­re­cia co­mo an­tes, pen­sou ao dar uma olha­da ge­ral pe­las de­pen­dên­ci­as. Tal­vez a mai­or di­fe­ren­ça es­ti­ves­se si­tu­a­da ne­la pró­pria, ro­dou o co­po en­tre as mãos com uma mis­tu­ra de nos­tal­gia e apre­en­são. Que­ria evi­tar uma co­mo­ção es­tú­pi­da, mas ao mes­mo tem­po sen­tia o pei­to con­trair-se, o co­ra­ção ba­tia le­ve­men­te des­com­pas­sa­do à me­di­da que sua res­pi­ra­ção os­ci­la­va. Mo­lhou os lá­bi­os com a es­pe­ran­ça de res­ga­tar a es­ta­bi­li­da­de emo­ci­o­nal, mas o má­xi­mo que con­se­guiu foi sen­tir o ál­co­ol quei­mar a gar­gan­ta, de­pois um ca­lor­zi­nho en­tu­si­as­mou-a mo­men­ta­ne­a­men­te. Per­gun­tou-se se te­ria to­ma­do a de­ci­são cer­ta. Vi­rou um tra­go e ten­tou avis­tar o pal­co. Sen­ta­ra-se bem lá atrás, o ve­lho bar es­ta­va lo­ta­do e mui­ta gen­te dan­ça­va na pis­ta e en­tre as me­sas.

Sim, tu­do es­ta­va igual. Me­nos ela. Pe­gou-se na bre­vi­da­de de um sor­ri­so bo­bo. Ha­via, na me­sa bem à sua fren­te, du­as ga­ro­tas bei­jan­do-se, de re­pen­te pa­ra­ram e caí­ram na ri­sa­da, do­bra­ram-se com as mãos na bar­ri­ga, em se­gui­da jun­ta­ram-se de no­vo, bei­ja­ram-se e pa­ra­ram pa­ra gar­ga­lhar. Ela tam­bém vol­tou a rir, de­pois pas­sou a lín­gua en­tre os lá­bi­os, sen­tin­do-os úmi­dos, não era sua in­ten­ção en­fi­ar o pé no pas­sa­do, mas era mais for­te do que ela, as me­ni­nas rin­do sem pa­rar e de vez em quan­do tro­can­do bei­jos e ca­rí­ci­as, o mes­mo am­bi­en­te, to­dos aque­les sons de blu­es, soul, funk, os ba­lan­ços que as em­ba­la­vam e que mar­ca­ram seus en­con­tros e de­sen­con­tros, a voz de Ta­ti­a­ne co­mo an­tes, tão per­to de­la, tu­do cons­pi­ra­va a fa­vor das lem­bran­ças.

Es­ti­cou o pes­co­ço por so­bre os cor­pos rit­ma­dos pa­ra vê-la in­tei­ra, mas ha­via mui­tas pes­so­as en­tre o pal­co e sua me­sa. Tal­vez, pen­sou, fos­se me­lhor as­sim. Não po­dia ima­gi­nar a re­a­ção de Taty. De re­pen­te as­sus­tou-se ao cal­cu­lar o vá­cuo aber­to em su­as vi­das. Cin­co anos não são cin­co se­ma­nas. Mes­mo com to­dos os ruí­dos pa­ra­le­los, po­dia per­ce­ber que a voz con­ti­nu­a­va be­la, aque­la rou­qui­dão pró­pria do es­ti­lo es­co­lhi­do por Ta­ti­a­ne an­tes mes­mo de ser con­vi­da­da a se­gu­rar o mi­cro­fo­ne pra va­ler. Sen­tiu um ar­re­pio per­cor­rer a nu­ca, era ca­paz de ju­rar tê-la ou­vi­do ali mes­mo, ao seu la­do, fa­lan­do bai­xi­nho em seu ou­vi­do: “Vo­cê é ba­ca­na, Naty”.

“Vo­cê é ba­ca­na, Naty”, ex­plo­rou ca­da uma des­sas pa­la­vras co­mo se pu­des­se bei­jar seus fo­ne­mas ou sen­tir a te­pi­dez da­que­la voz, o sor­ri­so bo­bo in­sis­tiu em seus lá­bi­os. Le­vou o co­po à bo­ca, os pen­sa­men­tos in­si­nu­an­do-se nas bre­chas do tem­po, “Vo­cê é ba­ca­na, Naty, mas acho que vai me dei­xar uma ho­ra des­sas”. Fe­chou os olhos e viu o ros­to de Taty bem di­an­te de si, “Vo­cê vai me dei­xar uma ho­ra des­sas”, “Vo­cê vai me dei­xar uma ho­ra des­sas”. Aqui­lo se trans­for­ma­ra em ob­ses­são. “Não é na­da dis­so, sua bo­ba”, di­zia-lhe. “Mas um dia vai ser ine­vi­tá­vel”, ou­via Ta­ti­a­ne la­men­tar.

En­con­tra­vam-se no Whi­te Hor­se uma ou du­as ve­zes por se­ma­na, era o má­xi­mo que con­se­gui­am. “Meu pai es­tá em ci­ma”, ou­viu um re­sí­duo da pró­pria voz per­di­da no am­bi­en­te des­de aque­les tem­pos. “Eu sei”, Ta­ti­a­ne pro­cu­ra­va apoiá-la. “Fo­da-se ele, fo­da-se tu­do”, Na­tá­lia so­ca­va a me­sa, “a gen­te vai dar um jei­to”. Os lá­bi­os de Ta­ti­a­ne en­tre­a­bri­am-se num sor­ri­so in­cer­to de ad­mi­ra­ção ou re­sig­na­ção. Não res­pon­dia na­da, lem­brou-se Na­tá­lia, não da­va cor­da às su­as bra­va­tas, ape­nas co­bria sua mão com a de­la dis­far­ça­da­men­te so­bre a me­sa.

Os tem­pos eram ou­tros, pen­sou, in­ve­jan­do as me­ni­nas que con­ti­nu­a­vam a se di­ver­tir na me­sa em fren­te. Pe­diu mais uma do­se. Be­beu bas­tan­te água. Não pre­ten­dia fi­car mui­to al­ta, não en­tra­ra pa­ra fa­zer ce­na, ha­via só mes­mo a cu­ri­o­si­da­de. Olhou o re­ló­gio, qua­se du­as, cal­cu­lou que o show es­ta­va pa­ra ter­mi­nar, o bar es­va­zi­a­ria e che­ga­ria a ho­ra de dar um oi, “Oi, Taty”, se­ria tão sim­ples as­sim? Es­ta­va pas­san­do aqui em fren­te e... Era a ver­da­de. Não ha­via pla­ne­ja­do na­da. Ao vol­tar do ex­te­ri­or na se­ma­na pas­sa­da ti­nha até pen­sa­do em tu­do, ha­via re­ca­pi­tu­la­do aque­les di­as qua­se au­to­ma­ti­ca­men­te, o que in­cluía Ta­ti­a­ne, mas ao mes­mo tem­po, com to­das as pos­si­bi­li­da­des aber­tas pe­lo cur­so, as en­tre­vis­tas de em­pre­go agen­da­das pe­lo pai, as idas e vin­das com a fa­mí­lia à pro­cu­ra de um apar­ta­men­to pa­ra ela, viu-se su­fo­ca­da por uma no­va re­a­li­da­de, es­ta­va sen­do ini­ci­a­da na pa­ra­noia pro­fis­si­o­nal pa­ra a qual pen­sa­va ter se pre­pa­ra­do du­ran­te os úl­ti­mos qua­tro anos. Taty re­pre­sen­ta­va na­da mais do que um mi­cro­bi­o­zi­nho en­fra­que­ci­do por um po­de­ro­so an­ti­bió­ti­co re­cei­ta­do pe­lo pai na­que­la fa­tí­di­ca noi­te. Mas ho­je, pas­san­do por ali...

Ou­via a voz de­li­ca­da de Ta­ti­a­ne no pal­co, via seu cor­po ape­nas de re­lan­ce em meio aos fre­quen­ta­do­res, aos gar­çons, aos gran­des pi­la­res re­don­dos de ma­dei­ra que tor­na­vam o Whi­te Hor­se tão rús­ti­co quan­to ela gos­ta­ria de ter si­do pa­ra sem­pre, e tão do­ce co­mo
Taty, sua me­lo­dia, su­as pa­la­vras.

“Lem­bra o que eu te dis­se?”, ou­viu-a de no­vo, viu-a de no­vo na­que­les di­as, ela ten­ta­va man­ter-se se­re­na co­mo sem­pre, mas aque­le ti­que na co­mis­su­ra dos lá­bi­os, co­mo se re­a­gis­se a le­ves cho­ques, de­nun­ci­a­va seu ver­da­dei­ro es­ta­do, pou­co de­pois con­fir­ma­do por um fi­o­zi­nho que lhe per­cor­reu o ros­to e sul­cou a ma­qui­a­gem fei­to um cór­re­go se­can­do.

“Não vou”, Na­tá­lia be­beu a pri­mei­ra do­se de uís­que de sua vi­da. “Vá com cal­ma”, dis­se-lhe Taty. “Fo­da-se ele, fo­da-se tu­do”. Vi­rou ou­tra, deu um so­co na me­sa. Taty co­lo­ca­ra sua mão so­bre a de­la, igual a to­das as ou­tras ve­zes, mas en­tão não re­cu­a­ra, per­ma­ne­cia as­sim, aper­tan­do le­ve­men­te seus de­dos, aper­tan­do e sol­tan­do, aper­tan­do e sol­tan­do. “Vou to­mar ou­tro”. “Vá com cal­ma”. “Que­ro mais um des­se”, dis­se ao gar­çom, “qual é mes­mo?”. “Whi­te Hor­se é o úni­co da ca­sa”. “Is­so, que se­ja, um Ca­va­lo Bran­co”, um ca­va­lo que pu­des­se tra­gá-la da­li com Taty, que pu­des­se ga­lo­par com as du­as pa­ra bem lon­ge, fo­ra do con­tro­le do pai, da so­ci­e­da­de, lon­ge de to­dos aque­les olha­res e re­gras.

Ago­ra ti­nha saí­do pa­ra fu­mar, en­cos­tou-se à pa­re­de no la­do de fo­ra pa­ra pro­te­ger-se do ven­to. Eram mais de du­as e meia e fa­zia frio, abo­to­ou a ja­que­ta, es­pi­ou lá den­tro e pa­re­ci­am já es­tar no bis, pe­gou-se sor­rin­do de no­vo ao pen­sar ter vis­to Ta­ti­a­ne da ca­be­ça aos pés, o mi­cro­fo­ne à mão, um ves­ti­do azul lon­go con­tor­na­va seu cor­po es­guio de cin­tu­ra fi­na e qua­dril vo­lup­tu­o­so, afu­ni­lan­do-se gra­da­ti­va­men­te até os tor­no­ze­los e de­pois abrin­do-se em pre­gas bri­lhan­tes. Vol­tou a apoi­ar-se ao la­do da por­ta por on­de a mai­o­ria dos no­tí­va­gos dei­xa­va o bar, mas obri­gou-se a dar mais uma olha­da, des­vi­an­do-se de dois ou três ra­pa­zes que saíam tran­çan­do as per­nas com la­ti­nhas de cer­ve­ja nas mãos. De re­pen­te fi­ca­ra in­tri­ga­da com aque­le ves­ti­do, pa­re­cia-lhe fa­mi­li­ar, tal­vez fos­se uma con­fu­são de sua par­te, mas na­que­la noi­te, bem na­que­la noi­te, cin­co anos an­tes, en­quan­to dei­xa­va o Whi­te Hor­se no car­ro do pai, de­pois de to­da a bri­ga, do es­cân­da­lo to­do, exa­ta­men­te ali on­de en­con­tra­va-se ago­ra, ao la­do da en­tra­da, ela ti­nha qua­se cer­te­za de que Ta­ti­a­ne per­ma­ne­ce­ra em pé por al­guns se­gun­dos, com es­se mes­mo ves­ti­do.

Der­ru­bou a cin­za e jo­gou a bi­tu­ca nu­ma enor­me la­ta de li­xo ali per­to, ten­tou re­tor­nar até a por­ta, mas ago­ra o flu­xo da saí­da a im­pe­dia de ver qual­quer coi­sa lá den­tro. To­dos es­ta­vam dei­xan­do o Whi­te Hor­se. Ba­lan­çou a ca­be­ça, um ves­ti­do de qua­tro anos an­tes não en­tra­ria mais em Taty. Sor­riu com ma­lí­cia e um se­gun­do de­pois ar­re­pen­deu-se, mas se­ria a ver­da­de. Lem­brou-se das rou­pas que am­bas ves­ti­am na­que­le tem­po, cal­ças jus­tas, ca­mi­se­tas cur­tas, tu­do caía bem em seus cor­pos tão jo­vens. Um ho­mem vi­si­vel­men­te al­te­ra­do apro­xi­mou-se de­la. “Es­tá so­zi­nha, baby?”, mas sem que ela ti­ves­se qual­quer re­a­ção ele mes­mo afas­tou-se aos tro­pe­ções.

“Es­tá so­zi­nha, baby?”, Ta­ti­a­ne a en­con­tra­ra num des­ses di­as em que na­da pa­re­cia se en­cai­xar aos seus pla­nos, ali mes­mo no Whi­te Hor­se. “Es­tá so­zi­nha, baby?”, Taty sen­tou-se co­mo se fos­sem ve­lhas ami­gas, e Naty achou tu­do mui­to na­tu­ral. To­ma­va um Mar­ti­ni e, quan­do viu o sor­ri­so di­an­te de­la, es­que­ceu-se do na­mo­ro frus­tra­do ter­mi­na­do ha­via pou­co, da dis­cus­são com o pro­fes­sor de in­glês no iní­cio da tar­de e da bri­ga com a mãe pou­co an­tes de sair de ca­sa. “Acho que sim”, fez o ge­lo ro­do­pi­ar com os de­dos, e uma coi­sa den­tro de­la pa­re­cia ter ab­sor­vi­do a tem­pe­ra­tu­ra do co­po, al­go es­ta­va trin­can­do de ci­ma a bai­xo. “Po­de sen­tar”, ten­tou di­ver­tir-se um pou­co, e Ta­ti­a­ne cap­tou a men­sa­gem, le­vou a mão atrás do pes­co­ço, os ca­be­los le­ve­men­te en­ca­ra­co­la­dos en­ros­can­do-se nos de­dos, os lá­bi­os en­tre­a­ber­tos num le­ve sor­ri­so, os olhos ne­gros aper­ta­dos e fi­xos em Na­tá­lia. Am­bas gar­ga­lha­ram e fo­ram em fren­te, o ge­lo no ven­tre der­re­te­ra com o ca­lor no­vo e vi­go­ro­so de to­ques, de pe­le con­tra pe­le, de bo­ca con­tra bo­ca, do chei­ro de se­xo, tran­ca­das no ba­nhei­ro do Whi­te Hor­se. Mais tar­de li­gou pa­ra a mãe, “Vou dor­mir na ca­sa de uma ami­ga”, “Vo­cê não co­nhe­ce”, “Ama­nhã a gen­te se vê”, “Não sou cri­an­ça”, “O si­nal es­tá fra­co”, “Não es­tou ou­vin­do”, e des­li­gou. Sen­tia-se li­vre e es­ti­mu­la­da com Ta­ti­a­ne, pe­lo que sen­tia por Ta­ti­a­ne. Pas­sou a con­si­de­rar to­da sua vi­da uma gran­de apor­ri­nha­ção. Aque­les pro­fes­so­res vo­mi­tan­do fór­mu­las ma­te­má­ti­cas, fór­mu­las pa­ra o fu­tu­ro, fór­mu­las pa­ra tu­do. Em ca­sa es­for­ça­va-se pa­ra abs­trair a car­ga tri­bu­tá­ria fa­mi­li­ar, que cres­cia de acor­do com seu pró­prio de­sin­te­res­se, “O que es­tá acon­te­cen­do com vo­cê?”, “De on­de vo­cê ti­rou es­se ar bla­sé?”, “Não fa­ça de con­ta que...”.

Na­tá­lia viu que co­me­ça­vam a apa­gar as lu­zes lá den­tro e pos­tou-se di­an­te da por­ta. Os úl­ti­mos cli­en­tes des­pe­di­am-se, ha­via um chei­ro ado­ci­ca­do de su­or e per­fu­me ar­den­do em su­as na­ri­nas. Dois se­gu­ran­ças fa­la­vam de al­go so­bre ama­nhã, ri­am en­tre si. Ela per­gun­tou-lhes se to­dos ti­nham saí­do. Não sa­bia se de­via es­pe­rar por Taty ali mes­mo ou se va­lia a pe­na pro­cu­rá-la nos bas­ti­do­res. Ha­via ain­da al­guns re­tar­da­tá­ri­os acer­tan­do as con­tas no cai­xa, os mú­si­cos es­ta­vam co­men­do, mas tam­bém não de­mo­ra­ri­am. Naty pre­fe­riu aguar­dar, que­ria fa­lar com Ta­ti­a­ne num mo­men­to em que pu­des­se pu­xá-la de la­do, evi­tar um cons­tran­gi­men­to qual­quer na fren­te de pes­so­as que ela não co­nhe­cia, e nis­so um aper­to su­biu-lhe do pei­to à gar­gan­ta. Ima­gi­nou Taty com no­vas com­pa­nhi­as, vi­e­ram-lhe à ca­be­ça ima­gens des­fo­ca­das de ine­vi­tá­veis no­vas re­la­ções, acen­deu ou­tro ci­gar­ro e tra­gou de­mo­ra­da­men­te. Uma gran­de far­sa, pen­sou de sú­bi­to, to­da es­sa pa­pa­gai­a­da de cin­co anos, uma gran­de far­sa de si mes­ma, as­so­prou a fu­ma­ça pa­ra lon­ge, res­pi­ra­va com so­fre­gui­dão o ar frio da ma­dru­ga­da, re­me­mo­rou sua re­ti­ra­da de ce­na, a sub­mis­são, a en­tre­ga re­sig­na­da, mor­deu os lá­bi­os, na ver­da­de tal­vez fos­se me­lhor di­zer co­var­dia, olhou pa­ra a rua e, co­mo uma es­pec­tro fan­tas­ma­gó­ri­co, viu no­va­men­te o car­ro do pai es­ta­ci­o­na­do no meio fio, a mãe aos pran­tos no ban­co da fren­te en­quan­to ele a ar­ras­ta­va, ou­via-se gri­tar, es­ta­va no­va­men­te den­tro do car­ro, “Fo­da-se vo­cê, fo­da-se tu­do”. “Por fa­vor, fi­lha”, a mãe ten­ta­va aca­ri­ci­ar seus ca­be­los, mas era re­pe­li­da com ris­pi­dez. “Vo­cê en­lou­que­ceu, ga­ro­ta”, o pai ar­ran­ca­va com o car­ro can­tan­do pneus. “Va­mos te le­var ou­tra vez ao Dou­tor Ca­va­blan­co, ama­nhã mes­mo, che­ga de ro­dei­os”. Taty es­ta­va lá atrás, en­cos­ta­da a es­ta mes­ma pa­re­de, com o ves­ti­do azul de bar­ra bri­lhan­te, os bra­ços cru­za­dos, o cor­po imó­vel fei­to uma es­tá­tua ali aban­do­na­da du­ran­te a noi­te. “Um dia vai ser ine­vi­tá­vel”. De­bru­çou-se so­bre o ban­co tra­sei­ro, lim­pou o vi­dro com as cos­tas das mãos en­quan­to via a fi­gu­ra de Ta­ti­a­ne re­du­zir-se a um pon­to ne­gro na cal­ça­da e lo­go de­sa­pa­re­cer aos pou­cos na Ave­ni­da Na­ções Uni­das, em Bau­ru. “E com uma mo­ça de cor”, ou­viu o pai in­dig­nar-se. Es­cor­re­gou e aban­do­nou-se so­bre o es­to­fa­do frio, não ti­nha von­ta­de de cho­rar, sen­tia-se co­mo se ti­ves­sem ar­ran­ca­do tu­do de den­tro de­la e subs­ti­tuí­do pe­la cal­da de um me­tal qual­quer, um me­tal ge­la­do, in­ca­paz de qual­quer re­a­ção di­fe­ren­te do re­cru­des­ci­men­to.

Sol­tou mais um ca­nu­do de fu­ma­ça e ati­rou o ci­gar­ro pe­la me­ta­de na la­ta do li­xo, es­ta­va tão de­ci­di­da que pre­ten­dia ir ago­ra mes­mo até on­de Taty es­ta­ria jan­tan­do com os ou­tros mú­si­cos. Fo­da-se tu­do, pen­sou. Dis­se aos se­gu­ran­ças que de­ci­di­ra ver a ami­ga lá den­tro, mas um de­les pe­diu que aguar­das­se.

“Co­mo é mes­mo seu no­me, mo­ça?”, ele per­gun­tou en­quan­to fa­la­va pe­lo rá­dio com al­guém. “Com quem vo­cê quer fa­lar?”.

“Taty”, ela dis­se en­quan­to o se­gu­ran­ça he­si­ta­va.

“Tem al­gu­ma Taty aí?”.

“Ta­ti­a­ne”, cor­ri­giu Na­tá­lia, “o no­me é Ta­ti­a­ne, a vo­cal”, sor­riu pa­ra ele com uma ter­nu­ra que não con­se­guiu evi­tar, “a de ves­ti­do azul”.

O se­gu­ran­ça olhou-a des­con­cer­ta­do. “Vou ver aqui, po­de dei­xar”, dis­se pa­ra o pes­so­al lá do bar.

“O que foi?”, Na­tá­lia im­pa­ci­en­tou-se. Nun­ca es­ti­ve­ra tão de­ci­di­da na vi­da e dois se­gu­ran­ças ba­ba­cas bar­ra­vam sua pas­sa­gem exa­ta­men­te nes­sa ho­ra! “Não pos­so en­trar?”.

O se­gu­ran­ça ex­pli­cou que não ha­via ne­nhu­ma Taty ou Ta­ti­a­ne lá den­tro, mas Na­tá­lia in­di­cou a pla­ca do ou­tro la­do da por­ta.

“Co­mo não? Es­tá es­cri­to ali”, por um ins­tan­te pen­sou que Taty sa­bia de sua pre­sen­ça e que­ria li­vrar-se de­la, uma pon­ta de tris­te­za co­me­ça­va a pe­ne­trar-lhe por to­das as re­giões do cor­po, co­mo o iní­cio de uma có­li­ca de rim. “Es­tá es­cri­to ali”, re­pe­tiu ao se­gu­ran­ça com o vi­gor agres­si­vo de ou­tros tem­pos.

“Sim, es­tá es­cri­to ali”, dis­se o se­gun­do se­gu­ran­ça que se apro­xi­mou pa­ra con­tê-la, “mas acho que vo­cê não leu di­rei­to”.

De­pois, com Na­tá­lia já co­la­da a ele e ten­tan­do en­trar de qual­quer jei­to, dis­se-lhe que vá­ri­os mú­si­cos ti­nham es­ta­do no Whi­te Hor­se pa­ra uma ho­me­na­gem a Taty.

“Vo­cê não sa­bia?”, dis­se ele, es­for­çan­do-se pa­ra bar­rar-lhe a pas­sa­gem.

“Pre­ci­so en­trar, fa­lar com a Taty”, ela agar­ra­va-se ao pes­co­ço mus­cu­lo­so, sen­tia co­mo se as per­nas fos­sem fei­tas de tra­pos.

“Mo­ça”, o se­gu­ran­ça pas­sou os bra­ços em tor­no de­la, “mo­ça”, re­pe­tiu qua­se as­fi­xi­a­do pe­las mãos de Na­tá­lia, “vo­cê não sa­bia?”, por fim con­se­guiu se­gu­rá-la, “faz um mês ho­je”.

“Ela es­tá lá den­tro”, Na­tá­lia in­sis­tiu já sem for­ças, “ela es­tá lá den­tro”, e ou­vin­do a pró­pria voz di­luir-se na an­gús­tia fria da noi­te te­ve a cer­te­za que sim, Taty es­ta­va lá den­tro.

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “A ca­sa de Mon­te­vi­déu”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ar­re­ben­ta­ção”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Hi­pó­te­ses”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe