Contos

As vozes

terça-feira, 14 de agosto de 2018 Texto de

De­pois de tu­do, pa­re­cia fá­cil de­du­zir o des­fe­cho, co­mo num enig­ma on­de as res­pos­tas es­con­dem-se em né­voa, em­bo­ra es­te­jam tão cla­ras di­an­te dos olhos. De fa­to, ha­vi­am res­ta­do al­gu­mas dú­vi­das in­tri­gan­tes, mas afei­tas ape­nas ao ca­rá­ter fe­no­me­no­ló­gi­co das coi­sas. Es­sas im­pres­sões, no en­tan­to, não se­ri­am tão sim­ples pa­ra quem acom­pa­nhas­se o ca­so ao vi­vo, por as­sim di­zer. Por exem­plo: ao con­trá­rio do que ge­ral­men­te mo­ve uma in­ves­ti­ga­ção, a per­gun­ta que po­de­ria ter si­do fei­ta no de­cor­rer dos acon­te­ci­men­tos não era quem ma­tou, mas quem iria mor­rer. Quan­do os po­li­ci­ais en­con­tra­ram o cor­po da ví­ti­ma, cla­ro que ado­ta­ram to­dos os pro­ce­di­men­tos nor­mais, in­clu­si­ve a bus­ca por im­pres­sões di­gi­tais. Mas o re­sul­ta­do foi bas­tan­te cons­tran­ge­dor. Ao me­nos até que o Dou­tor Ca­va­blan­co en­tras­se em ce­na e, di­an­te das evi­dên­ci­as, des­se seu ve­re­di­to: “Na ver­da­de, não sei se es­se ca­so po­de ser es­cla­re­ci­do”.

O fa­to é que o mé­di­co re­ce­be­ra a li­ga­ção de seu pa­ci­en­te às três da ma­nhã de um do­min­go. Por tra­tar-se de um ca­so com­ple­xo e bas­tan­te de­li­ca­do, con­ce­de­ra es­sa li­ber­da­de a Faus­to, um cor­re­tor de imó­veis que, du­ran­te as di­fi­cul­da­des im­pos­tas pe­la cri­se do se­tor nos úl­ti­mos anos, pas­sa­ra a ou­vir vo­zes que não sa­bia de on­de vi­nham. Eram con­se­lhos so­bre ne­gó­ci­os, aler­tas quan­to a cli­en­tes mal in­ten­ci­o­na­dos e até go­za­ções di­an­te de cir­cuns­tân­ci­as inu­si­ta­das, co­mo no dia em que Faus­to er­rou o en­de­re­ço do imó­vel a ser ofe­re­ci­do e ao en­trar na ou­tra ca­sa por en­ga­no deu de ca­ra com uma ce­na ba­nal de se­xo no so­fá. “Vai nes­sa, meu cha­pa”, Faus­to ou­viu o in­cen­ti­vo irô­ni­co, “re­la­xa e en­tra na fes­ta”. No en­tan­to, não ha­via gra­ça ne­nhu­ma. Era per­tur­ba­dor. O Dou­tor Ca­va­blan­co re­cei­ta­ra al­guns tran­qui­li­zan­tes e tam­bém ini­ci­a­ra o pro­ces­so de te­ra­pia. Con­si­de­ra­va que o tra­ta­men­to ha­via co­me­ça­do bem. O es­ta­do do pa­ci­en­te es­ta­va con­tro­la­do, até a li­ga­ção no meio da ma­dru­ga­da.

Que o su­jei­to an­das­se ma­lu­co com aque­le ba­ru­lho inu­si­ta­do nos mi­o­los, não era no­vi­da­de pa­ra o mé­di­co, mas ao mes­mo tem­po ele pa­re­cia bas­tan­te se­gu­ro de si du­ran­te o te­le­fo­ne­ma. Den­tro de seu pro­je­to, com­por­ta­va-se de mo­do co­e­ren­te. A cir­cuns­tân­cia, cla­ro, não mu­da­va na­da quan­to ao mé­ri­to da ques­tão. Faus­to ex­pli­cou com ob­je­ti­vi­da­de e to­da a ló­gi­ca pos­sí­vel pa­ra uma si­tu­a­ção co­mo aque­la, e tam­bém pa­ra um ho­rá­rio co­mo aque­le, a no­vi­da­de tra­zi­da pe­las vo­zes. Na­da mais do que is­to: o pri­mei­ro que se di­ri­gis­se a ele pes­so­al­men­te mor­re­ria de ime­di­a­to. Não, dou­tor, dis­se Faus­to, não pre­ten­do me tor­nar um as­sas­si­no, não se tra­ta dis­so. De fa­to, ele pa­re­cia ter com­pre­en­di­do exa­ta­men­te o te­or da men­sa­gem. Não se­ria pre­ci­so me­xer uma pa­lha pa­ra que seu in­ter­lo­cu­tor vi­es­se a óbi­to. Se­ria uma con­sequên­cia au­to­má­ti­ca, uma re­a­ção fa­tal a um es­tí­mu­lo na­tu­ral. Vo­cê che­ga pa­ra fa­lar com al­guém e, ino­cen­te di­an­te da pro­fe­cia, pre­mo­ni­ção ou coi­sa que o va­lha, cai du­ro. Não foi na­da fá­cil pa­ra que o Dou­tor Ca­va­blan­co o con­ven­ces­se a não dar ou­vi­dos pa­ra as vo­zes. Tal­vez não te­nha con­se­gui­do.

Faus­to ela­bo­rou um mi­nu­ci­o­so pla­no a ser cum­pri­do an­tes do ama­nhe­cer. A pri­mei­ra coi­sa se­ria en­vi­ar uma men­sa­gem pa­ra os fi­lhos no gru­po fa­mi­li­ar do What­sApp. Por na­da nes­te mun­do me pro­cu­rem ho­je, não in­sis­tam. Já es­ta­va di­gi­tan­do quan­do se deu con­ta da dra­ma­ti­ci­da­de das pa­la­vras. Re­ve­la­vam mui­to mais do que o ne­ces­sá­rio. Eles vi­rão cor­ren­do na mes­ma ho­ra, pen­sou. Pre­ci­sei vi­a­jar, não dá pra gen­te se ver ho­je. Mas ele nun­ca vi­a­ja­va, ain­da mais num do­min­go em que iri­am al­mo­çar jun­tos. Por que vi­a­ja­ria as­sim de re­pen­te? Apa­re­ceu um tra­ba­lho de úl­ti­ma ho­ra. Fui es­ca­la­do pa­ra um plan­tão. Co­me­ça­va a di­gi­tar, mas na­da pa­re­cia se­gu­ro o su­fi­ci­en­te. Por fim, ape­lou pa­ra uma des­cul­pa ra­zoá­vel. Ve­nham de­pois da uma, es­tou acom­pa­nha­do... hehehe. En­vi­a­ria pe­la ma­nhã pa­ra não pa­re­cer sus­pei­to. Ago­ra pre­ci­sa­va pen­sar em ou­tras pos­si­bi­li­da­des.

A pri­mei­ra de­las: co­mo em to­dos os do­min­gos, o por­tei­ro ba­te­ria em sua por­ta às no­ve e, com um sor­ri­so dis­cre­to, di­ria bom dia, Seu Faus­to. Não po­dia con­de­ná-lo. Não o Eu­cli­des, sem­pre pres­ta­ti­vo, um su­jei­to óti­mo e de con­fi­an­ça, al­go ca­da vez mais di­fí­cil pa­ra quem mo­ra so­zi­nho e de­pen­de de bo­ba­gens co­mo dei­xar a cha­ve e pe­dir que al­guém acom­pa­nhe um re­pa­ro no chu­vei­ro ou uma en­tre­ga de vi­nhos. Pois bem, não aten­de­ria à por­ta. Ne­ga­ti­vo, pen­sou um se­gun­do de­pois en­quan­to tra­ga­va es­con­di­do atrás da cor­ti­na da sa­la com re­ceio de que al­guém lá em­bai­xo na rua o re­co­nhe­ces­se e gri­tas­se um cum­pri­men­to qual­quer pa­ra ele, um ges­to sim­pá­ti­co e, den­tro das atu­ais cir­cuns­tân­ci­as, fa­tal. Se não abris­se a por­ta, o Eu­cli­des fa­re­ja­ria al­go sus­pei­to, pen­sa­ria em aju­dá-lo, ar­rom­ba­ria etc. Se­ria me­lhor dei­xar um re­ca­do na por­ta­ria, um bi­lhe­te. Eu­cli­des che­ga­ria ape­nas às se­te. Des­ce­ria ago­ra mes­mo. Ati­rou a bi­tu­ca no jar­dim lá em­bai­xo tor­cen­do pa­ra não ter si­do vis­to. Bom dia, Eu­cli­des, não me le­ve o jor­nal ho­je, eu mes­mo ve­nho pe­gar. Mas e o tra­je­to até lá em­bai­xo, sur­pre­en­deu-se co­mo num sus­to. Olhou pa­ra o re­ló­gio. Cin­co e dez. En­con­tra­ria al­guém no ele­va­dor? Do­na Fá­ti­ma, que de vez em quan­do faz seus de­li­ci­o­sos pu­dins de pão e ofe­re­ce um ge­ne­ro­so pe­da­ço a ele. Sim, ela cos­tu­ma acor­dar mui­to ce­do. Seu Val­de­mar. Ele não o via há mui­to tem­po, mas lem­bra­va-se de seu abra­ço de con­so­lo quan­do fi­cou viú­vo há dois anos. O ca­sal­zi­nho do úl­ti­mo an­dar de quem ele não sa­be os no­mes, mas com quem sim­pa­ti­za. Ti­nha acen­di­do ou­tro ci­gar­ro e re­la­ta­va to­das es­sas hi­pó­te­ses ao Dou­tor Ca­va­blan­co.

“Pre­ci­so es­co­lher”, dis­se ao mé­di­co de­pois de um si­lên­cio.

“Es­co­lha dor­mir um pou­co.”

“Não te­nho ou­tra saí­da.”

“Es­cu­te, Faus­to, vo­cê to­mou o tran­qui­li­zan­te?”

“É es­tra­nho, dou­tor, es­tou me sen­tin­do Deus.”

“Não é pre­ci­so lu­tar con­tra elas por en­quan­to”, o mé­di­co ten­tou atraí-lo com a re­fe­rên­cia às vo­zes, “ape­nas con­vi­ver pa­ci­fi­ca­men­te”.

“Não pos­so ar­ris­car a vi­da das pes­so­as que amo ou mes­mo das que eu ape­nas co­nhe­ço.”

“As vo­zes dei­xa­rão vo­cê em paz quan­do vo­cê der me­nos im­por­tân­cia a elas.”

“Não te­nho es­ca­pa­tó­ria”, dis­se Faus­to sem dar aten­ção ao que lhe di­zia o mé­di­co. “Eu ti­nha di­to ao se­nhor que não se­ria um as­sas­si­no, mas er­rei, por­que pre­ci­sa­rei es­co­lher, o se­nhor com­pre­en­de? Mes­mo sem ma­tar, se­rei um as­sas­si­no”.

Por mais que o mé­di­co pro­cu­ras­se des­viá-lo de sua ob­ses­são, as ten­ta­ti­vas mos­tra­vam-se in­fru­tí­fe­ras. Faus­to aden­tra­va mais e mais seu pro­je­to. Mas es­co­lher a quem? Lem­brou-se do ge­ren­te do res­tau­ran­te que o ha­via des­tra­ta­do ou­tro dia por um mo­ti­vo fú­til. Do cli­en­te bru­ta­mon­tes que cus­piu em seu sa­pa­to por cau­sa do pre­ço do alu­guel. Do co­le­ga que lhe pas­sou a per­na no ne­gó­cio do es­cri­tó­rio da­que­la mul­ti­na­ci­o­nal e em­bol­sou to­da a co­mis­são. Da ga­ro­ta que riu quan­do ele bro­chou ha­via três se­ma­nas ali mes­mo na­que­le so­fá da sa­la, on­de ago­ra es­ta­va do­bra­do so­bre os jo­e­lhos. O estô­ma­go quei­ma­va en­quan­to ele con­fes­sa­va sua fal­ta de co­ra­gem pa­ra le­var adi­an­te uma ati­tu­de des­se ti­po. Ou­viu o mé­di­co pre­ver que da­li a pou­co, quan­do fos­se bus­car pão na pa­da­ria, es­ta­ria li­vre des­se pe­so. Cons­ta­ta­ria com seus pró­pri­os olhos que ne­nhu­ma pre­vi­são das tais vo­zes se con­cre­ti­za­ria, fi­que tran­qui­lo. Faus­to viu que a cor­ti­na já fil­tra­va a pri­mei­ra luz do dia. Pe­lo jei­to, se­ria um bri­lhan­te do­min­go de ve­rão. Da­li a pou­co, ca­sais pas­sa­ri­am em seu tro­te­zi­nho atlé­ti­co pe­la Rua Igua­te­mi na di­re­ção do Par­que do Po­vo, ago­ra mes­mo al­guns no­tí­va­gos dei­xa­vam o bar­zi­nho ba­ru­lhen­to da es­qui­na, ou­viu os ran­gi­dos das por­tas de fer­ro sen­do fe­cha­das, uma mo­to rom­peu a ma­nhã com o es­ca­pa­men­to aber­to e ele sen­tiu o chei­ro da fu­ma­ça tra­zi­do pe­la bri­sa atra­vés do vi­dro en­tre­a­ber­to. Nis­so, Faus­to cor­reu pa­ra fe­chá-lo com um va­go re­ceio de con­ta­gi­ar o pró­prio ar com a mor­te. En­tre­viu uma pi­pa a fla­nar no céu azul.

Os fi­lhos che­ga­ram às on­ze sem ter re­ce­bi­do men­sa­gem al­gu­ma. Tu­do já ha­via acon­te­ci­do. En­quan­to su­bia com eles, Eu­cli­des dis­se olhan­do pa­ra o chão que ti­nha dei­xa­do o jor­nal no ta­pe­te de­pois de ter to­ca­do a cam­pai­nha por du­as ve­zes se­gui­das. O in­ves­ti­ga­dor de po­lí­cia, um ho­men­zi­nho cal­vo que saiu à por­ta lam­ben­do o es­pes­so bi­go­de no mo­men­to em que os três dei­xa­vam o ele­va­dor, olhou pa­ra eles pen­sa­ti­vo, os olhos ar­re­ga­la­dos. “São os fi­lhos”, ou­viu o por­tei­ro in­for­mar-lhe. “Ah, sim”, o po­li­ci­al pa­re­ceu des­per­tar, “sin­to mui­to”. Acon­se­lhou-os a aguar­da­rem um pou­co. Não acha­va que de­ves­sem ver o pai na­que­las con­di­ções, di­an­te do es­pe­lho do ba­nhei­ro.

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “A ca­sa de Mon­te­vi­déu”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ar­re­ben­ta­ção”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Hi­pó­te­ses”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­va­lo Bran­co”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “De­pois do Jan­tar”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Bor­bo­le­ta”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Trans­tor­no”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe