Contos

Aparição no Rio Pinheiros

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018 Texto de

A es­cri­to­ra des­co­la­da em bus­ca de nar­ra­ti­vas ori­gi­nais ti­nha qua­se tu­do em men­te: o epi­só­dio se­ria am­bi­en­ta­do à bei­ra do Rio Pi­nhei­ros, em São Pau­lo, quan­do o ser meio hu­ma­no meio ja­ca­ré dei­xa­ria as águas com a na­tu­ra­li­da­de de um mer­gu­lha­dor. Na ver­da­de, ini­ci­al­men­te o pro­ta­go­nis­ta se­ria meio hu­ma­no meio pei­xe, mas de­pois ela pen­sou que um pê­nis gi­gan­te con­fun­din­do-se com o ra­bão do ja­ca­ré po­de­ria dar um tom pi­can­te ao tex­to, e is­so bas­tou pa­ra que ela se de­ci­dis­se.

Por mais as­sus­ta­dor ou por mais que sua apa­ri­ção fos­se fan­tás­ti­ca, o mons­tren­go pas­sa­ria ba­ti­do pa­ra os mo­to­ris­tas da mar­gi­nal. Lo­go em se­gui­da, co­me­ria um ca­chor­ro idi­o­ta cu­jo cri­me fo­ra avan­çar em sua di­re­ção, e en­tão, aí sim, a par­tir da in­dig­na­ção de um de­fen­sor da cau­sa ani­mal que por aca­so pas­sa­va ali per­to, to­do mun­do co­me­ça­ria a dar bo­la pa­ra a fi­gu­ra im­pres­si­o­nan­te. No en­tan­to, em vez de de­ses­pe­ro, cor­re­ria, en­ga­ve­ta­men­to de veí­cu­los e coi­sas do ti­po, a in­dig­na­ção do ca­ri­nha da ONG ani­mal se­ria en­go­li­da pe­la ação de três ado­les­cen­tes cor­ren­do até o Ja­ca­ro­mem com seus ce­lu­la­res de­vi­da­men­te po­si­ci­o­na­dos pa­ra uma “sel­fie du­ca”.

Mo­to­ris­tas co­me­ça­vam a des­cer de seus car­ros no meio da pis­ta, uma aglo­me­ra­ção cres­cia à mar­gem do rio e a mo­vi­men­ta­ção já atraía he­li­cóp­te­ros com re­pór­te­res que so­bre­vo­a­vam a área pa­ra seus me­câ­ni­cos e in­fin­dá­veis re­la­tos so­bre as con­di­ções do trân­si­to. Não ti­nha co­mo ser uma alu­ci­na­ção co­le­ti­va, e a es­cri­to­ra acha­va di­fí­cil que, além de­la, to­dos aque­les per­so­na­gens anô­ni­mos ti­ves­sem fu­ma­do ma­co­nha ao mes­mo tem­po no meio de uma tar­de en­so­la­ra­da do ve­rão pau­lis­ta­no. Um dos três ado­les­cen­tes que che­ga­ram pri­mei­ro ao lo­cal da ce­na te­ve o in­sight (ela achou por bem usar o ter­mo in­glês pa­ra mos­trar mo­der­ni­da­de e, tal­vez, al­gum char­me) de pu­xar pa­po com o Ja­ca­ro­mem, e puft: não é que ele fa­la­va?

Fa­la­va e, mais que is­so, pa­re­cia en­tu­si­as­mar-se a ca­da ins­tan­te, in­flan­do o pei­tão es­ver­de­a­do ou mar­rom (es­sa cor ain­da es­ta­va sen­do de­fi­ni­da na ca­be­ça da es­cri­to­ra) a ca­da no­va per­gun­ta do pú­bli­co, en­tão já uma ver­da­dei­ra mul­ti­dão. Per­fei­ta­men­te em pé, en­co­lhen­do ao má­xi­mo seu pê­nis-ra­bo en­tre as gor­das pa­tas, afas­tan­do dis­far­ça­da­men­te os os­si­nhos do fi­na­do cão­zi­nho, o Ja­ca­ro­mem lo­go tra­tou de jus­ti­fi­car a pri­mei­ra de­mons­tra­ção de su­as pre­fe­rên­ci­as gas­tronô­mi­cas, sa­be co­mo é, em al­gu­mas par­tes do mun­do is­so é co­mum.

No meio da ga­le­ra (a es­cri­to­ra de re­pen­te lem­brou-se da ne­ces­si­da­de de um vo­ca­bu­lá­rio mais pró­xi­mo da, da, co­mo di­zer, da ga­le­ra, ve­lho!), o lí­der da cau­sa ani­mal ten­ta­va pro­tes­tar con­tra as ob­ser­va­ções fei­tas pe­lo Ja­ca­ro­mem, mas seu es­for­ço mos­tra­va-se inú­til, pois o in­te­res­se cres­cia ver­ti­gi­no­sa­men­te na di­re­ção do no­vo ha­bi­tan­te da me­tró­po­le, na sua ma­nei­ra de fa­lar (co­mo se es­ti­ves­se sem­pre meio en­gas­ga­do ou com al­gum fu­ro per­mi­tin­do a en­tra­da do ar em seu apa­re­lho vo­cal) e es­pe­ci­al­men­te em seus olhos, ab­so­lu­ta­men­te hu­ma­nos.

A es­cri­to­ra per­ce­beu que o sol es­cal­dan­te in­co­mo­da­va o Ja­ca­ro­mem. Sua bo­ca de ex­ten­sas man­dí­bu­las per­ma­ne­cia ca­da vez mais aber­ta, uma ba­ba vis­co­sa es­cor­ria pe­los la­dos, de pou­co em pou­co ele abai­xa­va-se e, de qua­tro, re­fres­ca­va-se no rio imun­do, mas lo­go um gru­po de bom­bei­ros cha­ma­do ao lo­cal es­ti­cou a man­guei­ra até po­der mo­lhá-lo de mi­nu­tos em mi­nu­tos. Com as pa­tas di­an­tei­ras, ele mes­mo to­mou a li­ber­da­de de apo­de­rar-se da bor­ra­cha pa­ra be­ber. De­pois trou­xe­ram-lhe um ga­lão de água mi­ne­ral, e tam­bém qui­se­ram dar-lhe cho­co­la­te e ca­chor­ro-quen­te com­pra­dos em bar­ra­qui­nhas de ca­melôs que co­me­ça­vam a ser er­gui­das en­tre o rio e a mar­gi­nal. Ele, no en­tan­to, pa­re­cia des­con­fi­a­do e ape­nas fa­re­ja­va os mi­mos en­quan­to con­ver­sa­va com o pú­bli­co.

O pri­mei­ro sus­to da es­cri­to­ra ir­rom­peu quan­do, do meio da mul­ti­dão, sur­giu um su­jei­to de pa­le­tó e gra­va­ta di­zen­do so­bre a ne­ces­si­da­de de bo­tar or­dem na ca­sa. Em se­gui­da, po­si­ci­o­nou-se ao la­do do Ja­ca­ro­mem, co­chi­chou al­go em seu ou­vi­do (que na ver­da­de as­se­me­lha­va-se a uma cra­te­ra) e avi­sou a to­dos que a par­tir de ago­ra eu e meu cli­en­te va­mos es­tar co­bran­do por en­tre­vis­tas, va­mos es­tar abrin­do tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de uma ex­clu­si­va, des­de que, cla­ro, ne­go­ci­e­mos um pre­ço ra­zoá­vel. A es­cri­to­ra era con­tra es­tar per­mi­tin­do ta­ma­nho ab­sur­do, mas não con­se­guiu des­pa­chá-lo da nar­ra­ti­va e mui­to me­nos da mar­gem do rio: o em­pre­sá­rio não pas­sa­va de um es­cro­to, ela es­cre­veu com vin­gan­ça e pra­zer!

Olhan­do na di­re­ção da água mo­nó­to­na do Pi­nhei­ros, ama­re­le­ci­da pe­lo re­fle­xo do sol, a es­cri­to­ra tam­bém avis­tou, sem es­pe­rar por is­so, a fi­gu­ra re­ti­lí­nea e gri­sa­lha de seu te­ra­peu­ta, o Dou­tor Ca­va­blan­co. O mé­di­co to­ma­va no­tas de um mo­do que a dei­xou in­tri­ga­da, pois, ao in­vés de ob­ser­var o mons­tren­go à bei­ra do rio, ele ocu­pa­va-se das ati­tu­des e re­a­ções dos fre­quen­ta­do­res da ce­na to­da. No en­tan­to, lo­go per­deu sua si­lhu­e­ta em meio ao aglo­me­ra­do.

Vol­tan­do-se na di­re­ção do nú­cleo da nar­ra­ti­va, a es­cri­to­ra sen­tiu o co­ra­ção ge­lar quan­do, sem que ela ti­ves­se pla­ne­ja­do, o Ja­ca­ro­mem, tal­vez can­sa­do e es­fo­me­a­do após du­as ho­ras se­gui­das de con­ver­sa fi­a­da e en­tre­vis­tas des­ca­bi­das, abo­ca­nhou o bra­ço de um dos re­pór­te­res, re­tor­ceu-o gi­ran­do du­as ve­zes em tor­no de si mes­mo (to­do mun­do já viu um cro­co­di­lo fa­zen­do is­so com os gnus) e ar­ran­cou-o de seu do­no. O san­gue es­gui­chou so­bre o rio.

Só en­tão a es­cri­to­ra tam­bém des­ceu do car­ro e co­me­çou a gri­tar de hor­ror en­quan­to o Ja­ca­ro­mem es­ti­ca­va-se pa­ra ob­ser­vá-la com in­di­fe­ren­ça so­bre to­dos aque­les ce­lu­la­res er­gui­dos aci­ma de ca­be­ças tres­pas­sa­das pe­la ideia de não per­der um se­gun­do do iné­di­to show.

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe