Contos

Núpcias

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018 Texto de

Tu­li­pa ama­va Pe­dro que ama­va Lui­za. Tu­li­pa era ir­mã de Pe­dro. E Pe­dro, noi­vo de Lui­za. Mais do que a pró­pria noi­va, Tu­li­pa pa­re­cia eu­fó­ri­ca à me­di­da que se apro­xi­ma­va a da­ta do ca­sa­men­to. Li­ga­va qua­se to­dos os di­as de­pois de vol­tar da fa­cul­da­de.

“Vo­cê vem ho­je?”, ani­ma­va-se en­quan­to er­guia as per­nas e es­fre­ga­va os pés um no ou­tro, dei­ta­da de bru­ços em sua ca­ma.

Lui­za vi­nha. Fi­ca­vam tran­ca­das no quar­to até al­tas ho­ras, me­nos nas fol­gas de Pe­dro.

“Quan­to amor!”, brin­ca­va a mãe, ar­ras­tan­do os chi­ne­los pe­lo cor­re­dor, o pen­sa­men­to vol­ta­do à ideia de que des­ta vez tu­do da­ria cer­to pa­ra o fi­lho, Deus quei­ra, Deus quei­ra.

“Às ve­zes sin­to um aper­to aqui”, Lui­za le­va­va a mão ao pei­to.

“Pa­ra com is­so, sua bo­ba”, Tu­li­pa apres­sa­va-se a tran­qui­li­zá-la e tam­bém ela pró­pria pou­sa­va a mão so­bre o pei­to de Lui­za.

Tu­li­pa sor­ria e, de fren­te pa­ra a ou­tra, am­bas sen­ta­das so­bre os cal­ca­nha­res na ca­ma, pe­dia-lhe pa­ra não pen­sar em coi­sas que não lhe di­zi­am res­pei­to. “O que pas­sou, pas­sou, não dá pa­ra mu­dar.”

A noi­va, en­tão, pro­cu­ra­va afas­tar-se da­que­le pres­sá­gio qua­se ine­vi­tá­vel de­pois de tu­do o que sou­be­ra.

Fal­ta­va me­nos de um mês e, en­quan­to cres­cia a an­si­e­da­de de Lui­za, Tu­li­pa mer­gu­lha­va na in­ten­si­da­de de seu amor por Pe­dro, re­ve­lan­do à cu­nha­da tu­do que sa­bia a res­pei­to do ir­mão, e mais que is­so: am­pli­a­va ín­ti­mos de­ta­lhes de seu com­por­ta­men­to, des­de quan­do eram cri­an­ças e dor­mi­am jun­tos fei­to na­mo­ra­di­nhos. Ao ou­vi-la, Lui­za não con­se­guia dis­far­çar o ros­to em cha­mas, tres­pas­sa­do ao mes­mo tem­po pe­lo cons­tran­gi­men­to e pe­la ex­ci­ta­ção. As ra­zões es­ta­be­le­ci­das pe­lo ri­gor de sua cri­a­ção fa­mi­li­ar com­ba­ti­am seus ins­tin­tos, ao pas­so que Tu­li­pa agia co­mo se es­ti­ves­se fa­lan­do de su­as au­las no la­bo­ra­tó­rio de far­má­cia, de­pois ria al­to e es­pe­ra­va pa­ra ou­vir a mãe ba­ter à por­ta, que já era tar­de, me­ni­na!

“Coi­sa de cri­an­ças, bo­bi­nha”, Tu­li­pa bei­ja­va o quei­xo de Lui­za, “se bem que às ve­zes eu sen­tia aque­la coi­si­nha cres­cer”, vol­ta­va a gar­ga­lhar en­quan­to via a ver­me­lhi­dão acen­tu­ar-se e avan­çar pe­lo pes­co­ço da ou­tra.

Em seu quar­to, já dei­ta­da, mas sem fe­char os olhos, a mãe lu­ta­va con­tra o im­pla­cá­vel es­pó­lio fa­mi­li­ar do qual não con­se­guia fu­gir. Ou­via no­va­men­te as vo­zes de Jo­a­na e Bár­ba­ra, a rou­qui­dão de Jo­a­na e a es­tri­dên­cia de Bár­ba­ra, su­as ri­sa­das, seus gri­ti­nhos e até su­as tos­ses quan­do ri­am de­mais, ca­da uma a seu de­vi­do tem­po, jun­to com Tu­li­pa. Lui­za pa­re­cia ser bas­tan­te di­fe­ren­te das ou­tras, qua­se não se ou­via sua voz, eram só os ar­rou­bos de Tu­li­pa, de mo­do que a mãe obri­gou-se a pen­sar que tam­bém o des­fe­cho do ve­lho fil­me se­ria ou­tro. Pa­ra tran­qui­li­zar-se, re­cu­pe­rou as ima­gens me­mo­ri­za­das dos fi­lhos des­de pe­que­nos, por­me­no­res de pas­sei­os, o bi­go­di­nho de Pe­dro lam­bu­za­do de sor­ve­te, a mão de Tu­li­pa en­ges­sa­da de­pois de cair da bi­ci­cle­ta, os dois cres­cen­do jun­tos, di­vi­din­do fe­li­ci­da­des, ad­mi­ra­dos e in­ve­ja­dos por se­rem tão com­pa­nhei­ros. No­va­men­te um tan­to per­tur­ba­da, pen­sou na im­por­tân­cia de Tu­li­pa pa­ra Pe­dro nas oca­siões dos acon­te­ci­men­tos. Se não fos­se ela... Vi­rou-se na ca­ma na ten­ta­ti­va de fu­gir de uma lon­gín­qua ideia da qual não se atre­via a apro­xi­mar-se.

Pe­dro ga­nhou uma fol­ga e veio pa­ra ca­sa. An­tes de en­trar sen­tiu os olha­res pe­sa­dos dos vi­zi­nhos. Fin­gia não per­ce­ber, dis­far­ça­va a ten­são per­sis­ten­te que cres­cia aos pou­cos, res­pon­dia aos cum­pri­men­tos com a na­tu­ra­li­da­de que jul­ga­va ser pos­sí­vel, sim, sim, da­qui a du­as se­ma­nas, obri­ga­do, obri­ga­do. Por den­tro, no en­tan­to, uma cor­ren­te opres­so­ra mi­na­va seu âni­mo. Sim, pen­sa­va con­si­go, vo­cês ocul­tam sua ver­da­dei­ra fa­ce atrás de más­ca­ras mal aca­ba­das, mas eu tam­bém vis­to a mi­nha, tal­vez do mes­mo mo­do ine­fi­ci­en­te pa­ra es­te pro­je­to hi­pó­cri­ta, e as­sim va­mos adi­an­te nes­te dra­ma in­fa­lí­vel, ca­da qual pro­cu­ran­do es­con­der do ou­tro a es­sên­cia de seu pro­pó­si­to, no en­tan­to sem po­der es­con­dê-la de si mes­mo. Só a mui­to cus­to con­se­guia ul­tra­pas­sar a con­tra­ri­e­da­de que ine­vi­ta­vel­men­te ins­ta­la­va-se em seu âma­go. “De bra­ça­da em bra­ça­da”, en­si­na­va-lhe o Dou­tor Ca­va­blan­co a ca­da con­sul­ta. “Vo­cê de­ve acei­tar-se pa­ra com­pre­en­der-se e en­tão agir com a ra­zoá­vel pers­pec­ti­va de con­tro­lar a si mes­mo”. Es­for­çou-se pa­ra lem­brar as fór­mu­las as­per­gi­das com se­gu­ran­ça pe­lo te­ra­peu­ta, con­quan­to uma sen­sa­ção des­con­for­tá­vel de cons­tran­gi­men­to in­sis­tis­se em lem­brá-lo da­que­la con­di­ção a di­fi­cul­tar-lhe a de­se­ja­da com­pre­en­são de seus atos, li­mi­tes e fra­que­zas.

Os qua­tro jan­ta­ram jun­tos, de­pois Pe­dro e Lui­za fo­ram ao ci­ne­ma. Tu­li­pa tran­cou-se no quar­to pa­ra en­tre­gar-se às fór­mu­las e ano­ta­ções de su­as ex­pe­ri­ên­ci­as aca­dê­mi­cas. Da sa­la, ven­do te­vê, a mãe ou­via o ti­lin­tar de vi­dri­nhos e me­tais. Seu co­ra­ção aper­ta­do fa­zia-a re­zar en­quan­to as no­ve­las pas­sa­vam por ela co­mo ima­gens dis­for­mes e dis­tan­tes.

“Não aguen­to mais”, dis­se Lui­za quan­do fal­ta­vam dois di­as. “Vo­cê pre­ci­sa me con­tar co­mo foi”.

Es­ta­vam, co­mo sem­pre, sen­ta­das so­bre os cal­ca­nha­res na ca­ma de Tu­li­pa, uma de fren­te pa­ra a ou­tra. Ou­vi­am um rock qual­quer e de vez em quan­do res­pon­di­am a bo­ba­gens pe­lo ce­lu­lar. Lui­za ha­via co­lo­ca­do as du­as mãos so­bre os om­bros da cu­nha­da. Tu­li­pa sor­riu da­que­le mo­do que sem­pre trans­mi­tia se­re­ni­da­de a Lui­za, mas te­ve a cla­ra per­cep­ção que des­ta vez se­ria di­fí­cil con­ven­cê-la a dei­xar de la­do to­dos os fan­tas­mas ha­bi­tu­a­dos a fre­quen­tar a ca­sa, a vi­zi­nhan­ça, o bair­ro to­do.

“Es­tou pen­san­do até em pro­cu­rar aju­da mé­di­ca”, Lui­za dei­xou os bra­ços caí­rem no re­de­moi­nho de sua in­qui­e­ta­ção.

“Não pen­se mais nis­so, sua bo­ba!”, Tu­li­pa se­gu­rou-a pe­las mãos, ela mes­ma ten­tan­do afas­tar-se do ra­lo in­de­se­ja­do que ame­a­ça­va su­gá-las co­mo nas ou­tras ve­zes. “O que acon­te­ceu a elas não tem na­da a ver com vo­cê”, sor­riu com os olhos chei­os de lá­gri­mas.

A mãe foi até o cor­re­dor ou­vir o es­for­ço da fi­lha pa­ra que Lui­za es­que­ces­se tu­do aqui­lo (“Bes­tei­ra, sua bo­ba”), mas as pa­la­vras che­ga­vam-lhe en­tre­cor­ta­das (“Coin­ci­dên­ci­as da vi­da”), pre­ci­sou dar mais dois ou três pas­sos em di­re­ção ao quar­to pa­ra com­pre­en­der tam­bém a ou­tra (“Foi lou­cu­ra?”), e mes­mo as­sim era di­fí­cil de­ci­frar as fra­ses (“Al­go as­sim”), sa­bia do que es­ta­vam fa­lan­do (“Tão per­to do ca­sa­men­to”), ar­re­pi­a­va-se só de pen­sar (“Acon­te­ceu, é pas­sa­do”), e sem que per­ce­bes­se já es­ta­va re­zan­do ou­tra vez (“Te­nho me­do”).

Na noi­te an­te­ri­or à ce­rimô­nia, a mãe fe­chou-se no quar­to, mas con­tra seu de­se­jo os sons des­ta vez pa­re­ci­am bro­tar do te­to nu­ma di­men­são in­su­por­tá­vel, ela po­dia ta­par os ou­vi­dos com as mãos ou com os tra­ves­sei­ros, e mes­mo as­sim ou­via o bre­ve as­som­bro de Lui­za num bra­mi­do rou­co (“Por quê? Por quê?”), o an­gus­ti­an­te e las­ci­vo con­vi­te de Tu­li­pa (“Vem vo­cê tam­bém, que­ri­da”) e a do­lo­ri­da re­so­lu­ção de Pe­dro, cu­ja so­fre­gui­dão bei­ra­va o pran­to, atra­ves­sa­va pa­re­des e in­ter­na­va-se no pei­to pós­tu­mo da mãe, e a mãe lem­brou-se com des­gos­to do or­gu­lho com que di­zia amo­ro­sa­men­te a to­dos que seus fi­lhos não fa­zi­am na­da se­pa­ra­dos. Na­da, na­da...

* Es­te con­to in­te­gra o li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe