Contos

Incidente no 21

terça-feira, 23 de Janeiro de 2018 Texto de

Ha­via se mu­da­do pa­ra a Rua Igua­te­mi pou­cas ho­ras an­tes de le­van­tar-se e ir ao ba­nhei­ro. As­sim que co­me­çou a uri­nar, ou­viu em meio ao si­lên­cio es­cor­re­ga­dio da ma­dru­ga­da idên­ti­co ruí­do no apar­ta­men­to de ci­ma: lí­qui­do es­gui­chan­do con­tra lí­qui­do, de­pois a des­car­ga. Exaus­to, cain­do de so­no, en­xu­gou as mãos na to­a­lha pre­sa ao su­por­te so­bre o la­va­bo en­quan­to pen­sa­va que coin­ci­dên­cia po­de ser si­nal de sor­te. Sor­riu pa­ra si mes­mo, mas te­ve um so­bres­sal­to ao der­ru­bar o su­por­te de me­tal. Na­da de­mais quan­to ao pe­que­no in­ci­den­te, a não ser pe­la ní­ti­da im­pres­são de ter ou­vi­do ba­ru­lho se­me­lhan­te aci­ma de sua ca­be­ça. Es­pe­rou por al­guns se­gun­dos sem mo­ver-se, abriu e fe­chou a tor­nei­ra, der­ru­bou no­va­men­te o su­por­te, des­ta vez pro­po­si­tal­men­te, aper­tou mais uma vez o bo­tão da des­car­ga, mas tu­do que pô­de ou­vir fo­ram os ruí­dos cau­sa­dos por ele mes­mo. De­pois dor­miu.

Três noi­tes mais tar­de, pe­gou-se su­bin­do pe­la es­ca­da por­tá­til em bus­ca de uma câ­me­ra es­con­di­da em al­gum pon­to do te­to, nas jun­ções das pa­re­des, nos su­por­tes das lâm­pa­das, atrás de qua­dros ou da es­tan­te de li­vros. Des­de a ma­dru­ga­da an­te­ri­or, quan­do saí­ra brus­ca­men­te de ci­ma da loi­ri­nha do 69 por­que ou­via os ge­mi­dos do pró­prio êx­ta­se cain­do no am­bi­en­te, ele não con­se­guia mais dor­mir. Nem tre­par pos­so mais, ti­nha se le­van­ta­do e an­da­va em cír­cu­los olhan­do com rai­va pa­ra a ga­ro­ta, que por sua vez olha­va com me­do pa­ra ele. Lem­bra­va-se de­la sain­do na di­re­ção do ba­nhei­ro e de lá, sem des­pe­dir-se, pa­ra fo­ra. Sen­tia-se amar­go, es­ta­va to­ma­do por uma pa­ra­noia, no mí­ni­mo pe­la ideia fi­xa de es­tar sen­do vi­gi­a­do, tal­vez ti­ves­se se trans­for­ma­do em ví­ti­ma de uma brin­ca­dei­ra de mau gos­to ou de uma es­pi­o­na­gem cu­ja pos­sí­vel uti­li­da­de não com­pre­en­dia. Su­as hi­pó­te­ses em­ba­ra­lha­vam-se no ras­tro das su­ces­si­vas coin­ci­dên­ci­as. Os re­fle­xos de seus mo­vi­men­tos pa­re­ci­am re­pro­du­zir-se no apar­ta­men­to de ci­ma, tal­vez um ou dois se­gun­dos de­pois, tal­vez si­mul­ta­ne­a­men­te, ele na ver­da­de não sa­bia mais di­zer.

Sen­tou-se na bei­ra­da da ca­ma e res­pi­rou fun­do, apa­nhou o te­le­fo­ne ce­lu­lar e pen­sou em li­gar no­va­men­te pa­ra a ga­ro­ta do 69. En­tre­tan­to, qua­se sem per­ce­ber, dis­cou pa­ra a mãe. Ela aten­deu as­sus­ta­da. Só en­tão ele viu a ho­ra adi­an­ta­da, pe­diu des­cul­pas, não é na­da, eu só que­ria dar um alô. A mãe dis­se-lhe de mo­do di­ver­ti­do que um alô des­ses po­de­ria cus­tar um be­lo ata­que do co­ra­ção. Ele es­for­çou-se pa­ra rir. Apro­vei­tan­do, ela per­gun­tou-lhe das do­res de ca­be­ça, se ha­via vol­ta­do ao Dou­tor Ca­va­blan­co, mas ele pe­diu um mi­nu­to, ma­mãe. Olhou pa­ra o te­to com um ar­re­pi­o­zi­nho na nu­ca, fi­cou em pé, pu­xou a es­ca­da pa­ra per­to, cer­ta­men­te não es­ta­va en­ga­na­do. As­sim co­mo os ge­mi­dos da ou­tra noi­te, des­ta vez ou­vi­ra a re­pe­ti­ção de seu sor­ri­so, che­gou a sen­tir aque­la sen­sa­ção es­tra­nha de quan­do nos­sa pró­pria voz re­ver­be­ra nu­ma gra­va­ção, mas ago­ra ou­via ape­nas o alô, fi­lho, alô, vo­cê es­tá aí, o que acon­te­ceu...

De ma­nhã, ao sair pa­ra o tra­ba­lho, pro­cu­rou in­for­mar-se com o por­tei­ro so­bre o 31, mas o ve­lho pa­re­ceu-lhe in­dis­pos­to e de pou­ca con­ver­sa, di­ri­gin­do-se a ele com sem­blan­te des­con­fi­a­do ou co­mo se, ape­sar de um es­for­ço des­co­mu­nal, não pu­des­se com­pre­en­der qual­quer uma das per­gun­tas for­mu­la­das. No en­tan­to, as­sus­tou-se ao sa­ber que o su­jei­to do 31 ti­nha aca­ba­do de che­gar, fa­zia três ou qua­tro di­as. No tra­ba­lho, pas­sou o tem­po to­do com a ideia da es­pi­o­na­gem cres­cen­do e pres­si­o­nan­do-lhe os mi­o­los. Pen­sou em li­gar pa­ra o Dou­tor Ca­va­blan­co e pe­dir-lhe ao me­nos uns com­pri­mi­dos que pu­des­sem sos­se­gá-lo, pre­ci­sa­va dor­mir bem por al­gu­mas ho­ras. Mais tar­de, en­tre­tan­to, de­sis­tiu. Sen­tia-se ator­do­a­do pe­la sen­sa­ção des­con­for­tá­vel de es­tar su­pe­res­ti­man­do uma bo­ba­gem de sua ca­be­ça, em­bo­ra con­ti­nu­as­se a re­me­mo­rar os ruí­dos em sequên­cia e sua pró­pria ri­sa­da pai­ran­do du­pla­men­te so­bre o quar­to.

À noi­te, quan­do o si­lên­cio so­brepôs-se a tu­do, ten­tou aus­cul­tar o am­bi­en­te, mais uma vez su­biu na es­ca­di­nha, se pu­des­se co­la­ria o ou­vi­do ao te­to. Dei­tou-se na ca­ma pen­sa­ti­vo e an­gus­ti­a­do, en­tre­gan­do-se a pla­nos ri­dí­cu­los pa­ra ten­tar sur­pre­en­der o ad­ver­sá­rio in­vi­sí­vel. Pri­mei­ro as­so­bi­ou pa­ra as pa­re­des, de­pois ar­ro­tou al­to e es­pe­rou. Sol­tou um rui­do­so pei­do e do mes­mo mo­do aguar­dou em vão a so­no­ri­da­de dos ecos que o en­lou­que­ci­am. Es­ta­va can­sa­do de­mais e pe­gou no so­no em se­gui­da. Te­ve pe­sa­de­los hor­rí­veis. Su­bia os de­graus da es­ca­da por­tá­til com di­fi­cul­da­de, as per­nas pe­sa­vam to­ne­la­das, era pre­ci­so er­guê-las com as pró­pri­as mãos até che­gar ao to­po, en­tão o te­to co­me­ça­va a ce­der so­bre sua ca­be­ça. Des­per­tou fei­to uma tou­pei­ra, es­for­çan­do-se pa­ra en­fi­ar a ca­be­ça no tra­ves­sei­ro.

Le­van­tou-se pa­ra tra­ba­lhar já com o ruí­do dos ôni­bus e dos veí­cu­los lo­go abai­xo de sua ja­ne­la. As con­ver­sas na cal­ça­da am­pli­a­vam-se àque­le ir­ri­tan­te ala­ri­do das ma­nhãs da me­tró­po­le. Dor­mi­ra mal e es­ta­va de mau hu­mor, mas ao mes­mo tem­po pen­sa­va na van­ta­gem de ter se li­vra­do da pa­ra­noia por uma ma­dru­ga­da in­tei­ra. Fa­zia a bar­ba quan­do o apa­re­lho es­cor­re­gou-lhe da mão, res­va­lou na pia e des­mon­tou-se no chão, cri­an­do su­ces­si­vos re­fle­xos so­no­ros que pa­re­ci­am, no­va­men­te, cair do te­to. E as­sim não pô­de mais su­por­tar.

To­ma­do por um aces­so de fú­ria, ati­rou-se às es­ca­das, su­biu os de­graus de dois em dois e quan­do deu por si pre­pa­ra­va-se pa­ra so­car a por­ta em cu­jo cen­tro um olho má­gi­co pa­re­cia fi­tá-lo com in­di­fe­ren­ça. Por um ins­tan­te sen­tiu-se zon­zo, as têm­po­ras la­te­ja­vam, as per­nas bam­be­a­vam. Res­pi­rou fun­do, apoi­ou-se aos ba­ten­tes da por­ta e cha­co­a­lhou a ca­be­ça co­mo se com o sim­ples mo­vi­men­to pu­des­se re­to­mar o sen­ti­do das coi­sas. Ten­tou en­sai­ar men­tal­men­te um diá­lo­go co­e­ren­te com o vi­zi­nho. De­sis­tiu de cha­mar. Ape­sar de tu­do, não de­se­ja­va ser to­ma­do por lou­co. Ti­nha ao me­nos a cons­ci­ên­cia dos ab­sur­dos acon­te­ci­men­tos dos úl­ti­mos di­as. Quem, afi­nal de con­tas, po­dia dar al­gum cré­di­to a ele?

Des­con­cer­ta­do, des­ceu len­ta­men­te um a um os de­graus, ou­via um zum­bi­do pe­ne­trar-lhe os tím­pa­nos e ro­do­pi­ar lá den­tro co­mo um re­de­moi­nho si­nis­tro, era co­mo se a ca­be­ça ti­ves­se se trans­for­ma­do em ca­sa de abe­lhas. Abe­lhas agres­si­vas. Apoi­ou-se na pa­re­de pa­ra en­trar em seu apar­ta­men­to. Sen­tiu-se es­tú­pi­do ao che­car o nú­me­ro. Res­pi­ran­do mal e mal, ou­viu que al­guém des­cia as es­ca­das. Apres­sou-se a tran­car-se por den­tro fei­to um fu­gi­ti­vo. Es­ta­va com a to­a­lha amar­ra­da à cin­tu­ra, sem ca­mi­sa. Dois gros­sos fi­os de su­or des­ci­am-lhe até o quei­xo e de­pois pin­ga­vam no pei­to. Es­pe­rou al­guns se­gun­dos en­cos­ta­do à por­ta com os olhos fe­cha­dos. De­pois vi­rou-se de­va­gar pa­ra ver lá fo­ra pe­lo olho má­gi­co. Exa­ta­men­te aí al­guém se pre­pa­ra­va pa­ra ba­ter, mas ele já não sa­bia quem es­ta­va den­tro e quem es­ta­va fo­ra.

* Con­to in­te­gran­te do li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, que faz par­te do mes­mo li­vro, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Mãos à obra”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe