Contos

Mãos à obra

quarta-feira, 31 de Janeiro de 2018 Texto de
Detalhe de "Vênus e as Três Graças", de Botticelli

De­ta­lhe de “Vê­nus e as Três Gra­ças”, de Bot­ti­cel­li

O tes­ta­men­tei­ro sen­tou di­an­te das mu­lhe­res, olhou pa­ra elas com cu­ri­o­si­da­de e dis­se la­men­tar mui­to, o Má­xi­mo era um ex­ce­len­te ra­paz, mas sa­be­mos co­mo é a vi­da etc. etc. Tia Ma­ria An­to­nia e Tia An­to­nia Ma­ria es­ta­vam no es­cri­tó­rio de­le, num des­ses pré­di­os im­po­nen­tes da Fa­ria Li­ma, sen­ta­das em ca­dei­ras de en­cos­to al­to, de mo­do que, com as cos­tas bem apoi­a­das, não so­fre­ri­am com as do­res em su­as res­pec­ti­vas co­lu­nas, uma en­cren­ca ra­zoá­vel que as per­se­guia des­de a ado­les­cên­cia, quan­do fo­ram ve­ta­das pa­ra a equi­pe de vô­lei do gi­ná­sio, o que era uma pe­na, dis­se­ra o pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca, pois com es­sa es­ta­tu­ra vo­cês se­ri­am ex­ce­len­tes jo­ga­do­ras. Tan­tos anos de­pois, su­pe­ra­dos os trau­mas es­por­ti­vos e psi­co­ló­gi­cos (es­tes nem tan­to), e con­for­tá­veis fi­si­ca­men­te, res­ta­va-lhes a dor na al­ma.

Ha­vi­am cui­da­do de Má­xi­mo des­de que ele era “Mí­ni­mo”, co­mo cos­tu­ma­vam brin­car já em sua fa­se adul­ta. De­pois do aci­den­te com os pais, as res­pon­sa­bi­li­da­des de criá-lo e edu­cá-lo re­caí­ram so­bre a úni­ca par­te vi­va que so­bra­ra da pe­que­na fa­mí­lia. Fi­ze­ram de tu­do por ele, des­de dar ba­nho até le­vá-lo pa­ra a pro­va do ves­ti­bu­lar. Foi tam­bém a elas que ele pres­tou quei­xa da­que­la pe­le­zi­nha incô­mo­da na pon­ta do pi­pi, e fo­ram tam­bém elas que fi­ze­ram os cu­ra­ti­vos de­pois do pro­ce­di­men­to pa­ra tra­tar a fi­mo­se. Mãos à obra, mi­nha fi­lha, mãos à obra, mi­nha fi­lha, di­zi­am en­tre si e, sem­pre ani­ma­das, iam cum­prin­do as ta­re­fas re­fe­ren­tes ao pim­po­lho. Má­xi­mo pa­re­cia não se im­por­tar com os ex­ces­sos das ti­as e tam­pou­co com o bullying im­pos­to por co­le­gas que em cer­tos pe­río­dos da in­fân­cia gri­ta­vam-lhe “lá vai o mi­ma­di­nho”.

Em meio a uma aus­te­ri­da­de às ve­zes in­ter­rom­pi­da pe­lo es­pí­ri­to sardô­ni­co de­sen­vol­vi­do por anos de cer­to iso­la­men­to so­ci­al, não en­con­tra­vam di­fi­cul­da­des pa­ra re­cu­pe­rar o hu­mor do ga­ro­to nas ra­ras oca­siões de aba­ti­men­to. Por sua pró­pria ex­pe­ri­ên­cia, elas co­nhe­ci­am o la­do sá­di­co de vi­zi­nhos e co­nhe­ci­dos. Com­por­ta­men­tos con­si­de­ra­dos dis­tin­tos em re­la­ção ao sen­so co­mum pa­re­ci­am in­co­mo­dar inex­pli­ca­vel­men­te pes­so­as com as quais não man­ti­nham qual­quer ti­po de re­la­ção. Sol­tei­ras, as gê­me­as so­fri­am – e en­fren­ta­vam de ca­be­ça er­gui­da – pre­con­cei­to du­plo. Mãos à obra, mi­nha fi­lha, mãos à obra, mi­nha fi­lha, e se­gui­am adi­an­te, a ca­da dia mais alhei­as às con­ven­ções, e des­pre­o­cu­pa­das com as co­bran­ças so­ci­ais e com­por­ta­men­tais.

A cer­ta al­tu­ra, já to­tal­men­te in­to­le­ran­tes a re­gras e im­po­si­ções, pas­sa­ram a di­ver­tir-se com a pró­pria se­me­lhan­ça fí­si­ca. Idên­ti­cas em tu­do, de­ci­di­ram lu­di­bri­ar a to­dos. Iam sa­bo­re­ar uma ín­ti­ma e de­li­ci­o­sa vin­gan­ça. Nos che­ques ban­cá­ri­os ou pa­ra ti­rar ou re­no­var do­cu­men­tos, uma as­si­na­va pe­la ou­tra. Em­ba­ra­lha­vam fo­tos que de­pois nem mes­mo elas ti­nham cer­te­za da re­al iden­ti­da­de. Fa­zi­am-se pas­sar por uma só pa­ra as­sus­tar en­tre­ga­do­res que ba­ti­am à por­ta e vi­am a mes­ma pes­soa no in­te­ri­or do apar­ta­men­to e um mi­nu­to de­pois, den­tro do ele­va­dor. Du­ran­te as con­sul­tas com o Dou­tor Ca­va­blan­co, Tia Ma­ria An­to­nia fa­zia-se pas­sar pe­la ir­mã, e vi­ce-ver­sa, sem que o mé­di­co, pa­re­cen­do sem­pre pre­o­cu­pa­do com ou­tros te­mas, pu­des­se des­mas­ca­rá-las ou, tam­bém ad­mi­ti­am, ha­via a hi­pó­te­se de que con­si­de­ras­se ina­de­qua­do atra­pa­lhá-las em sua di­ver­são caó­ti­ca e ele mes­mo em­bar­cas­se nu­ma aven­tu­ra cu­jas con­sequên­ci­as não lhes pa­re­ci­am ul­tra­pas­sar a fron­tei­ra de uma ino­cen­te tra­ma des­ti­na­da a pro­pó­si­tos ab­so­lu­ta­men­te par­ti­cu­la­res. Até mes­mo o por­tei­ro do edi­fí­cio con­fun­dia-se de­pois de tan­tos anos. Só com Má­xi­mo não da­va cer­to, pois des­de me­ni­no não le­va­va mais do que um se­gun­do pa­ra di­zer-lhes os no­mes sem que pre­ci­sas­se ser cor­ri­gi­do. E, cla­ro, ja­mais con­se­gui­ram em­pla­car a far­sa com Je­re­mi­as e Ni­ki­ta, o ca­sal de ga­tos, am­bos en­tão já em­pa­lha­dos de­pois de lon­gos e lon­gos anos abu­san­do do pe­que­no sor­ti­lé­gio de iden­ti­fi­cá-las quan­do ne­ces­sá­rio.

En­ve­lhe­ci­das, a gra­ti­dão do so­bri­nho trans­for­mou-se em es­for­ço in­con­di­ci­o­nal pa­ra as­sis­ti-las do me­lhor mo­do pos­sí­vel. Era Má­xi­mo quem as le­va­va ao mé­di­co pe­ri­o­di­ca­men­te. Era ele tam­bém quem as con­vi­da­va pa­ra jan­tar em bons res­tau­ran­tes uma vez por se­ma­na. Nes­ses en­con­tros, sem­pre re­ga­dos a um bom vi­nho­zi­nho, o fra­co das ti­as, as con­ver­sas po­di­am ser ti­das co­mo gra­va­ções. As fra­ses, as en­to­na­ções, as ex­cla­ma­ções e as in­ter­ro­ga­ções re­pe­ti­am-se du­ran­te o tem­po to­do. Tia Ma­ria An­to­nia e Tia An­to­nia Ma­ria con­ta­vam-lhe, e prin­ci­pal­men­te a elas mes­mas, so­bre a in­fân­cia do so­bri­nho, re­me­mo­ra­vam os epi­só­di­os mais en­gra­ça­dos e cu­ri­o­sos e cu­tu­ca­vam-se, ru­bo­ri­za­das, quan­do se re­fe­ri­am “àque­la do­en­ci­nha”. Tam­bém que­ri­am sa­ber das no­vi­da­des no tra­ba­lho, da te­se de dou­to­ra­do, da vi­a­gem no fim de se­ma­na, da­que­le ami­go que vo­cê ia nos apre­sen­tar.

Má­xi­mo te­le­fo­nou e dis­se que não po­de­ria jan­tar com elas, mas as vi­si­ta­ria na sex­ta à noi­te, após o tra­ba­lho. Mãos à obra, mi­nha fi­lha, mãos à obra, mi­nha fi­lha, e pu­se­ram-se a pre­pa­rar o lan­che pa­ra re­ce­ber o so­bri­nho. Pen­sa­ram se des­sa vez co­nhe­ce­ri­am o ami­go que ti­nham vis­to no por­ta-re­tra­tos no­vo na es­tan­te do apar­ta­men­to de­le. Ou, quem sa­be, tra­ria uma na­mo­ra­da, mas am­bas ri­ram da pi­a­da, e de­pois de­sen­ten­de­ram-se e xin­ga­ram-se, acu­san­do-se mu­tu­a­men­te pe­la fal­ta de res­pei­to. Tia Ma­ria An­to­nia di­zia que Tia An­to­nia Ma­ria co­me­ça­ra a brin­ca­dei­ra sem gra­ça, e vi­ce-ver­sa. Am­bas, ca­da qual com um dos bi­cha­nos em­pa­lha­dos, de­ram-se as cos­tas pa­ra ti­rá-los de ce­na, pois Má­xi­mo não su­por­ta­va vê-los fei­to brin­que­dos na vi­tri­ne. Nos mí­ni­mos de­ta­lhes, con­ti­nu­a­vam fa­zen­do tu­do pa­ra agra­dá-lo.

Des­de que lhes con­tou so­bre a do­en­ça na­que­la noi­te, fo­ram ape­nas seis me­ses. Ago­ra es­ta­vam ali, di­an­te do tes­ta­men­tei­ro, cum­prin­do a úl­ti­ma von­ta­de de Má­xi­mo. Sen­ti­am-se va­zi­as e dis­tan­tes, aos pou­cos a vi­da per­dia o sen­ti­do. O tes­ta­men­tei­ro lim­pou a gar­gan­ta e, de­pois de ler as pou­cas li­nhas do do­cu­men­to, pe­diu pa­ra que Do­na An­to­nia Ma­ria as­si­nas­se pri­mei­ro. Hou­ve um mo­men­to de he­si­ta­ção, elas en­tre­o­lha­ram-se, de­pois vol­ta­ram-se ao ho­mem, che­ga­ram a per­ce­ber seus lá­bi­os aper­ta­dos num meio sor­ri­so amar­go. “Do­na An­to­nia Ma­ria, por fa­vor”, re­pe­tiu o tes­ta­men­tei­ro, man­ten­do a ca­ne­ta sus­pen­sa no es­pa­ço cor­res­pon­den­te à di­vi­sa ima­gi­ná­ria en­tre as mu­lhe­res, evi­tan­do a ga­fe de equi­vo­car-se so­bre a iden­ti­da­de de uma e de ou­tra. No­va­men­te, avis­ta­ram-se de ra­bo de olho, am­bas já des­con­for­tá­veis em su­as ca­dei­ras, mas ne­nhu­ma ar­ris­cou adi­an­tar-se à me­sa. Por fim, im­pa­ci­en­tes e des­con­cer­ta­das, Tia Ma­ria An­to­nia e Tia An­to­nia Ma­ria en­ca­ra­ram-se com ex­pres­sões acu­sa­tó­ri­as e, apon­tan­do pa­ra a ca­ne­ta, sus­sur­ra­ram em unís­so­no: Mãos à obra, mi­nha fi­lha! Ca­da uma pen­sa­va com rai­va e de­sâ­ni­mo que a ou­tra não sa­bia mais quem era quem. Um se­gun­do de­pois, as du­as pu­se­ram-se em pé ao mes­mo tem­po, con­fes­san­do in­ti­ma­men­te que, na ver­da­de, nun­ca sou­be­ram.

* Con­to in­te­gran­te do li­vro “O cri­a­dor de tu­do” (não pu­bli­ca­do)
* Pa­ra ler “In­ci­den­te no 21”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ca­che­col”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Ín­dia”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Apa­ri­ção no Rio Pi­nhei­ros”, cli­que aqui
* Pa­ra ler “Núp­ci­as”, cli­que aqui

Palavras-chave

Compartilhe