Impressões

Estação

quarta-feira, 7 de abril de 2010 Texto de

Eu te­nho uma for­te que­da pe­lo ou­to­no. Acho até que é mi­nha es­ta­ção pre­di­le­ta. Seu char­me vi­su­al é fla­gran­te. To­da se­ma­na vi­a­jo de car­ro cen­te­nas de quilô­me­tros a tra­ba­lho. E na­da mais agra­dá­vel na es­tra­da do que ob­ser­var a na­tu­re­za num es­ta­do ame­no. No ve­rão, o sol che­ga a ce­gar. No in­ver­no, é uma tre­men­da ju­di­a­ção olhar pa­ra as pas­ta­gens e plan­ta­ções res­se­qui­das. A pri­ma­ve­ra é, pra mim, ex­ces­si­va­men­te sub­mis­sa ao ve­rão, ao qual eu não sou mui­to che­ga­do. Já o ou­to­no é de um equi­lí­brio gran­di­o­so.

É mag­ní­fi­co olhar o ca­pim se dei­tan­do ao ven­to e to­dos os ver­des re­fle­ti­rem por um mo­men­to o bri­lho do sol co­a­do pe­las nu­vens tin­gi­das de cin­za es­cu­ro. A im­pres­são é de uma or­ques­tra sob a ba­tu­ta de um ser in­vi­sí­vel, re­al ou ima­gi­ná­rio, que cha­ma­mos Deus. As gran­des e in­si­nu­an­tes som­bras de­se­nha­das na pai­sa­gem e pe­ne­tra­das pe­los ca­va­los que ga­lo­pam li­vre­men­te são su­as mu­das pa­la­vras.

Dra­ma

So­bre as tra­gé­di­as pro­vo­ca­das pe­las chu­vas em San­ta Ca­ta­ri­na em 2008, es­cre­vi na épo­ca aqui no si­te o se­guin­te:

“... Sem dar vol­tas, é is­to: a blas­fê­mia am­bi­en­tal do ho­mem cus­pi­da de vol­ta pe­la na­tu­re­za. Não ve­jo co­mo res­pei­tar su­jei­tos que se tra­ves­tem de po­der pú­bli­co e, ao lon­go do tem­po, das dé­ca­das ou dos sé­cu­los, agem com ta­ma­nha ir­res­pon­sa­bi­li­da­de. Ou al­guém vai acei­tar os far­ra­pos de des­cul­pas emol­du­ra­das em ares de sur­pre­sa? Sim, se­nho­res. E se­nho­ras. Eis aí o si­nal ver­me­lho. On­de es­tão as fi­gu­ras que, no po­der, dei­xa­ram de pla­ne­jar nos­sas áre­as ur­ba­nas e as ocu­pa­ções ru­rais? Eu os acu­so. Eu os con­de­no. Mas sei que eles não se con­si­de­ram acu­sa­dos nem con­de­na­dos e es­tão ocu­pa­dos lu­di­bri­an­do lá­gri­mas sin­ce­ras que ja­mais se­rão ca­pa­zes de la­var a má­cu­la do Ita­jaí.”

Por fa­vor, tro­quem ape­nas “Ita­jaí” por “Rio”.

Nem tu­do es­tá per­di­do 1

O blog do Iná­cio Araú­jo deu a se­guin­te no­ta:

“Lei­tu­ras
Ah, pa­ra com­ple­tar: ve­jo na TV uma his­tó­ria in­te­res­san­te. Uma ga­ro­ta vai à no­va bi­bli­o­te­ca de SP (on­de an­tes era o Ca­ran­di­ru), ti­ra es­se li­vro de vam­pi­ros que es­tá na mo­da. Vol­ta uma se­ma­na de­pois e ti­ra “O Mor­ro dos Ven­tos Ui­van­tes”, que é men­ci­o­na­do no li­vro.”

“O Mor­ro dos Ven­tos Ui­van­tes”, de Emily Brontë, é sem dú­vi­da um dos gran­des ro­man­ces de to­dos os tem­pos. As ir­mãs Brontë, pa­ra quem não sa­be, têm uma his­tó­ria fa­bu­lo­sa na li­te­ra­tu­ra in­gle­sa. Emily nas­ceu em 1818, na In­gla­ter­ra. Ela é fi­lha de um re­ve­ren­do e per­deu a mãe ain­da mui­to cri­an­ça, com me­nos de 3 anos de ida­de. Sua ir­mã Char­lot­te pu­bli­cou em 1847 seu fa­mo­so ro­man­ce: “Ja­ne Ey­re”. No mes­mo ano, saiu “O Mor­ro...”. A ou­tra ir­mã, An­ne, tam­bém te­ve gran­de su­ces­so com o li­vro “Ag­nes Grey”. Fa­mí­lia ge­ni­al! Mas não imu­ne à tra­gé­dia: Emily mor­reu de tu­ber­cu­lo­se pou­co tem­po de­pois da pu­bli­ca­ção de seu ro­man­ce so­bre a pai­xão de Cathe­ri­ne e seu ir­mão ado­ti­vo, o ci­ga­no He­ath­cliff.

Eu acho ex­tra­or­di­ná­ri­os o am­bi­en­te som­brio e a au­ra mis­te­ri­o­sa que abas­te­cem o li­vro. Es­ses as­pec­tos so­ma­dos aos em­ba­tes de ins­tin­tos re­pri­mi­dos e per­so­na­li­da­des for­tes dos per­so­na­gens são fun­da­men­tais pa­ra trans­for­mar “O Mor­ro...” nu­ma obra-pri­ma.

Mi­nha co­ta­ção: vis­ce­ral.

No ci­ne­ma, Lau­ren­ce Oli­vi­er foi o pri­mei­ro a in­ter­pre­tar He­ath­cliff, no fil­me de 1939. Aliás, es­sa ver­são, di­ri­gi­da por Wil­li­am Wy­ler (o mes­mo de “Ben-Hur”), foi in­di­ca­da ao Os­car em oi­to ca­te­go­ri­as, mas le­vou ape­nas uma es­ta­tu­e­ta: me­lhor fo­to­gra­fia pre­to e bran­co. O azar foi ter co­mo con­cor­ren­te “E o ven­to le­vou” (13 in­di­ca­ções e oi­to prê­mi­os). Em 1992, em no­va ver­são, es­ta di­ri­gi­da por Pe­ter Kos­minsky, Ralph Fi­en­nes é o pro­ta­go­nis­ta ao la­do de Ju­li­et­te Bi­no­che, mas os crí­ti­cos a con­si­de­ram, com ra­zão, ape­nas uma som­bra da pri­mei­ra..

E uma no­va adap­ta­ção já es­tá em an­da­men­to (não sei se já co­me­ça­ram a ro­dar). Não tem er­ro: quan­do a his­tó­ria é boa, é pra sem­pre.

Nem tu­do es­tá per­di­do 2

Às ve­zes, vo­cê en­con­tra lei­to­res de li­vros on­de me­nos se es­pe­ra. Nu­ma noi­te des­sas, num ter­mi­nal ro­do­viá­rio, ao va­li­dar meu car­tão de es­ta­ci­o­na­men­to, de­pa­rei-me com a ga­ro­ta res­pon­sá­vel pe­lo ser­vi­ço len­do “Olhai os lí­ri­os do cam­po”. O ro­man­ce, do ex­cep­ci­o­nal Eri­co Ve­ris­si­mo, che­gou ao pú­bli­co em 1938.

Em 1966, em uma das mui­tas edi­ções, o pró­prio au­tor es­cre­ve o se­guin­te no pre­fá­cio:

“Com a pu­bli­ca­ção de Olhai os Lí­ri­os do Cam­po ope­rou-se uma mu­dan­ça con­si­de­rá­vel em mi­nha vi­da. O ro­man­ce ob­te­ve tão gran­de su­ces­so de li­vra­ria, que se es­go­ta­ram de­le vá­ri­as edi­ções em pou­cos me­ses, dei­xan­do edi­to­res e es­cri­tor igual­men­te sa­tis­fei­tos e per­ple­xos. Ta­ma­nha foi a in­fluên­cia des­se li­vro no es­pí­ri­to de cer­tos lei­to­res, que ele te­ve a for­ça de ar­ras­tar con­si­go os ro­man­ces que o au­tor pu­bli­ca­ra até en­tão em ti­ra­gens mo­des­tas que le­va­vam qua­se dois anos pa­ra se es­go­ta­rem. Pos­so afir­mar que só de­pois do apa­re­ci­men­to de Olhai os Lí­ri­os do Cam­po é que pu­de fa­zer pro­fis­são da li­te­ra­tu­ra.”

O ro­man­ce se pas­sa em du­as fa­ses e nar­ra o dra­ma do mé­di­co Eu­gê­nio. De fa­mí­lia po­bre, ele se ca­sa ape­nas pa­ra ob­ter sua as­cen­são so­ci­al. Mas sua vi­da tor­na-se va­zia: não ama a mu­lher e tem um em­pre­go de fa­cha­da na em­pre­sa do so­gro. No iní­cio da tra­ma, Eu­gê­nio se­gue pa­ra o hos­pi­tal on­de a mu­lher que ele ama (Olí­via) es­tá in­ter­na­da. É a par­tir de flash­backs que ele co­me­ça a re­ve­lar seu pas­sa­do. Am­bi­ci­o­so e fú­til na ju­ven­tu­de, o pro­ta­go­nis­ta vi­ve­rá uma ex­pe­ri­ên­cia trans­for­ma­do­ra.

A obra foi adap­ta­da pa­ra a te­le­vi­são. No­ve­la com o mes­mo tí­tu­lo foi ao ar pe­la Glo­bo em 1980. Cláu­dio Mar­zo foi Eu­gê­nio e Ní­vea Ma­ria, Olí­via.

Mu­lhe­res lei­to­ras

Não te­nho em mãos pes­qui­sa so­bre o as­sun­to, mas me pa­re­ce que as mu­lhe­res são lei­to­ras mais as­sí­du­as de fic­ção do que os ho­mens. Tal­vez es­se se­ja um dos mo­ti­vos que as fa­zem ser me­lho­res do que nós, ho­mens, bru­tos ani­mais ru­des. Co­mo diz meu ami­go Luiz Car­los Car­va­lho, “nós, ho­mens, so­mos sel­va­gens”. E é ver­da­de.

Compartilhe