Impressões

Polêmica

quinta-feira, 8 de abril de 2010 Texto de

A no­ve­lis­ta Gló­ria Pe­rez es­tá cau­san­do a mai­or po­lê­mi­ca por­que ho­je (acho que às 18h – no SBT, é di­fí­cil an­te­ci­par ho­rá­rio) o Ra­ti­nho de­ve apre­sen­tar uma en­tre­vis­ta com o ex-ator e ho­je pas­tor evan­gé­li­co Gui­lher­me de Pá­dua, con­de­na­do pe­la mor­te da atriz Da­ni­el­la Pe­rez (fi­lha de Gló­ria) em 1992. Con­de­na­do a 19 anos de pri­são. Mas saiu bem an­tes do pra­zo, co­mo acon­te­ce com qua­se to­do mun­do que é con­de­na­do no Bra­sil.

Com­pre­en­dam bem: não es­tou aqui in­si­nu­an­do que nes­te ca­so es­pe­cí­fi­co o con­de­na­do de­ve­ria ter fi­ca­do mais tem­po na pri­são. O que es­tou di­zen­do, ago­ra cla­ra­men­te, é que: acho um ab­sur­do que as leis bra­si­lei­ras se­jam tão frou­xas e per­mi­tam aos con­de­na­dos tan­tas pos­si­bi­li­da­des de re­du­zi­rem sua pe­na ini­ci­al.
Se o su­jei­to é con­de­na­do a um ano, pon­to fi­nal. Cum­pra um ano. Is­so, cla­ro, se não hou­ver ou­tro jul­ga­men­to, se não des­co­bri­rem al­gum er­ro no pro­ces­so etc e tal. To­do mun­do sa­be que em mui­tos ca­sos, ver­da­des ou ate­nu­an­tes sur­gem de­pois da con­de­na­ção. Mas sim­ples­men­te ame­ni­zar a pe­na por cau­sa das bre­chas da lei eu não con­cor­do.

A lei de­ve­ria ser mais ri­go­ro­sa. Foi con­de­na­do a vin­te anos: cum­pra vin­te anos. Gui­lher­me de Pá­dua, por exem­plo, foi con­de­na­do a 19 anos, mas se não me en­ga­no es­tá em li­ber­da­de des­de 2002, ou se­ja, qua­se uma dé­ca­da a me­nos do to­tal im­pos­to pe­lo tri­bu­nal. Aliás, quan­do o con­de­na­do cum­pre um ter­ço (!) da pe­na, já co­me­çam os be­ne­fí­ci­os. Co­mo diz meu ami­go De­da Be­net­te, é uma far­ra.

Mas vol­tan­do à po­lê­mi­ca, eis aí uma boa dis­cus­são pa­ra jor­na­lis­tas e es­tu­dan­tes de jor­na­lis­mo: o es­pa­ço aber­to pe­los veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção a cri­mi­no­sos, em­bo­ra nes­se ca­so, pe­la lei bra­si­lei­ra, Gui­lher­me de Pá­dua já te­nha acer­ta­do su­as con­tas com a Jus­ti­ça. É pre­ci­so que tam­bém se­ja­mos jus­tos com o ci­da­dão. O ca­ra é con­de­na­do, cum­pre a pe­na (com ba­se na lei frou­xa do Bra­sil) e vol­ta à vi­da so­ci­al: é pre­ci­so res­pei­tá-lo. Ele não tem cul­pa se a lei é uma far­ra.

De to­do mo­do, a dis­cus­são, co­mo se ob­ser­va, dá mui­to pa­no pra man­ga, co­mo diz mi­nha mãe, 79 anos, ru­mo a oi­to dé­ca­das de ge­ne­ro­si­da­de e pa­ci­ên­cia com os fi­lhos.

A po­lê­mi­ca

Bem, no fi­nal das con­tas, não tra­du­zi em miú­dos a po­lê­mi­ca lan­ça­da pe­la Gló­ria Pe­rez. Ela cri­ti­cou no twit­ter a ini­ci­a­ti­va do Ra­ti­nho ao dar es­pa­ço a Gui­lher­me de Pá­dua. Ra­ti­nho se de­fen­deu. Ele dis­se mais ou me­nos que pro­cu­ra co­la­bo­rar pa­ra que cri­mes he­di­on­dos não se­jam es­que­ci­dos pe­las no­vas ge­ra­ções. Mas a Gló­ria não se con­for­mou e se di­ri­giu as­sim ao Ra­ti­nho (tu­do no twit­ter): “Que de­cep­ção! Eu aper­tei sua mão nos tem­pos em que vo­cê se in­dig­na­va com as­sas­si­na­tos co­var­des!”

Es­tá aí a con­tro­vér­sia. Cla­ro que há nes­sa dis­cus­são in­gre­di­en­tes que vão mui­to além da ob­je­ti­vi­da­de à qual o jor­na­lis­mo pro­cu­ra ape­gar-se. Gló­ria é mãe da atriz que foi as­sas­si­na­da. Gui­lher­me é o con­de­na­do pe­lo as­sas­si­na­to. Não se po­de exi­gir de uma mãe a isen­ção ne­ces­sá­ria pa­ra que es­se ti­po de si­tu­a­ção pos­sa ser ana­li­sa­do de mo­do frio e isen­to. Is­so ca­be aos que es­tão de fo­ra. Por is­so, eu dis­se no tex­to aci­ma que es­tá aí uma boa chan­ce pa­ra que se dis­cu­ta o es­pa­ço da­do a cri­mi­no­sos, con­de­na­dos, tra­fi­can­tes, as­sas­si­nos con­fes­sos etc etc nos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção.

Ago­ra a Man­che­te

A re­vis­ta Man­che­te foi uma das pri­mei­ras que vi e ma­nu­se­ei. Eu ain­da mo­ra­va no sí­tio, qua­se às por­tas dos anos 1970, e mi­nhas ti­as tra­zi­am da ci­da­de a Man­che­te e tam­bém O Cru­zei­ro, es­ta ain­da mais an­ti­ga. A Man­che­te sur­giu na dé­ca­da de 1950. O Cru­zei­ro, em 1928. A Man­che­te pa­rou de cir­cu­lar no ano 2000. O Cru­zei­ro, se não me en­ga­no, em 1975, 1976, por aí. Eu me lem­bro do chei­ro de tin­ta ao fo­lheá-las. Das fo­tos (eu não sa­bia ler – de­via ter uns 5 ou 6 anos) e das co­res. E fi­ca­va ima­gi­nan­do que mun­do era aque­le além da por­tei­ra de se­te ou oi­to tá­bu­as atra­ves­sa­das que se­pa­ra­vam o sí­tio e a es­tra­da de ter­ra que de vez em quan­do nos le­va­va à ci­da­de.

Sem se­gre­do

O jor­na­lis­ta Thi­a­go Ro­que, que co­la­bo­ra com es­te si­te, pos­tou no twit­ter sua eu­fó­ri­ca apro­va­ção ao fil­me ar­gen­ti­no “O se­gre­do dos seus olhos”, ven­ce­dor do Os­car. Co­mo es­tá se­di­a­do em São Pau­lo, o Thi­a­gão tem gran­des op­ções cul­tu­rais, en­tre elas ver um fil­me des­se ca­li­bre. Nós, po­bres mor­tais que pas­sa­mos a mai­or par­te do tem­po no In­te­ri­or, qua­se sem­pre fi­ca­mos a ver na­vi­os. O jei­to é es­pe­rar, com al­gu­ma sor­te, pe­la boa von­ta­de das lo­ca­do­ras.

A ver­da­de é que, fo­ra even­tos pon­tu­ais, o In­te­ri­or é mui­to mal­tra­ta­do em ter­mos de cul­tu­ra. Cla­ro que há ci­da­des on­de es­sa fa­se já foi ven­ci­da, mas eu me re­fi­ro ao In­te­ri­or de mo­do ge­ral. Os ci­ne­mas só tra­zem fil­mes co­mer­ci­ais e, mes­mo as­sim, nem to­dos. Obras al­ter­na­ti­vas, nem pen­sar. O te­a­tro é mer­ca­do­ria ra­ra ou, in­fe­liz­men­te, em ex­tin­ção. Shows só de vez em quan­do. É du­ra a vi­da pa­ra quem quer cul­tu­ra no In­te­ri­or.

E o pi­or: o po­der pú­bli­co vi­ra as cos­tas pa­ra o seg­men­to. Pro­je­tos são en­ga­ve­ta­dos à es­pe­ra de di­nhei­ro que nun­ca so­bra. Ar­tis­tas são des­pre­za­dos em no­me de ou­tras pri­o­ri­da­des. O in­cen­ti­vo à for­ma­ção de ta­len­tos não es­tá nos pla­nos da­que­les que se sen­tam nas ca­dei­ras do po­der.

Com is­so, cria-se um ci­clo trá­gi­co: sem cul­tu­ra, o su­jei­to tem sua for­ma­ção em­po­bre­ci­da. Ten­do sua for­ma­ção em­po­bre­ci­da, o con­su­mo de bens cul­tu­rais pa­ra ele é al­go des­co­nhe­ci­do ou des­ne­ces­sá­rio. E as­sim va­mos nós, lu­tan­do con­tra a la­ma das en­chen­tes e con­tra a la­ma imo­ral de nos­sa po­lí­ti­ca po­bre e sem ru­mo.

O se­gre­do

O fil­me, que ain­da não vi, é es­tre­la­do por Ri­car­do Da­rín, um dos mais bem-su­ce­di­dos ato­res da Ar­gen­ti­na (o úl­ti­mo que as­sis­ti com ele foi “XXY”, o dra­ma de Alex, que nas­ceu com ca­rac­te­rís­ti­cas dos dois se­xos). A di­re­ção é de Ju­an Jo­sé Cam­pa­nel­la, o mes­mo de “O fi­lho da noi­va”, que é bas­tan­te co­nhe­ci­do do pú­bli­co bra­si­lei­ro e que, aliás, tam­bém tem Ri­car­do Da­rín no pa­pel prin­ci­pal. Mas so­bre “O se­gre­do dos seus olhos”, eis a si­nop­se pu­bli­ca­da pe­lo UOL Ci­ne­ma:

Após tra­ba­lhar a vi­da to­da num Tri­bu­nal Pe­nal, Ben­ja­mín Es­pó­si­to se apo­sen­ta. Seu tem­po li­vre o per­mi­te re­a­li­zar um so­nho lon­ga­men­te pos­ter­ga­do: es­cre­ver um ro­man­ce ba­se­a­do num acon­te­ci­men­to que vi­ve­ra anos an­tes. Em 1974, foi en­car­re­ga­do de in­ves­ti­gar um vi­o­len­to as­sas­si­na­to. A Ar­gen­ti­na en­tra­va num ci­clo de ex­tre­ma vi­o­lên­cia po­lí­ti­ca e a in­ves­ti­ga­ção co­lo­cou em ris­co sua vi­da. Ao es­ca­var ve­lhos trau­mas, Ben­ja­mín con­fron­ta o in­ten­so ro­man­ce que te­ve com sua an­ti­ga che­fe, as­sim co­mo de­ci­sões e equí­vo­cos pas­sa­dos. Com o tem­po, as me­mó­ri­as ter­mi­nam por trans­for­mar no­va­men­te sua vi­da.

Di­ta­du­ra

Zé Cel­so Mar­ti­nez, Ja­guar e Zi­ral­do já re­ce­be­ram a in­de­ni­za­ção do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça por cau­sa da per­se­gui­ção que so­fre­ram du­ran­te o re­gi­me mi­li­tar. Zé Cel­so le­vou R$ 570 mil e re­ce­be­rá cer­ca de R$ 5 mil men­sais até sua mor­te. Ja­guar e Zi­ral­do re­ce­be­ram, ca­da um, em tor­no de R$ 1 mi­lhão e ven­ci­men­tos men­sais aci­ma de R$ 4 mil.

Bom, acho que nin­guém ques­ti­o­na a im­por­tân­cia e a com­pe­tên­cia des­ses se­nho­res ma­gis­trais. Acho tam­bém que pou­cos dão ra­zão aos pro­ce­di­men­tos sel­va­gens ado­ta­dos por qual­quer di­ta­du­ra. Mas uma coi­sa fi­ca ba­tu­can­do aqui na mi­nha ca­be­ça: é jus­to in­de­ni­zar fi­gu­ras im­por­tan­tes, que­ri­das e, eu di­ria, fun­da­men­tais pa­ra a cul­tu­ra bra­si­lei­ra e não des­ti­nar o mes­mo tra­ta­men­to a anô­ni­mos – ou a fa­mí­li­as des­ses anô­ni­mos – que tal­vez te­nham so­fri­do bar­ba­ri­da­des ain­da mai­o­res?

É ape­nas uma pro­pos­ta de re­fle­xão. Zé Cel­so, Zi­ral­do e Ja­guar são fi­gu­ras sem as quais a cul­tu­ra bra­si­lei­ra se­ria mais po­bre. Mas eu não acho que o ser hu­ma­no de­va ter sua im­por­tân­cia ana­li­sa­da sob o pon­to de vis­ta de sua re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de so­ci­al, cul­tu­ral ou se­ja lá de que âm­bi­to for. Acre­di­to que um anô­ni­mo po­de, pro­por­ci­o­nal­men­te, ter uma im­por­tân­cia cem ve­zes mai­or do que seus se­me­lhan­tes que vi­vem sob os ho­lo­fo­tes.

Co­mo eu dis­se, é ape­nas uma pro­pos­ta de re­fle­xão.

Compartilhe