Crônicas, Impressões

A grande ilusão

sexta-feira, 26 de Março de 2010 Texto de

Co­mo di­ria mi­nha avó (que mor­reu faz um quar­to de sé­cu­lo), on­tem à noi­te “pe­guei” na TV um bom fil­me que eu não via há al­gum tem­po. An­ti­ga­men­te, eu ou­via os mais ve­lhos con­ver­sa­rem en­tre eles re­fe­rin­do-se aos pro­gra­mas de rá­dio ou de te­le­vi­são da noi­te an­te­ri­or. Eles per­gun­ta­vam uns aos ou­tros: “Vo­cê pe­gou a no­ve­la on­tem?” ou “Vo­cê pe­gou o fu­la­no de tal?” (quan­do o apre­sen­ta­dor do pro­gra­ma era mais fa­mo­so que o pró­prio pro­gra­ma).

Ho­je, se uma ve­lhi­nha (quan­do mi­nha avó mor­reu, era bem ve­lhi­nha já) per­gun­tar a uma ou­tra se ela “pe­gou” al­guém na noi­te an­te­ri­or, cer­ta­men­te vai “pe­gar mal”. Ah!Ah!Ah!

Bom, de to­do mo­do, re­vi “A gran­de ilu­são”, que é uma re­fil­ma­gem do ven­ce­dor do Os­car em 1949. O car­dá­pio é po­lí­ti­ca e cor­rup­ção, mas in­clui tam­bém dra­mas fa­mi­li­a­res e, cla­ro, re­la­ções amo­ro­sas. A his­tó­ria, ba­se­a­da no ro­man­ce de Ro­bert Penn War­ren, ga­nha­dor do Prê­mio Pu­lit­zer, ins­pi­ra-se na tra­je­tó­ria de um mag­na­ta ame­ri­ca­no que go­ver­nou a Loui­si­a­na.

Na re­fil­ma­gem, Se­an Penn é o po­pu­lis­ta Wil­lie Stark, um de­ma­go­go fa­bu­lo­so que ven­ce as elei­ções pa­ra go­ver­na­dor des­se es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no com um pé nas co­sas ao con­se­guir le­var ao elei­to­ra­do po­bre a ideia de que ele tam­bém é um “cai­pi­ra” pre­ju­di­ca­do em tu­do pe­los ri­cos e po­de­ro­sos.

O elen­co é es­te­lar. Além de Se­an Penn, atu­am Ju­de Law , Anthony Hop­kins , Ka­te Wins­let e Mark Ruf­fa­lo. Lem­bro-me de ter li­do al­gu­mas crí­ti­cas ne­ga­ti­vas à re­fil­ma­gem. Aliás, o fil­me pas­sou des­per­ce­bi­do do pú­bli­co bra­si­lei­ro por­que, se não me en­ga­no, che­gou di­re­to pa­ra as lo­ca­do­ras.

Eu gos­tei. Acho a atu­a­ção de Se­an Penn ex­ce­len­te no pa­pel do po­lí­ti­co que se tor­na igual ou pi­or se com­pa­ra­do àque­les que tan­to cri­ti­ca­va. Tam­bém gos­to da sim­bo­lo­gia do fi­nal, quan­do os san­gues de as­sas­si­na­do e as­sas­si­no se mis­tu­ram nas fres­tas de­se­nha­das no pi­so do Ca­pi­tó­lio.

Fo­ra is­so, é sem­pre bom ver fil­mes que nos lem­brem so­bre a ne­ces­si­da­de de es­tar­mos aten­tos à po­dri­dão que ge­ral­men­te per­meia a po­lí­ti­ca em qual­quer can­to do mun­do des­de a épo­ca da mi­nha avó. Des­de a épo­ca da avó de­la. Ao me­nos pa­ra os elei­to­res, a po­lí­ti­ca é sem­pre uma gran­de ilu­são. E, ao que me pa­re­ce, são as gran­des ilu­sões que nos per­mi­tem cha­fur­dar nas gran­des de­si­lu­sões, on­de mui­to se apren­de.

Mi­nha co­ta­ção: bom

Ilu­sões

Mi­nha avó mor­reu pen­san­do que Tan­cre­do Ne­ves se­ria pre­si­den­te do Bra­sil. Ela mor­reu pou­co an­tes da­que­les di­as tur­bu­len­tos de abril de 1985, quan­do a mor­te do pre­si­den­te elei­to cau­sou co­mo­ção na­ci­o­nal. Se­rá que Tan­cre­do tam­bém se­ria uma de­si­lu­são pa­ra mi­nha avó e pa­ra to­dos que es­pe­ra­vam por um pre­si­den­te ci­vil há du­as dé­ca­das?

Mi­nha avó não sa­bia ler e tam­bém des­co­nhe­cia a da­ta de seu nas­ci­men­to. Es­te se­gun­do pro­ble­ma foi re­sol­vi­do fa­cil­men­te pe­los ne­tos mais ve­lhos, que de­ter­mi­na­ram um dia qual­quer pa­ra co­me­mo­rar o ani­ver­sá­rio. To­dos os anos na­que­la da­ta can­tá­va­mos pa­ra­béns e co­mía­mos bo­lo. Mas o pri­mei­ro pro­ble­ma mor­reu com ela. Eu só con­se­gui en­si­ná-la a ra­bis­car o no­me. Acho que ten­ta­mos tar­de de­mais.

Mi­nha avó ti­nha me­do de chu­va. No sí­tio on­de mo­rá­va­mos, sem­pre que uma tem­pes­ta­de se apro­xi­ma­va, obri­ga­to­ri­a­men­te a fa­mí­lia to­da pre­ci­sa­va se reu­nir na ca­da de­la. Se um raio de­sa­bas­se ali, ris­ca­ria do ma­pa num se­gun­do uma fa­mí­lia in­tei­ra. Pa­ra nós, cri­an­ças, aca­ba­va sen­do uma aven­tu­ra, em­bo­ra mui­tas ve­zes fos­se do­lo­ro­so vê-la so­frer en­quan­to os rai­os e tro­vões não se afas­ta­vam.

Mi­nha avó mor­reu dei­ta­da na ca­ma olhan­do pa­ra o na­da e pro­cu­ran­do com as mãos coi­sas que só ela via ao seu re­dor: pro­va­vel­men­te, ape­nas ilu­sões.

Compartilhe