Vestígios | Márcio ABC

Impressões

Vestígios

domingo, 28 de março de 2010 Texto de

Quem fi­cou em ca­sa on­tem e es­pe­rou por um bom fil­me na TV (in­cluin­do os ca­nais pa­gos) foi sal­vo pe­la Band! Ao me­nos num cer­to ho­rá­rio da noi­te, só ha­via me­di­o­cri­da­de no ar, en­quan­to a Band mos­tra­va que nem tu­do es­ta­va per­di­do exi­bin­do “Ves­tí­gi­os do dia”.

Es­te mag­ní­fi­co fil­me, am­bi­en­ta­do na In­gla­ter­ra e di­ri­gi­do pe­lo não mui­to fa­mo­so en­tre nós Ja­mes Ivory, car­re­ga con­si­go, na mi­nha mo­des­tís­si­ma opi­nião, uma das mais pro­fun­das e to­can­tes ce­nas de amor do ci­ne­ma sem que seus pro­ta­go­nis­tas se­quer tro­quem um bei­jo.

A ce­na é com Anthony Hop­kins (o mor­do­mo Ja­mes Ste­vens) e Em­ma Thomp­son (a go­ver­nan­ta Sally Ken­ton). Ela ten­ta des­co­brir – to­man­do-lhe das mãos – que li­vro ele es­tá len­do, o que, no con­tex­to do fil­me, po­de ser re­ve­la­dor quan­to à per­so­na­li­da­de do in­tros­pec­ti­vo Sr. Ste­vens. Os dois fi­cam mui­to pró­xi­mos fi­si­ca­men­te, co­mo ja­mais ti­nham es­ta­do, e o mo­do co­mo am­bos re­a­gem a es­sa pro­xi­mi­da­de é ca­paz de trans­mi­tir a emo­ção que mui­tas ve­zes não exis­te em um mi­lhão de bei­jos ou em va­zi­as ce­nas de se­xo.

O fil­me tem iní­cio em 1958, quan­do Ja­mes Ste­vens co­me­ça sua vi­a­gem ru­mo a um en­con­tro com Sally Ken­ton. Já se pas­sa­ram du­as dé­ca­das des­de que eles con­vi­ve­ram na man­são de Dar­ling­ton Hall, pro­pri­e­da­de de um lor­de com gran­de in­fluên­cia na po­lí­ti­ca in­gle­sa e eu­ro­péia. Lá são re­a­li­za­das gran­des reu­niões e con­fe­rên­ci­as en­tre as pri­mei­ra e se­gun­da guer­ras mun­di­ais. No fim das con­tas, tal­vez in­ge­nu­a­men­te, o lor­de é en­vol­vi­do nu­ma teia que aca­ba fa­vo­re­cen­do os na­zis­tas e em­pur­ran­do a In­gla­ter­ra pa­ra a guer­ra.

É nes­se am­bi­en­te que o re­ser­va­dís­si­mo Ja­mes Ste­vens re­pri­me seus sen­ti­men­tos e sa­cri­fi­ca sua vi­da pes­so­al em no­me de sua pos­tu­ra pro­fis­si­o­nal: um mor­do­mo ab­so­lu­ta­men­te vol­ta­do pa­ra a per­fei­ção de seu tra­ba­lho e que tem sua im­pe­ne­trá­vel ca­ra­pa­ça cons­tan­te­men­te es­pe­ta­da pe­la in­qui­e­tu­de e pe­la pai­xão não con­fes­sa­da de sua go­ver­nan­ta. Na­da é ca­paz de fa­zê-lo de­mons­trar su­as emo­ções tran­ca­fi­a­das, nem mes­mo a mor­te do ve­lho pai, tam­bém um mor­do­mo co­mo ele.

Elen­co óti­mo: além dos dois pro­ta­go­nis­tas, atu­am Hugh Grant, Ch­ris­topher Re­e­ve e Ja­mes Fox.

In­for­ma­ção: o fil­me, de 1993, é ba­se­a­do no ro­man­ce do es­cri­tor bri­tâ­ni­co Ka­zuo Ishi­gu­ro “Os ves­tí­gi­os do dia”, ven­ce­dor em 1989 do Bo­o­ker Pri­ze, um dos mai­o­res prê­mi­os li­te­rá­ri­os de lín­gua in­gle­sa. Ka­zuo nas­ceu no Ja­pão, mas mu­dou-se ce­do pa­ra a In­gla­ter­ra.

Mi­nha co­ta­ção pa­ra o fil­me: ma­ra­vi­lho­so.

Obs: la­men­ta­vel­men­te, não li o li­vro (ain­da).

Jor­na­lis­mo

Além de to­da sua car­ga de den­sa dra­ma­ti­ci­da­de, “Ves­tí­gi­os do dia” tam­bém é ca­paz de dar uma boa li­ção aos jor­na­lis­tas que pro­cu­ram ca­da vez mais con­tar su­as his­tó­ri­as de mo­do a fu­gir do lu­gar co­mum, de mo­do a atrair a aten­ção de um lei­tor ho­je bom­bar­de­a­do com tan­tas e tan­tas in­for­ma­ções. A tra­je­tó­ria do mor­do­mo Ja­mes Ste­vens so­bre­põe-se à pró­pria guer­ra, sem, no en­tan­to, ig­no­rá-la ou di­mi­nuí-la. Mui­tas ve­zes, um só dra­ma hu­ma­no con­se­gue di­zer mais do que mi­lha­res de­les jun­tos.

Sig­ni­fi­ca­do

Ves­tí­gi­os são atra­en­tes, se­du­to­res, mis­te­ri­o­sos. Po­dem nos frus­trar, cla­ro, mas nos cu­tu­cam a per­cep­ção, aflo­ram nos­sa ca­pa­ci­da­de de usar a in­te­li­gên­cia, ex­ci­tam nos­so pra­zer, tor­nam ví­vi­da nos­sa exis­tên­cia. O que é me­lhor do que o ves­tí­gio de um gran­de amor pa­ra se­guir­mos quan­do en­fren­ta­mos aque­le ve­lho va­zio no pei­to?

Aten­ção, jor­na­lis­tas, pa­ra um con­tra­pon­to: ves­tí­gi­os são um ri­co ali­men­to pa­ra o jor­na­lis­mo. Mas co­mo to­do ali­men­to, eles po­dem fa­zê-los en­gas­gar.

Compartilhe