Impressões

É isso!

domingo, 20 de junho de 2010 Texto de

A tor­cida bra­si­leira (como di­ria o maior lo­cu­tor es­por­tivo que o Bra­sil já teve – Fi­ori Gi­gli­otti) quer isso. Nada mais. Quer ver a se­le­ção jo­gando fu­te­bol, com to­que, com classe, com raça. A vi­tó­ria do Bra­sil por 3 a 1 so­bre a Costa do Mar­fim, a des­peito de toda a me­leca da ar­bi­tra­gem, foi o me­lhor jogo da Copa até aqui. E mos­trou, en­fim, que nossa se­le­ção é – agora no campo e não ape­nas na fama – um sé­rio can­di­dato ao tí­tulo.

Caso a caso:

Ár­bi­tro – Uma pi­ada. A pas­si­vi­dade di­ante das en­tra­das cri­mi­no­sas dos jo­ga­do­res afri­ca­nos foi de ir­ri­tar. A ex­pul­são de Kaká, um erro grave. Mas o gol que ele não anu­lou do Luís Fa­bi­ano com­pen­sou um pouco tudo isso. In­va­li­dar um gol épico como aquele se­ria tam­bém um crime. E ou­tra: lá na França, gol de mão é nor­mal (ahahahahahahaha).

Kaká – Mos­trou que pode con­du­zir o Bra­sil ao tí­tulo. A di­fe­rença em re­la­ção ao Kaká da es­treia foi uma gran­deza. Cha­mou o jogo, es­teve a fim. Só isso já faz dele a peça mais im­por­tante da se­le­ção.

Lú­cio – O me­lhor jo­ga­dor em campo. Se­guro no bote, in­te­li­gente na mar­ca­ção e firme no cha­mado mano a mano. 

Luís Fa­bi­ano – O ar­ti­lheiro que res­surge na hora certa. Na hora em que o Bra­sil mais pre­ci­sava. O cara que fez a di­fe­rença do jogo e da Copa – ima­gine só o que vão fa­lar do go­laço que ele fez com a ajuda do braço. Copa sem po­lê­mica não tem graça. 

Dunga – Bo­beou ao dei­xar o Kaká em campo. Está certo que o Kaká não fez ab­so­lu­ta­mente nada para ser ex­pulso, mas as coi­sas pa­re­ciam se en­ca­mi­nhar para o fa­tí­dico des­fe­cho desde a me­tade do se­gundo tempo.

Costa do Mar­fim – Que de­cep­ção! Que ca­va­la­ria! Que vi­o­lên­cia!

Gal­vão Bu­eno – Man­dam o cara ca­lar a boca. Pe­gam no pé dele. Mas ele é um dos mai­o­res en­ten­di­dos de fu­te­bol – e da mai­o­ria dos de­mais es­por­tes. Ele sabe, co­nhece e – o prin­ci­pal – sente o que pode ro­lar, tem a per­cep­ção do evento que trans­mite. Muito an­tes de o Kaká to­mar ainda o car­tão ama­relo, ele já ha­via dito que es­tava com medo de que nosso cra­caço le­vasse o ver­me­lho.

Lu­ci­ano do Valle – Nar­rou o gol do Luís Fa­bi­ano como nin­guém. O ve­lho lo­cu­tor que às ve­zes pa­rece es­tar ul­tra­pas­sado ainda mos­tra vi­gor na hora em que o fu­te­bol pro­voca gran­des emo­ções.

E, para fi­na­li­zar, já pen­sou Bra­sil x Es­pa­nha já nas oi­ta­vas? Não faço parte do time da­que­les que fi­cam tor­cendo para pe­gar mosca morta no mata-mata. Pô, quem gosta de fu­te­bol e es­pera qua­tro anos pela Copa, não pode que­rer jo­gui­nho. Tem que que­rer jo­gão.

Compartilhe