Impressões

Os verdadeiros heróis

segunda-feira, 21 de junho de 2010 Texto de

Em tem­pos de Co­pa do Mun­do, tor­ce­do­res e mes­mo jor­na­lis­tas cos­tu­mam se re­fe­rir aos jo­ga­do­res pro­ta­go­nis­tas de gran­des fei­tos co­mo “he­róis”. Es­se e ou­tros ter­mos ser­vi­dos no nos­so ban­de­jão ufa­nis­ta mui­tas ve­zes se per­dem em meio à emo­ção ou à ale­gria de ver a se­le­ção – eter­no or­gu­lho na­ci­o­nal – jo­gan­do bo­ni­to, con­quis­tan­do vi­tó­ri­as e tí­tu­los im­por­tan­tes.

Mas mui­tas ve­zes não nos da­mos con­ta de co­mo se tor­nam pe­que­nos es­ses “he­róis” quan­do com­pa­ra­dos a ou­tros bra­si­lei­ros – co­mo nes­te mo­men­to às ví­ti­mas das chu­vas no Nor­des­te. Ou co­mo em ou­tros mo­men­tos, às ví­ti­mas de tan­tas tra­gé­di­as anun­ci­a­das des­ta ter­ra ver­de.

Nes­te es­pa­ço, es­cre­vi ou­tro dia que o fu­te­bol du­ran­te o Mun­di­al é a mais pro­fun­da sim­bi­o­se bra­si­lei­ra. Sim, as pes­so­as se jun­tam nu­ma im­pres­si­o­nan­te cor­ren­te de sen­ti­men­tos. Cons­trói-se uma for­ta­le­za de fé, cum­pli­ci­da­de e união. Coi­sa que não se vê em qual­quer ou­tra oca­sião.

Mas ver a des­gra­ça in­fin­da de uma gen­te so­fri­da, que já se con­ten­ta com tão pou­co, que ten­ta ser fe­liz com tão pou­co, que man­tém a es­pe­ran­ça com tão pou­co! Es­sa gen­te, que per­de tu­do e co­me­ça de no­vo. Que cho­ra to­das as su­as lá­gri­mas mais lím­pi­das e sin­ce­ras no meio da água su­ja. Que vai ou­tra vez se le­van­tar com bra­ço for­te. Es­sa gen­te sim é com­pos­ta de he­róis, he­róis cu­ja es­ta­tu­ra fa­zem do fu­te­bol um sim­ples brin­que­do em que ho­men­zi­nhos pe­que­nos cor­rem den­tro de uma cai­xa ele­trô­ni­ca em bus­ca de uma fe­li­ci­da­de que não po­dem nos dar.

De­sen­can­ta­ram

E pa­ra não fa­lar que não fa­lei de bo­la, Es­pa­nha e Por­tu­gal, en­fim, de­ram o ar da gra­ça. E que gra­ça! Os 7 a 0 pra­ti­ca­men­te ga­ran­tem a clas­si­fi­ca­ção lu­sa. Já os es­pa­nhóis vão so­frer mais um pou­co. Por­tu­gal x Es­pa­nha nas oi­ta­vas?

Dun­ga

Em qual­quer ro­da de dis­cus­sões da qual par­ti­ci­pei an­tes da Co­pa – ou já du­ran­te a Co­pa – sem­pre dis­se que acre­di­to na se­le­ção do Dun­ga. Não há gran­des mo­ti­vos pa­ra não acre­di­tar. É um gru­po que es­tá sem­pre de mãos da­das com as con­quis­tas. Nos seus clu­bes pe­la Eu­ro­pa ou mes­mo na se­le­ção. Ho­je, por exem­plo, os des­con­fi­a­dos co­me­ça­ram a brin­car com os 7 a 0 de Por­tu­gal so­bre a mes­ma Co­reia do Nor­te que deu o mai­or tra­ba­lho pa­ra o Bra­sil na pri­mei­ra ro­da­da (2 a 1).

O fa­to, co­mo di­ri­am os fi­ló­so­fos, é que uma coi­sa é uma coi­sa, ou­tra coi­sa é ou­tra coi­sa. Ca­da jo­go tem sua his­tó­ria. E por aí vai. Por­tu­gal tam­bém en­ca­lhou na Cos­ta do Mar­fim. E o Bra­sil deu um pas­seio, mes­mo en­fren­tan­do a ca­va­la­ria.

Acho que a se­le­ção do Dun­ga tem tu­do pa­ra che­gar à fi­nal. Tor­ço pa­ra uma fi­nal con­tra os ar­gen­ti­nos. Se­ria iné­di­to, emo­ci­o­nan­te pa­ra o mun­do in­tei­ro. Al­go di­fe­ren­te pa­ra um país tão acos­tu­ma­do a ven­cer Co­pas, co­mo é o Bra­sil.

O ca­so é que, a des­pei­to de to­das as pos­si­bi­li­da­des de sua se­le­ção, o pró­prio Dun­ga ame­a­ça es­tra­gar tu­do. Com bri­gui­nhas ba­ba­cas, xin­ga­men­tos ri­dí­cu­los e uma pos­tu­ra ab­so­lu­ta­men­te in­fan­til, ele pa­re­ce ter a cer­te­za de que seu ti­me con­quis­ta­rá a Co­pa. E ele, en­tão, pen­sa em ser o ca­ra que ba­teu de fren­te com tor­ce­do­res e im­pren­sa, o ca­ra que fez do seu jei­to e ga­nhou por­que é fo­di­do. Pen­sa em ser o gran­de he­rói. O he­rói so­li­tá­rio.

Quan­ta bo­ba­gem! Nos­sos he­róis, meu ca­ro Dun­ga, es­tão aqui. Es­tão se re­er­guen­do dos es­com­bros des­te país mal fun­da­do.

Compartilhe