Impressões

Uruguai

sexta-feira, 14 de maio de 2010 Texto de

Uru­guai 1

Li es­ta se­ma­na “Quem de nós – uma his­tó­ria de amor”, mais um be­lís­si­mo li­vro do uru­guaio Ma­rio Be­ne­det­ti, um dos gran­des es­cri­to­res do sé­cu­lo 20. Aliás, ele fez par­te tam­bém des­te sé­cu­lo: mor­reu no ano pas­sa­do, já aos 88 anos.

Es­cri­to­res co­mo Be­ne­det­ti de­ve­ri­am ter pra­zo de va­li­da­de mai­or. Em­bo­ra, cla­ro, sua obra cer­ta­men­te o eter­ni­za­rá.

“Quem de nós” foi pu­bli­ca­do na dé­ca­da de 1950, mas, co­mo acon­te­ce com mui­tas das obras mais im­por­tan­tes da li­te­ra­tu­ra, en­cai­xa-se em qual­quer tem­po.

É o tri­ân­gu­lo amo­ro­so nar­ra­do pe­los três pro­ta­go­nis­tas. Só um gê­nio co­mo Be­ne­det­ti po­de­ria es­cre­ver um li­vro tão pro­fun­do e ao mes­mo tem­po tão di­re­to e rá­pi­do.

Foi a pri­mei­ra no­ve­la es­cri­ta pe­lo uru­guaio. E por in­crí­vel que pa­re­ça a pri­mei­ra ver­são bra­si­lei­ra só saiu em 2007 (Edi­to­ra Re­cord).

É di­vi­di­da em três par­tes, ca­da qual es­cri­ta por um dos per­so­na­gens: Mi­guel (o ma­ri­do), Alí­cia (a es­po­sa) e Lu­cas (o ter­cei­ro en­vol­vi­do, que foi em­bo­ra quan­do os ami­gos se ca­sa­ram).

Ape­sar de ter acha­do “Quem de nós” óti­mo, dos li­vros que eu li de­le, o que mais gos­to é “A tré­gua”. Es­te é da dé­ca­da de 1960 e a mais im­por­tan­te obra do au­tor.

Em for­ma­to de diá­rio, nar­ra a aven­tu­ra emo­ci­o­nan­te de Mar­tín San­to­mé, cin­quen­tão viú­vo que atra­ves­sa uma vi­da mo­nó­to­na des­de que a mu­lher mor­reu, há mais de du­as dé­ca­das.

A apro­xi­ma­ção da jo­vem Lau­ra Avel­la­ne­da, que tra­ba­lha co­mo sua au­xi­li­ar no es­cri­tó­rio, vol­ta a ilu­mi­nar seu es­pí­ri­to. O ro­man­ce, cor­tan­te e irô­ni­co, é da­que­les que pren­dem o lei­tor de ma­nei­ra in­su­por­tá­vel.

Uru­guai 2
Eu te­nho uma re­la­ção cu­ri­o­sa com o Uru­guai. Acho que já fui uru­guaio nu­ma ou­tra vi­da, num ou­tro es­pa­ço de tem­po, não sei, tal­vez ho­je mes­mo eu o se­ja, si­mul­ta­ne­a­men­te, nu­ma di­men­são que avan­ça ao mes­mo pas­so em que cor­re es­ta.

Não há ex­pli­ca­ção. É uma atra­ção que se co­mu­ni­ca sob uma né­voa de in­jus­ti­fi­cá­vel nos­tal­gia. Quan­do leio os uru­guai­os – gos­to mui­to tam­bém de Ho­ra­cio Qui­ro­ga, es­te ain­da an­te­ri­or a Be­ne­det­ti, pois nas­ceu no sé­cu­lo 19 -, es­sa ses­são nos­tál­gi­ca se for­ta­le­ce.

Nes­ta Co­pa, sai­bam to­dos, vou tor­cer tam­bém pa­ra o Uru­guai. Sei que no fu­te­bol, es­te pe­que­no e ro­mân­ti­co país per­deu sua pe­ga­da, mas se hou­ver um cru­za­men­to en­tre a ve­lha Ce­les­te e o Bra­sil, dei­xa­rei que o im­pas­se da tor­ci­da se re­sol­va de­bai­xo da­que­la né­voa ca­paz de jun­tar du­as di­men­sões. En­tre­tan­to, quan­do o jo­go aca­bar, in­de­pen­den­te­men­te do re­sul­ta­do e da di­men­são, es­ta­rei sa­tis­fei­to.

Compartilhe