Impressões

Épico

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010 Texto de

O ro­man­cis­ta e po­e­ta rus­so Bo­ris Pas­ter­nak é pro­ta­go­nis­ta de uma das mais be­las e im­pres­si­o­nan­tes his­tó­ri­as da li­te­ra­tu­ra mun­di­al. Ele es­cre­veu “Dou­tor Ji­va­go” en­tre 1945 e 1955, mas o ro­man­ce che­ga­ria ao pú­bli­co ini­ci­al­men­te em ita­li­a­no e, cla­ro, fo­ra da an­ti­ga União So­vié­ti­ca, cu­jos bam­bam­bans só per­mi­ti­ram a pu­bli­ca­ção do li­vro em 1989! Sim­ples­men­te 34 anos de­pois de sua con­clu­são.

Aliás, um ano após a pu­bli­ca­ção em ita­li­a­no – fei­ta con­tra a von­ta­de do au­tor -, Pas­ter­nak ga­nha­ria o Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra, ao qual foi obri­ga­do a re­nun­ci­ar por cau­sa da pres­são do go­ver­no so­vié­ti­co. A pri­mei­ra edi­ção rus­sa de “Dou­tor Ji­va­go” só saiu em 1958: uma ver­são pi­ra­ta na Ho­lan­da.

Quem gos­ta de ci­ne­ma já de­ve ter vis­to a adap­ta­ção da obra pa­ra a te­lo­na, com Omar Sha­rif, Ju­lie Ch­ris­tie e Alec Gui­ness. A di­re­ção é do len­dá­rio Da­vid Le­an.

Eu gos­to do fil­me, mas a com­pa­ra­ção com o li­vro aca­ba sen­do ine­vi­tá­vel, o que é, di­ga­mos, uma co­var­dia, cla­ro. “Dou­tor Ji­va­go”, o li­vro, é uma das mais pro­fun­das obras dos pro­fun­dos au­to­res rus­sos.

O per­so­na­gem do tí­tu­lo, o mé­di­co Iú­ri Ji­va­go, cri­a­do du­ran­te a Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al e le­va­do a vi­ver o dra­ma da re­vo­lu­ção e da guer­ra ci­vil na Rús­sia, ex­põe as fe­ri­das da po­lí­ti­ca e de su­as pró­pri­as fra­que­zas e afir­ma­ções.

Tra­fe­gan­do en­tre a po­e­sia e a me­di­ci­na, en­tre o li­ris­mo e a re­a­li­da­de cru­en­ta dos com­ba­tes, Iú­ri Ji­va­go avan­ça nu­ma in­ter­mi­ná­vel lu­ta com as ba­ta­lhas tra­va­das em seu pró­prio co­ra­ção.

Uma cu­ri­o­si­da­de: a edi­ção da Best­Bol­so é tra­du­zi­da di­re­ta­men­te do rus­so pa­ra o por­tu­guês pe­la pro­fes­so­ra Zoia Pres­tes, fi­lha de Luiz Car­los Pres­tes e de Ma­ria Pres­tes.

Pa­ra mim, o iní­cio de “Dou­tor Ji­va­go” é tam­bém um dos mais be­los da li­te­ra­tu­ra mun­di­al. Lei­am o pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, que se pas­sa du­ran­te o en­ter­ro da mãe de Iú­ri, quan­do es­te é ain­da um me­ni­no:

“Ca­mi­nha­vam, ca­mi­nha­vam e can­ta­vam ‘Lem­bran­ça Eter­na’, mas quan­do pa­ra­vam, pa­re­cia que, de tan­to ser can­ta­da, a mú­si­ca con­ti­nu­a­va a ser en­to­a­da pe­los pés das pes­so­as, pe­la mar­cha dos ca­va­los e pe­lo so­pro do ven­to.”

Nu­ma épo­ca co­mo a de ho­je, quan­do a éti­ca cau­sa tan­tas dú­vi­das di­an­te de sua com­ple­xi­da­de e das aná­li­ses que bus­cam aten­der às con­ve­ni­ên­ci­as dos la­dos en­vol­vi­dos, “Dou­tor Ji­va­go” é tam­bém uma tá­bua a se ape­gar.

Mi­nhas co­ta­ções:
O li­vro, ex­tra­or­di­ná­rio
O fil­me, mui­to bom

Compartilhe