Impressões

Lobohomem

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010 Texto de

Um dos mai­o­res mi­tos da hu­ma­ni­da­de vol­ta es­te mês a ga­nhar es­pa­ço em nos­so ima­gi­ná­rio: o lo­bi­so­mem. Não que a cri­a­tu­ra meio ho­mem meio lo­bo te­nha al­gum dia nos dei­xa­do pa­ra sem­pre. Cla­ro que não. Só que nes­te fe­ve­rei­ro, ela che­ga às sa­las de ci­ne­ma. Ela no­va­men­te es­ta­rá re­en­car­na­da. Des­ta vez em Be­ni­cio Del To­ro, cu­jo per­so­na­gem é um in­glês que vi­a­ja pa­ra a Amé­ri­ca e na vol­ta à sua ter­ra na­tal é mor­di­do por um lo­bi­so­mem. O re­ma­ke (o ori­gi­nal é de 1941) é di­ri­gi­do por Joe Johns­ton (que fez “Ju­ras­sik Park III” e “Ju­ras­sik Park IV”) e ain­da tem no elen­co Anthony Hop­kins e Emily Blunt (“O di­a­bo ves­te pra­da” e “Es­tra­da mal­di­ta”).

Co­mo já es­cre­vi em al­guns lu­ga­res aqui no si­te, vi­vi no cam­po um bom tem­po, o su­fi­ci­en­te pa­ra ou­vir mui­tas his­tó­ri­as e cren­ças a res­pei­to do di­to cu­jo. Mas é a li­te­ra­tu­ra que traz, sem dú­vi­da, as his­tó­ri­as mais bem bu­ri­la­das. Há um li­vro da edi­to­ra Mar­co Ze­ro que reú­ne con­tos de Ale­xan­dre Du­mas, Guy de Mau­pas­sant e Wal­ter Scott, en­tre ou­tros. Pa­ra quem gos­ta do te­ma, é um pra­to cheio. Ano­te aí: “Ho­mens, lo­bos e lo­bi­so­mens – As his­tó­ri­as mais fas­ci­nan­tes”. Cla­ro que há ou­tros li­vros de his­tó­ri­as fan­tás­ti­cas que in­clu­em ca­sos de lo­bi­so­mens, mas ho­je que­ro in­di­car es­se. Há in­clu­si­ve um con­to am­bi­en­ta­do em São Pau­lo. Mi­nha co­ta­ção: mui­to le­gal.

Atra­ção

É cu­ri­o­sa a atra­ção que sen­ti­mos por cer­tas fi­gu­ras mi­to­ló­gi­cas. No ca­so do lo­bi­so­mem, não acre­di­to que, de mo­do ge­ral, exis­ta al­go que o su­pe­re. Os ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa de­ve­ri­am per­gun­tar: se vo­cê pu­des­se se tor­nar lo­bi­so­mem por um mo­men­to sem que is­so al­te­ras­se sua vi­da, vo­cê o fa­ria? Acho que pou­cos não to­pa­ri­am. E acho que a mui­tos nem se­ria ne­ces­sá­rio ofe­re­cer a par­te da ga­ran­tia so­bre o ru­mo da pró­pria vi­da (rs­s­ss).

Lu­la

Pa­ra su­pe­rar o Lo­bi­so­mem, só mes­mo Lu­la, es­sa cri­a­tu­ra me­ta­mor­fo­se­an­te que ho­je con­ta com 81,7% de ava­li­a­ção po­si­ti­va, se­gun­do pes­qui­sa CNT/Sensus di­vul­ga­da nes­ta se­gun­da-fei­ra, pri­mei­ro dia de fe­ve­rei­ro. É im­pres­si­o­nan­te! E Dil­ma já em­pa­tou com Ser­ra, con­for­me os nú­me­ros da mes­ma pes­qui­sa. Tu­do por con­ta da po­pu­la­ri­da­de de Lu­la. Se con­fir­ma­da, es­sa trans­fe­rên­cia de vo­tos po­de­rá ser a mais cla­ra da his­tó­ria da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra.

Já o fil­me so­bre Lu­la não ren­deu o es­pe­ra­do. Ve­jam o que diz o jor­nal es­pa­nhol “El País” so­bre o que mo­ti­vou o fra­cas­so de Lu­la na te­lo­na: ““O fil­me não con­ven­ceu por vá­ri­os mo­ti­vos: os bra­si­lei­ros gos­tam de Lu­la na re­a­li­da­de, na rua, su­bin­do em ci­ma de um pa­lan­que, ar­re­ga­çan­do as man­gas, su­an­do e gri­tan­do coi­sas co­mo ‘Vou ti­rar o po­vo da mer­da’”. E tam­bém: “...os bra­si­lei­ros sa­bem tu­do so­bre Lu­la. Eles po­dem vê-lo e to­cá-lo to­dos os di­as. Sa­bem to­da sua his­tó­ria de me­ni­no po­bre, con­ta­da mil ve­zes por ele mes­mo. De Lu­la se sa­be in­fi­ni­tas mais coi­sas do que as que apa­re­cem no fil­me”. Pa­ra aces­sar a ma­té­ria com­ple­ta no UOL, cli­que aqui.

Eu não fui ver o fil­me. Sei que pa­ra um jor­na­lis­ta “se­ria obri­ga­tó­rio”, mas não me sen­ti atraí­do. De­vo ter as­sis­ti­do a mui­tos fil­mes pi­o­res, pe­los quais, an­tes, me sen­ti atraí­do. Mas por es­te não hou­ve aque­la... quí­mi­ca (ahahahaha). Pra mim, não se de­ve ir ao ci­ne­ma por me­ra “obri­ga­ção”. A não ser, cla­ro, que vo­cê es­te­ja a tra­ba­lho e se­ja obri­ga­do mes­mo a ir. Tal­vez eu ain­da vá ou as­sis­ta em DVD, de­pois. Mas por ora, não deu o es­ta­lo. Pa­ci­ên­cia.

Compartilhe