Impressões

Abacaxi

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010 Texto de

Que­ro fa­zer jus­ti­ça a ele. O ter­mo “aba­ca­xi” pa­ra de­sig­nar um pro­ble­ma é um des­res­pei­to à fru­ta. Aba­ca­xi é bom de­mais. Tem gen­te que acha seu sa­bor com aci­dez exa­ge­ra­da. Al­gu­mas fru­tas tra­zem uma par­te com o aze­du­me de­se­qui­li­bra­do, é ver­da­de. Mas no con­jun­to, tra­ta-se de uma fru­ta de per­so­na­li­da­de. Não é, por exem­plo, uma ba­na­na. Uma ba­na­na, e tam­bém uma ma­çã, vo­cê co­me sem sur­pre­sas. São fru­tas pa­ci­en­tes, que se per­mi­tem mor­di­das e mas­ti­ga­ções de mo­do sub­mis­so. Che­ga a ser ir­ri­tan­te. O aba­ca­xi, não. O aba­ca­xi re­a­ge. Re­lu­ta. Avi­sa que com ele não tem vi­da fá­cil, des­de ser des­cas­ca­do até ser en­go­li­do.

Já ou­vi vá­ri­as ver­sões so­bre as qua­li­da­des do aba­ca­xi. Uma de­las é que ele não tem qua­li­da­de. Diz que não ser­ve pra na­da. Que ab­sur­do! Tam­bém já me dis­se­ram que a úni­ca coi­sa que se apro­vei­ta de­le é o “os­so”. Lo­go o os­so, que to­do mun­do jo­ga fo­ra. Eu, de­pois des­sa, pas­sei a co­mê-lo tam­bém, des­de que não se­ja mui­to du­ro. Ou­tra in­for­ma­ção que ob­ti­ve: o aba­ca­xi faz bem pa­ra o sê­men; au­men­ta a quan­ti­da­de e me­lho­ra a co­lo­ra­ção, o vi­su­al (ahahahahahah).

A ver­da­de é que eu co­mo por um sim­ples mo­ti­vo: gos­to de fru­tas for­tes. É mais ou me­nos co­mo aque­le ca­so do su­jei­to que che­ga nu­ma ro­da e ou­ve as pes­so­as co­men­ta­rem so­bre as pro­pri­e­da­des de cer­ta cer­ve­ja. Um diz: “eu gos­to de to­mar por­que ela é en­cor­pa­da”. O ou­tro: “a ce­va­da se faz sen­tir”. Ou­tro mais: “ela me traz uma nos­tal­gia de tem­pos bons”. E, por fim, o su­jei­to: “eu gos­to por­que ela me dá uma zon­zu­ri­nha gos­to­sa” (ahahahhahah).

Ou­tro aba­ca­xi

Na épo­ca em que eu mo­ra­va no sí­tio (on­de nas­ci e fi­quei até os 7 anos de ida­de, e de­pois ain­da con­ti­nu­ei a con­vi­ver por um bom tem­po), meu pai e meus ti­os des­cas­ca­vam o aba­ca­xi na ro­ça, co­lhi­do na ho­ra em meio às ru­as de ca­fé. Mes­mo quen­te (mor­ni­nho, vá lá), na­da me­lhor do que um aba­ca­xi co­mi­do ali, no mo­men­to em que é apa­nha­do. Mais uma pro­va do va­lor des­sa fru­ta sa­bo­ro­sís­si­ma. Ten­te chu­par uma la­ran­ja que não es­te­ja ao me­nos fres­ca. Ten­te chu­par ou­tras fru­tas. O aba­ca­xi su­pe­ra fa­cil­men­te es­se obs­tá­cu­lo. É co­mo a Co­ca-co­la e o gua­ra­ná. A Co­ca ge­la­dís­si­ma é in­com­pa­rá­vel, idí­li­ca eu di­ria. Mas vá to­má-la sem es­tar ge­la­da. O mes­mo já não acon­te­ce com o gua­ra­ná. Gua­ra­ná dá pra be­ber até quen­te. E não tem nem zon­zu­ri­nha.

Compartilhe