Impressões

O jornalismo na nossa sala

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 Texto de

As emis­so­ras de te­le­vi­são con­ti­nu­am in­ten­si­fi­can­do a ma­nei­ra in­for­mal de le­var as no­tí­ci­as à nos­sa ca­sa. Os apre­sen­ta­do­res, ca­da dia mais pró­xi­mos do pú­bli­co, qua­se não fa­zem mais os ve­lhos re­la­tos sob a so­no­ri­da­de de vo­zes gra­ves e im­pos­ta­das. Já faz um tem­po, eles ago­ra con­ver­sam co­mo se fos­sem in­ter­lo­cu­to­res pre­sen­tes bem ao nos­so la­do, na sa­la on­de fi­ca o apa­re­lho.

A trans­for­ma­ção gra­da­ti­va de cer­to mo­do acom­pa­nha os pró­pri­os pas­sos da hu­ma­ni­da­de. A ma­nei­ra de fa­lar, de agir, de in­te­ra­gir, a ma­nei­ra de en­ca­rar as coi­sas, en­fim, o nos­so com­por­ta­men­to vai dei­xan­do pa­ra trás a for­ma­li­da­de e ado­tan­do con­tor­nos es­pon­tâ­ne­os, re­tra­to de uma so­ci­e­da­de que bus­ca se mo­der­ni­zar cons­tan­te­men­te por meio das no­vas tec­no­lo­gi­as e dos be­ne­fí­ci­os ge­ra­dos à co­mu­ni­ca­ção.

É uma mu­dan­ça ine­vi­tá­vel. E boa. É mais agra­dá­vel ou­vir pes­so­as que, à me­di­da do pos­sí­vel, se pro­põem a di­a­lo­gar com vo­cê do que vo­zes que pa­re­cem sair de um me­ga­fo­ne im­pes­so­al que des­pe­ja pa­la­vras pa­ra quem qui­ser ou­vir. Um sor­ri­so na ho­ra cer­ta, um co­men­tá­rio co­mo os que fa­ze­mos em nos­so co­ti­di­a­no, uma per­gun­ta in­te­li­gen­te ao te­les­pec­ta­dor, tu­do is­so aju­da a atrair a aten­ção pa­ra a in­for­ma­ção.

Ago­ra, con­ve­nha­mos, tam­bém nes­se ca­so há li­mi­tes. A coi­sa às ve­zes bei­ra a far­ra. For­çam de­mais a bar­ra. Ri­em a to­da ho­ra. Fa­zem ca­ras e bo­cas. Me­tem fra­ses que pou­co têm a ver com a si­tu­a­ção. On­tem ou­vi um co­men­tá­rio mais ou me­nos as­sim num dos te­le­jor­nais: “Quan­do es­sa chu­va vai pa­rar, hein?”.

A per­gun­ta, em tom de la­men­to e pre­o­cu­pa­ção, veio lo­go após a apre­sen­ta­ção de re­por­ta­gens so­bre os efei­tos das chei­as em vá­ri­as ci­da­des bra­si­lei­ras, in­cluin­do des­li­za­men­tos, so­ter­ra­men­tos, mor­tes etc.

Ora, es­ta­mos na épo­ca das chu­vas! É ab­so­lu­ta­men­te nor­mal que em ja­nei­ro de to­dos os anos a na­tu­re­za des­pe­je água à von­ta­de. A per­gun­ta que de­ve­ria ser fei­ta não é “Quan­do es­sa chu­va vai pa­rar?”. A per­gun­ta é “Quan­do vão pa­rar de cons­truir ca­sas em en­cos­tas, em lu­ga­res ina­de­qua­dos?”. Ou “Quan­do os ho­mens pú­bli­cos vão pa­rar de me­ter a mão no di­nhei­ro des­ti­na­do à pre­ven­ção das tra­gé­di­as cau­sa­das pe­las tem­pes­ta­des e apli­car de mo­do cor­re­to os re­cur­sos pa­ra que as des­gra­ças não se­jam as mes­mas to­dos os anos?”.

O jor­na­lis­mo pre­ci­sa se cui­dar. Ma­qui­a­gem às ve­zes é bom. Mas não pa­ra a in­for­ma­ção.

Compartilhe