Crônicas

O banho do tatu e o ‘banho’ que o tatu me deu

sexta-feira, 24 de junho de 2011 Texto de

Eu tam­bém gos­ta­ria de jo­gar água com uma man­guei­ra num ta­tu. Vê-lo de per­to con­ten­tar-se com o re­fres­co, as­sim co­mo na ima­gem aci­ma (há um ví­deo que es­tá no UOL, mas não con­se­gui pos­tar aqui por­que sou ig­no­ran­te nis­so – só sei pe­gar os do You­tu­be, on­de não o en­con­trei). Sin­to que de­vo is­so à es­pé­cie. Pe­los mo­ti­vos re­la­ta­dos abai­xo.

Ha­via uma lua gi­gan­tes­ca olhan­do a noi­te. Se os fa­róis do car­ro fos­sem des­li­ga­dos, ain­da as­sim se­ria pos­sí­vel tra­fe­gar pe­la ro­do­via de pou­co mo­vi­men­to. Não me lem­bro pa­ra on­de es­tá­va­mos in­do. Eu era ape­nas um ado­les­cen­te di­ri­gin­do meu Fus­ca bran­co ao la­do de al­guns ami­gos.

A cer­ta al­tu­ra, pu­de ver a uma dis­tân­cia ra­zoá­vel o mo­vi­men­to es­tra­nho so­bre o as­fal­to, co­mo se uma bo­la de fu­te­bol es­ti­ves­se ro­lan­do len­ta­men­te na pis­ta. Re­du­zi a ve­lo­ci­da­de, aci­o­nei a luz al­ta e des­co­bri a pre­sen­ça do ta­tu atra­ves­san­do a es­tra­da.

O pe­que­no ani­mal já ha­via per­cor­ri­do mais da me­ta­de do pe­ri­go­so tra­je­to, qua­se che­gan­do à mar­gem opos­ta de on­de vi­nha, mas tal­vez te­nha se as­sus­ta­do com os fa­róis e re­sol­veu re­tro­ce­der. Ain­da ten­tei mu­dar de pis­ta, mas não hou­ve tem­po. Sen­ti em­bai­xo do as­so­a­lho do car­ro o do­lo­ri­do ruí­do do atro­pe­la­men­to.

Pa­rei no acos­ta­men­to. Des­ce­mos e vol­ta­mos al­guns me­tros. O bi­cho es­ta­va es­ti­ra­do, apa­ren­te­men­te sem mo­vi­men­to al­gum. Sem sa­ber di­rei­to o que fa­zer, e sob os pro­tes­tos dos ami­gos que que­ri­am se­guir adi­an­te, le­vei-o cui­da­do­sa­men­te até a mar­gem, co­mo se re­ti­rá-lo da es­tra­da, on­de cer­ta­men­te se­ria es­tra­ça­lha­do por ou­tros veí­cu­los, re­me­di­as­se seu trá­gi­co des­ti­no.

Quan­do eu ain­da o aco­mo­da­va ao chão, sen­ti nas mãos um ba­que ines­pe­ra­do: o ani­mal es­ti­rou-se à fren­te e num pe­que­no sal­to es­ca­pou co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do. Mes­mo a lua for­te não nos per­mi­tiu vê-lo em meio ao ca­pim al­to à bei­ra da ro­do­via, mas o si­lên­cio da noi­te nos dei­xou ou­vi-lo em sua dis­pa­ra­da as­sus­ta­da ru­mo à ve­ge­ta­ção mais den­sa, dei­xan­do pa­ra trás, bo­qui­a­ber­tos, aque­les se­res es­tra­nhos que pre­ci­sam de má­qui­nas pa­ra ir e vir.

Compartilhe