John Up­di­ke, mor­to em 2009, foi um cra­que da li­te­ra­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­na. Não é à toa que ga­nhou du­as ve­zes ca­da um os prin­ci­pais prê­mi­os dos EUA, o Pu­lit­zer e o Na­ti­o­nal Bo­ok Awards. “Ci­da­de­zi­nhas” (Com­pa­nhia das Le­tras, 2004), que ga­nhei da jor­na­lis­ta Cris­ti­na Ca­mar­go, foi seu úl­ti­mo li­vro.

Quan­do ter­mi­nei a lei­tu­ra, na se­ma­na pas­sa­da, fi­quei com a im­pres­são que as cri­an­ças de­ve­ri­am ter quan­do o avô co­me­ça a con­tar uma his­tó­ria só pa­ra fa­zê-las sos­se­gar, mas uma his­tó­ria que vai fi­can­do ir­re­sis­tí­vel em seu de­cor­rer.

O li­vro co­me­ça cha­to, cha­to. Up­di­ke é um co­nhe­ce­dor mi­nu­ci­o­so do ho­mem ame­ri­ca­no de clas­se mé­dia. E faz de ga­to e sa­pa­to es­se ob­je­to hu­ma­no, si­tu­an­do-o no sé­cu­lo 20, apro­fun­dan­do-se em su­as fra­que­zas com fi­na iro­nia e ti­ran­do de­le exem­plos de his­tó­ri­as tão co­ti­di­a­nas e sim­ples que nos le­va na­tu­ral­men­te pa­ra os re­can­tos cu­ri­o­sos, en­gra­ça­dos, em­ble­má­ti­cos e pi­can­tes das ci­da­de­zi­nhas por on­de ele pas­seia com sua es­cri­ta fun­da­men­ta­da tam­bém em sua pró­pria ex­pe­ri­ên­cia: ví­ti­ma de pso­ría­se, com ver­go­nha da do­en­ça, ele dei­xou No­va York pa­ra mo­rar no su­búr­bio jun­to com mu­lher e fi­lhos.

Um dos as­pec­tos mais bem de­sen­vol­vi­dos em “Ci­da­de­zi­nhas” é a sequên­cia de ex­pe­ri­ên­ci­as se­xu­ais do pro­ta­go­nis­ta. Por meio des­sa que é uma das li­nhas mes­tras do li­vro, Up­di­ke con­ta a his­tó­ria de Owen, um pe­que­no em­pre­sá­rio da área de tec­no­lo­gia que vi­ve sob amar­ras cul­tu­rais e fa­mi­li­a­res de seu pas­sa­do e aos pou­cos ex­pe­ri­men­ta uma pro­fun­da trans­for­ma­ção pes­so­al e so­ci­al em gran­de par­te de­fi­ni­da pe­lo avan­ço de su­as re­la­ções no se­xo.

A his­tó­ria ame­ri­ca­na, de guer­ras e de­sen­vol­vi­men­to, de avan­ços e hi­po­cri­si­as, de tra­di­ção e re­no­va­ção, es­sa his­tó­ria tão com­ple­xa cai em nos­so co­lo de mo­do irô­ni­co e eró­ti­co. Tal­vez prin­ci­pal­men­te es­ses dois as­pec­tos equi­li­brem o ro­man­ce de mo­do atra­en­te an­te à pro­fun­di­da­de que a lei­tu­ra pro­põe e que nem sem­pre es­ta­mos dis­pos­tos a en­fren­tar.

Compartilhe