Crônicas

Definição da beleza

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009 Texto de


Es­cri­to­res, fi­ló­so­fos e pen­sa­do­res já es­cre­ve­ram tan­tas te­o­ri­as so­bre a be­le­za que elas mui­tas ve­zes se abra­çam nas es­qui­nas das idéi­as ou sim­ples­men­te to­mam ru­mos pa­ra­le­los e ja­mais se en­con­tram. O ca­so é que a be­le­za, mais do que pro­pri­a­men­te in­trín­se­ca à sub­je­ti­vi­da­de, é al­go su­pe­ri­or à pró­pria ca­pa­ci­da­de de o ho­mem ima­gi­nar as for­mas que a cons­ti­tu­em. E, por con­seqüên­cia, in­de­fi­ní­vel sob um pon­to de vis­ta con­cre­to.

Co­mo de­fi­nir a fo­to que re­pro­du­zo aqui? Foi fei­ta pe­lo fo­tó­gra­fo Mark Par­dew, da As­so­ci­a­ted Press. O bom­bei­ro Da­vid Tree di­vi­de a água de sua gar­ra­fi­nha com um co­a­la que se ma­chu­cou du­ran­te um dos ter­rí­veis in­cên­di­os que as­so­lam a Aus­trá­lia. Co­mo de­fi­nir es­ta ima­gem? Di­zer que ela é sim­ples­men­te lin­da é su­fi­ci­en­te? Cha­má-la de ma­ra­vi­lho­sa não pa­re­ce ba­nal? Tra­tá-la por di­vi­na se­ria exa­ge­ro?

Não ima­gi­no uma de­fi­ni­ção pa­ra es­ta ima­gem. Só sei que ao de­pa­rar-me com seus con­tor­nos, um sen­ti­men­to ins­pi­ra­dor per­mi­te que eu res­ga­te, do lim­bo, al­guns cré­di­tos pa­ra es­ta hu­ma­ni­da­de gas­ta e des­bo­ta­da.

Há pou­cos di­as, fui ver o fil­me “A Tro­ca”. Um fil­me de Clint Eastwo­od sem­pre va­le por sua di­re­ção ím­par. A obra não che­gar a ser uma “Me­ni­na de Ou­ro” nem um “So­bre Me­ni­nos e Lo­bos”, mas es­tá bem aci­ma da por­ca­ri­a­da que sem­pre inun­da as sa­las de ci­ne­ma. No fim, há uma re­a­ção da pro­ta­go­nis­ta em re­la­ção à es­pe­ran­ça. Ela diz ter re­cu­pe­ra­do a es­pe­ran­ça. E eu di­go: es­te com­bus­tí­vel fun­da­men­tal pa­ra a vi­da.

No ca­so da ce­na ex­tra­or­di­ná­ria do ho­mem di­vi­din­do sua água com o co­a­la, sua mai­or be­le­za é exa­ta­men­te es­ta: o po­der de res­ga­tar a es­pe­ran­ça. Vá lá, que se­ja ao me­nos uma es­pe­ran­ça­zi­nha, mas as­sim mes­mo não dei­xa de ser uma es­pe­ran­ça.

Compartilhe