Crônicas

Das 20h às 23h28

quinta-feira, 17 de março de 2016 Texto de

Chu­pa, Lu­la! Às oi­to ho­ras, gri­ta­ram lá em­bai­xo no mo­men­to em que fe­chei o vi­dro do no­no, pen­du­rei a bol­sa no om­bro di­rei­to (pro­ce­di­men­to que se não me en­ga­no es­tá co­me­çan­do a me dar dor nas cos­tas) e des­ci a pé os qua­se du­zen­tos de­graus (ali­via um pou­co o pe­so da cons­ci­ên­cia), dei boa noi­te ao guar­da-no­tur­no que sem­pre me diz bom des­can­so pro se­nhor (pro se­nhor!), ga­nhei a cal­ça­da e dei de ca­ra com dois ca­ras, um ne­gro al­to e um bran­co bai­xo, am­bos pa­ra­dos ou­vin­do al­go no ce­lu­lar, que lo­go per­ce­bi co­mo sen­do a tal gra­va­ção Lula/Dilma.

Avan­cei um pou­co e, nas me­sas de cal­ça­da em bei­ra-bar, fer­vi­lha­vam vo­zes e sons so­bre o te­ma. En­tre tan­tas coi­sas que nos vêm à men­te de uma só vez, so­bre­veio-me o pen­sa­men­to cu­ri­o­so de que, pu­xa, não é sem­pre que o fu­te­bol dá lu­gar à po­lí­ti­ca nos pa­pos de por aí. Mas o pen­sa­men­to voa, e nis­so me dei con­ta de re­pen­te que não se tra­ta­va bem dis­so. Na ver­da­de, a tal gra­va­ção era, mais do que uma ques­tão po­lí­ti­ca, um epi­só­dio vul­gar de mo­tel. Por­que as­sim é que me pa­re­ceu ser tra­ta­do. Co­mo aque­le ca­ra que não sei on­de pe­gou a mu­lher no fla­gra com um ami­go en­tran­do no mo­tel e te­ve a pa­chor­ra de gra­var tu­do. Em tor­no de ce­lu­la­res, era as­sim que ab­sor­vi­am a con­ver­sa en­tre a pre­si­den­te e o no­vo mi­nis­tro.

O si­nal abriu pra mim. Qua­se sem per­ce­ber, ru­mi­nei a co­bran­ça que so­fri à tar­de­zi­nha. A co­le­ga, in­dig­na­da com a no­me­a­ção de Lu­la, me­diu mi­nha pes­soa e de re­pen­te sol­tou acho que vo­cê é pe­tis­ta, fi­cou qui­e­to o dia in­tei­ro! Te­nho pre­gui­ça, mas ex­pli­quei que não sou pe­tis­ta, não sou mi­li­tan­te po­lí­ti­co, sou ape­nas jor­na­lis­ta. Mas aqui­lo pa­re­ce que gru­dou em mim. O que é que eu sou nes­ta ho­ra? Ou­tro dia, vi um post de um ami­gão meu no fa­ce­bo­ok. Di­zia (não en­de­re­ça­do a mim, mas em ter­mos ge­rais) al­go as­sim: é ho­ra de vo­cê di­zer de que la­do es­tá. Con­fes­so que me deu um cer­to frio na bar­ri­ga. Não que de al­gum mo­do eu te­nha me sen­ti­do ame­a­ça­do, mas por­que de al­gum mo­do pen­sei que pu­des­se ha­ver al­guém ame­a­çan­do.

O que eu sou?

Sou um ca­ra, jor­na­lis­ta ou não, de­sen­can­ta­do com a po­lí­ti­ca e, em no­ven­ta e cin­co por cen­to do dia, com a pró­pria hu­ma­ni­da­de. E is­so tal­vez me aju­de a aden­trar a sen­sa­ção de li­ber­da­de pa­ra mer­gu­lhar aqui e ali em bus­ca de res­pos­tas, ou me­lhor, em bus­ca de com­pre­en­der o que es­tá ro­lan­do ao meu re­dor.

Ao mes­mo tem­po em que fi­co de­cep­ci­o­na­do ca­da vez que ou­ço uma des­sas gra­va­ções to­das, por­que no fun­do, por mais que me sen­tis­se pre­pa­ra­do, eu ja­mais ima­gi­na­va a pos­si­bi­li­da­de de tan­to li­xo, tam­bém me per­gun­to até que pon­to um juiz, so­zi­nho com sua re­les cons­ci­ên­cia, po­de ser tão ir­res­pon­sá­vel e di­ta­dor. Ao mes­mo tem­po em que me per­tur­ba uma fra­se des­res­pei­to­sa de um dos gra­va­dos, tam­bém me per­gun­to o que há ali de alheio ao nos­so pró­prio co­ti­di­a­no. Aliás, achei cu­ri­o­sas as ca­ras dos apre­sen­ta­do­res do Jor­nal Na­ci­o­nal quan­do da­vam aque­la pa­ra­di­nha pa­ra di­zer que fu­la­no ou bel­tra­no ha­via sol­ta­do um pa­la­vrão. Nos­sa! Fu­la­no ou bel­tra­no dis­se um pa­la­vrão. Que as­sep­sia!

O jor­na­lis­mo de­ve­ria, is­to sim, pre­o­cu­par-se um pou­co mais com a qua­li­da­de de seu con­teú­do. Se al­guém sem au­di­ção as­sis­tis­se ho­je ao JN, po­de­ria achar, das oi­to e meia às no­ve e pou­co, que es­tá­va­mos a mi­nu­tos de um jo­go qual­quer da se­le­ção bra­si­lei­ra. Por­que é as­sim que tra­ta­ram um mo­men­to im­por­tan­te da his­tó­ria, sem­pre um po­vão pu­lan­do no fun­do e um re­pór­ter atro­pe­lan­do as pa­la­vras à fren­te. Aliás, nes­sas ho­ras é que é pre­ci­so um pou­co de isen­ção. Apre­sen­ta­do­res er­ran­do a to­da ho­ra de­mons­tra­vam o ner­vo­sis­mo que vi­nha de on­de mes­mo? Tro­ca­ram no­mes, car­gos e até in­ven­ta­ram um no­vo tri­bu­nal no in­ter­va­lo do jo­go do Co­rinthi­ans, quan­do o ân­co­ra do Jor­nal da Glo­bo tas­cou “Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça”. To­dos sa­be­mos (?) que é ou Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça ou Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, não é ver­da­de?

Mas não foi só is­so, cla­ro. Du­ran­te to­do o dia – lem­brei-me en­quan­to da­va mais uma go­la­da – vi nos por­tais de in­for­ma­ção o mo­do abrup­to co­mo mui­tos jor­na­lis­tas de re­no­me con­du­zi­ram a ten­são em Bra­sí­lia. Ho­je, a ver­da­de é que o no­ti­ciá­rio vi­rou uma sa­va­na que as­sus­ta­ria até mes­mo as hi­e­nas. Não é pre­ci­so de­se­nhar, é?

Bom, já eram mais de no­ve. Es­que­ci de di­zer que quan­do che­guei em ca­sa e li­guei a TV, ain­da com a bol­sa no om­bro, es­pe­rei o pri­mei­ro blo­co do JN e cor­ri na es­tan­te pe­gar um vi­nho de vin­te e no­ve re­ais. Pe­guei tam­bém o abri­dor, mas não pre­ci­sou. Pa­ra mais uma de­cep­ção, era da­que­les que vo­cê só de­sen­ros­ca a tam­pi­nha. Fui be­be­ri­can­do. Às no­ve e pou­co, o Ro­dri­go San­to­ro che­gou nu­ma en­cru­zi­lha­da. Se não me en­ga­no, era Sal­va­dor ou zo­na ru­ral, al­go as­sim. Co­me­cei a za­pe­ar ain­da sen­ta­do no so­fá. Pa­la­vras, ce­nas, gra­va­ções, pa­la­vrões, tu­do se em­ba­ra­lhan­do aqui den­tro. Na­da nos ca­nais de fil­mes, já ti­nha vis­to o epi­só­dio dos Simp­sons, South Park ain­da não es­ta­va pas­san­do. Co­mi uma sa­la­da e um san­duí­che ven­do vá­ri­os no­ti­ciá­ri­os, um cro­co­di­lo sal­tou e tor­ceu al­go com sua man­dí­bu­la va­ga­bun­da, uma mu­lher loi­ra ex­pli­ca­va co­mo se­car não sei o quê (se não me en­ga­no, al­gu­ma par­te do cor­po), um nar­ra­dor de voz gra­ve anun­ci­a­va a des­co­ber­ta de um sar­có­fa­go do ano um an­tes de Deus e, por fim, me deu von­ta­de de ca­gar.

De­pois do ba­nho, can­sa­do, fui me dei­tar, en­sai­ei le­var adi­an­te o Joy­ce que es­tou len­do, mas não sei por que, exa­ta­men­te às on­ze e vin­te e oi­to, ti­ve que me le­van­tar, li­gar o com­pu­ta­dor e me por a es­cre­ver, obe­de­cen­do a es­sa he­ran­ça mal­di­ta, es­sa co­mi­chão que in­cen­deia o pei­to e nos faz gri­tar pe­las fa­lan­ges. E ago­ra, des­de o se­gun­do an­dar, ou­ço que ali em­bai­xo um ca­mi­nhão es­tá pa­ra­do e uns ca­ras uni­for­mi­za­dos pa­re­cem fa­zer al­gum ti­po de ne­bu­li­za­ção. De­ve ser con­tra a den­gue, ape­nas um dos mui­tos ma­les in­cu­rá­veis des­te país.

O ar es­tá tão pe­sa­do, qua­se ir­res­pi­rá­vel. Acho que vou me fe­char aqui den­tro. Acho que é o me­lhor pa­ra al­guém co­mo eu.

Compartilhe