Contos

Vítimas do trem noturno

domingo, 22 de maio de 2016 Texto de

Só mais dez mi­nu­tos, eu dis­se bai­xi­nho sem qua­se mo­ver os lá­bi­os pa­ra que eles não me ou­vis­sem. Ape­sar de tu­do, eu ten­ta­va mos­trar na­tu­ra­li­da­de. Ju­li­a­na aper­ta­va tão for­te mi­nha mão que che­ga­va do­er.

De ra­bo de olho pro­cu­rei es­pi­ar am­bos os la­dos, e pe­lo que vi éra­mos só os cin­co, nós du­as e eles. Eu sa­bia que pe­gar Ju­li­a­na pe­la mão e sair cor­ren­do não de­via ser a op­ção acon­se­lhá­vel, mas foi a pri­mei­ra coi­sa que me pas­sou pe­la ca­be­ça, sair cor­ren­do sem olhar pa­ra trás, sem olhar pa­ra eles, co­mo um pe­so ar­re­mes­sa­do adi­an­te nas olim­pía­das.

Mas o gran­de en­tra­ve, a gran­de mer­da, é que tal­vez es­sa hi­pó­te­se tão enér­gi­ca mor­res­se nu­ma pre­sun­ção irô­ni­ca, pois me fal­ta­ria exa­ta­men­te ener­gia su­fi­ci­en­te pa­ra mi­nhas per­nas sus­ten­ta­rem o pe­so do cor­po, tal o pa­vor que me per­cor­ria em on­das co­mo nu­ma có­li­ca de rim: a dor es­tá ali, mas vo­cê não sa­be de on­de vem.

Co­me­cei a for­mu­lar mil abs­tra­ções, uma tar­de de sá­ba­do com as unhas de Ju­li­a­na so­bre a me­sa e eu fa­zen­do aque­les en­fei­tes co­lo­ri­dos que ela ado­ra, eu le­van­do pa­ra ca­sa o ca­chor­ri­nho que Ju­li­a­na tan­to me pe­de, Ju­li­a­na len­do pe­la ené­si­ma vez o li­vro que ela mais gos­ta, mas ne­nhu­ma des­sas fan­ta­si­as que vão se dis­tan­ci­an­do de nos­sas vi­das ma­lu­cas co­la­va.

A for­ça in­te­gral do meu pen­sa­men­to, cem por cen­to de mi­nhas idei­as, o ro­lo com­pres­sor de to­da a en­ge­nha­ria neurô­ni­ca afluía pa­ra a per­cep­ção de que des­ta vez po­de­ría­mos, Ju­li­a­na e eu, es­tar no pa­pel de to­das as ví­ti­mas anô­ni­mas dos no­ti­ciá­ri­os da te­le­vi­são, pa­ra quem ge­ral­men­te olha­mos com ro­bó­ti­ca com­pai­xão en­quan­to mas­ti­ga­mos o jan­tar.

Ten­tan­do dis­far­çar ao má­xi­mo os mo­vi­men­tos, sa­quei o ce­lu­lar pa­ra en­vi­ar uma men­sa­gem de so­cor­ro ou al­go pa­re­ci­do, tal­vez eu nem con­se­guis­se for­mu­lar um pe­río­do co­e­ren­te, uma ideia va­ga ou mes­mo uma des­sas me­do­nhas fra­ses trun­ca­das que ha­bi­tam nos­sas con­ver­sas nas re­des so­ci­ais.

Mal pu­de to­car o apa­re­lho, meus de­dos tre­mi­am e eu ti­ve a cer­te­za de que ele ro­la­ria pe­lo chão e me de­nun­ci­a­ria, quem sa­be an­te­ci­pan­do a ação dos três. De­sis­ti de uma vez por­que tam­bém não era pos­sí­vel sol­tar a mão de Ju­li­a­na. Até con­se­gui, mas ela a agar­rou no­va­men­te um se­gun­do de­pois.

Mi­nha ca­be­ça pa­re­cia gi­rar, o tem­po pa­re­cia avan­çar e re­tro­ce­der si­mul­ta­ne­a­men­te. Eu sa­bia que após o des­fe­cho des­sa noi­te na­da mais se­ria co­mo an­tes, fi­si­ca­men­te, men­tal­men­te, eti­ca­men­te ou qual­quer que fos­se a ba­se em to­dos os gê­ne­ros pos­sí­veis que per­mi­tam uma aná­li­se do an­tes e do de­pois de um mo­men­to cru­ci­al de sua vi­da.

Olhei o re­ló­gio e vi que o tem­po ca­pri­cha­va ter­ri­vel­men­te em seu es­cár­nio. Tal­vez ain­da fal­tas­sem se­te ou oi­to mi­nu­tos! A ve­lo­ci­da­de di­mi­nuiu pou­co an­tes da es­ta­ção se­guin­te, pla­ne­jei sal­tar ali com Ju­li­a­na, mas não ha­via uma al­ma na noi­te lá fo­ra. Eu es­ta­va tão ator­do­a­da pe­la cir­cuns­tân­cia que por pou­co não gri­tei quan­do um de­les se le­van­tou bem na nos­sa fren­te.

Achei que fos­se su­fo­car quan­do ele res­va­lou em mi­nha bol­sa, não ha­via mais os de­dos de Ju­li­a­na e os meus de­dos, eram cor­pos úni­cos, co­la­dos, in­te­gra­dos, me­ta­mor­fo­se­a­dos em um só or­ga­nis­mo amor­fo, co­mo nos po­tes dos la­bo­ra­tó­ri­os de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, por fa­vor, me ma­te, por fa­vor, me sal­ve, mas a mas­sa hu­ma­na sim­ples­men­te pas­sou por mim e des­ceu.

Mi­nha res­pi­ra­ção era do­lo­ri­da e len­ta, as cos­tas me doíam, o cor­po to­do la­te­ja­va, eu pro­cu­rei es­con­der ao má­xi­mo es­sa des­car­ga de adre­na­li­na e ao mes­mo tem­po ten­tei com­pre­en­der o que me mo­ti­va­ra a pen­sar que os três es­ta­vam jun­tos, com­bi­na­dos, que fa­zi­am par­te de um mes­mo gru­po, uma gan­gue pron­ta a ata­car, exa­ta­men­te do ti­po que apa­re­ceu on­tem no Jor­nal Na­ci­o­nal, des­sas que fo­dem com nos­sas vi­das no meio da rua sem que al­guém pos­sa nos sal­var.

Mas a no­va ar­ran­ca­da, a os­ci­la­ção do va­gão con­for­me a ve­lo­ci­da­de au­men­ta­va, a noi­te lá fo­ra, o sen­ti­do ver­ti­gi­no­so do nos­so des­ti­no e, cla­ro, os dois que ti­nham res­ta­do di­an­te de nos­so ban­co, sen­ta­dos à nos­sa fren­te co­mo ho­mens ino­cen­tes, ci­da­dãos até que se pro­ve o con­trá­rio, tu­do is­so me de­vol­veu ao pe­sa­de­lo an­te­ri­or, à ame­a­ça à nos­sa in­te­gri­da­de fí­si­ca, à es­co­li­nha de Ju­li­a­na, ao apar­ta­men­to que pre­ten­do com­prar em in­fi­ni­tas pres­ta­ções, ao ter­ror, en­fim, de ví­ti­mas que vi­vem a re­me­di­ar su­as do­res pe­la eter­ni­da­de de sua exis­tên­cia. Na es­ta­ção se­guin­te, pa­ra mi­nha sur­pre­sa, mais um de­les sal­tou.

E de­pois, na úl­ti­ma an­tes da nos­sa, o ou­tro.

Fal­ta­vam dois ou três mi­nu­tos pa­ra des­cer­mos. Sem dis­far­çar, olhei pa­ra os dois la­dos. Avis­tei o ho­ri­zon­te qua­se va­zio dos va­gões vi­zi­nhos. En­fi­ei a mão li­vre na bol­sa, ago­ra sim se­gu­rei com fir­me­za o ce­lu­lar. Aces­sei o What­sApp, vi que ha­via vá­ri­as men­sa­gens de ca­sa, de ami­gos, do gru­po de tra­ba­lho.

Lem­brei do di­nhei­ro guar­da­do num dos com­par­ti­men­tos, abri o zí­per co­mo uma to­la, co­mo se uma mão in­vi­sí­vel pu­des­se ter se me­ti­do ali, apal­pei as cé­du­las, mas eram tão pou­cas que sen­ti a fa­ce in­cen­di­ar. Da­li a pou­co o trem iria re­du­zir a ve­lo­ci­da­de, mas ain­da cor­ria a to­da pe­los tri­lhos, vi o rio re­fle­tin­do lu­zes dis­tan­tes, ár­vo­res que se re­du­zi­am a som­bras, um céu in­vi­sí­vel mas inequí­vo­co que pa­re­cia guar­dar la­men­tos e des­lum­bra­men­tos.

Fi­ze­mos o res­tan­te do per­cur­so em si­lên­cio, Ju­li­a­na ain­da com as mãos cra­va­das nas mi­nhas. Eu não ten­tei di­zer na­da a ela. Não sei se con­se­gui­ria di­zer al­go a ela, tal­vez mi­nha voz fa­lhas­se feio ou sim­ples­men­te não so­as­se na­tu­ral ou quem sa­be, o que é bem pro­vá­vel, vi­es­se acom­pa­nha­da de um pran­to amar­go, amar­go de pa­vor, amar­go de me­do, amar­go de rai­va.

Palavras-chave

Compartilhe