As no­vas re­la­ções hu­ma­nas, mo­ti­va­das ou mes­mo man­ti­das pe­las re­des so­ci­ais, cri­a­ram uma ver­ten­te que às ve­zes as­sus­ta: tra­ta-se do “mis­tu­rê-fu­zuís­ti­co-se-eu-não-jo­gar-le­vo-a-bo­la-em­bo­ra”.

De mo­do qua­se ina­cre­di­tá­vel, pes­so­as que se di­zem de­mo­cra­tas e bla­bla­blá de­so­vam uma in­to­le­rân­cia im­pres­si­o­nan­te nos mais ra­sos de­ba­tes so­bre po­lí­ti­ca ou com­por­ta­men­to.

Re­pre­sen­tan­tes de uma es­pé­cie cô­mi­ca de nar­ci­sis­mo ide­o­ló­gi­co, elas ten­tam im­por o sec­ta­ris­mo a par­tir de um ideá­rio tão fa­cil­men­te des­mon­tá­vel co­mo uma ca­ne­ta qual­quer de plás­ti­co.

E agem co­mo se es­ti­ves­sem re­al­men­te in­tei­ra­das so­bre os te­mas dos quais pro­cu­ram se apro­pri­ar, ge­ral­men­te re­ves­ti­dos de to­da a sor­te de ba­bo­sei­ras e bo­a­ta­ri­as.

Que por­ra de li­ber­da­de é es­sa?

Que por­ra de li­ber­da­de de ex­pres­são é es­sa que vo­cê não po­de di­zer que gos­ta de chu­va pa­ra os que pre­fe­rem o sol?

Eu me lem­bro de uma re­la­ção de ami­za­de que ti­ve e de cu­jas di­fe­ren­ças é pos­sí­vel ar­ran­car to­das as im­pos­si­bi­li­da­des de uma boa con­vi­vên­cia den­tro dos pa­râ­me­tros atu­ais cri­a­dos pe­la so­ci­e­da­de vir­tu­al. Eu vo­ta­va na opo­si­ção e ele no Ma­luf; eu pal­mei­ren­se e ele são-pau­li­no; eu lia a Fo­lha e ele, o Es­ta­dão; ele era pró-pre­fei­to, eu era con­tra etc etc. E fo­ra is­so, tam­bém éra­mos con­cor­ren­tes.

Mas es­sas di­fe­ren­ças, ao in­vés de es­tre­me­cer nos­so con­ví­vio, ser­vi­am pa­ra nos apro­xi­mar, tal­vez por­que dis­cu­tir idei­as se­ja mui­to mais pro­du­ti­vo quan­do nos de­fron­ta­mos com pen­sa­men­tos dis­tin­tos.

Eu e es­se gran­de ca­ra, tão di­fe­ren­te de mim, não te­ría­mos nos ex­cluí­do ou nos ofen­di­do ca­so as mí­di­as so­ci­ais ti­ves­sem che­ga­do trin­ta anos an­tes.

Acho que é por is­so que me as­sus­to. Por­que mes­mo ho­je te­nho ami­gos que cer­ta­men­te dis­cor­dam das mi­nhas opi­niões ou do meu com­por­ta­men­to, e vi­ce-ver­sa. Que­ro acre­di­tar que eles não vão pe­gar a bo­la e le­var em­bo­ra nu­ma ho­ra des­sas. E nem eu.

Compartilhe