Crônicas

Do lado de fora da Copa

terça-feira, 24 de junho de 2014 Texto de
Cena do filme "O ano em que meus pais saíram de férias"

Ce­na do fil­me “O ano em que meus pais saí­ram de fé­ri­as”

No fil­me “O ano em que meus pais saí­ram de fé­ri­as”, há uma ce­na em­ble­má­ti­ca ca­paz de tra­du­zir o sen­ti­men­to que em­ba­la o tor­ce­dor nu­ma Co­pa do Mun­do. Um gru­po de re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os as­sis­te ao jo­go Bra­sil x Tche­cos­lo­vá­quia e quan­do o país eu­ro­peu (en­tão um es­ta­do co­mu­nis­ta que ain­da reu­nia a Re­pú­bli­ca Tche­ca e a Es­lo­vá­quia) abre o pla­car, vá­ri­os de­les gri­tam gol, fe­cham os pu­nhos, di­zem pa­la­vras de or­dem etc. No en­tan­to, mi­nu­tos de­pois, quan­do Ri­ve­li­no co­bra uma fal­ta e em­pa­ta, aí sim há uma ex­plo­são es­pon­tâ­nea e eles se abra­çam, vi­bram e co­me­mo­ram in­de­pen­den­te­men­te de po­si­ções po­lí­ti­cas.

Ape­sar da ação sel­va­gem de fac­ções bár­ba­ras de tor­ci­das or­ga­ni­za­das, o fu­te­bol tem uma in­crí­vel ca­pa­ci­da­de de unir. Não é à toa que a po­lí­ti­ca ten­te ti­rar pro­vei­to des­se uni­ver­so apai­xo­nan­te. Pou­cos even­tos pin­tam de co­res tão for­tes o ima­gi­ná­rio po­pu­lar bra­si­lei­ro e tam­bém o de ou­tros paí­ses.

Já cha­ma­ram o fu­te­bol de ópio e de re­li­gião. Já cri­a­ram um céu es­pe­cí­fi­co, on­de deu­ses te­cem em ca­pí­tu­los sua for­mi­dá­vel his­tó­ria. Mas acho que na­da po­de ser mais pal­pá­vel e mais aces­sí­vel do que es­se es­por­te. Bas­ta uma coi­sa re­don­da e du­as pe­dras pa­ra co­me­çar o jo­go nu­ma rua qual­quer. O fu­te­bol nos igua­la. O fu­te­bol nos tor­na mais hu­ma­nos.

Vi um dia des­ses um do­cu­men­tá­rio so­bre a di­ta­du­ra uru­guaia em que um mi­li­tan­te de es­quer­da dá um de­poi­men­to emo­ci­o­nan­te a res­pei­to da vi­tó­ria de seu país no Mun­di­a­li­to (tor­neio que reu­niu as se­le­ções cam­peãs do mun­do e a Ho­lan­da en­tre de­zem­bro de 1980 e ja­nei­ro de 1981). Diz ele que es­ta­va pre­so ao la­do de cen­te­nas de uru­guai­os que con­tes­ta­vam a di­ta­du­ra, vi­gi­a­dos por guar­das e mi­li­ta­res do re­gi­me. Mas quan­do o Uru­guai fez o se­gun­do gol so­bre o Bra­sil na fi­nal, o pre­sí­dio ex­plo­diu nu­ma gran­de fes­ta en­tre ir­mãos, de­ten­tos e li­ber­tos.

No Chi­le, ad­ver­sá­rio do Bra­sil nas oi­ta­vas de fi­nal des­ta Co­pa do Mun­do, os pri­si­o­nei­ros da di­ta­du­ra eram le­va­dos pa­ra o Es­tá­dio Na­ci­o­nal, em San­ti­a­go. Lá eram tor­tu­ra­dos e, às ve­zes, mor­tos. Is­so, en­tre­tan­to, não fez do es­tá­dio um lu­gar mal­di­to, mas um sím­bo­lo de es­pe­ran­ça e de li­ber­da­de. Tam­bém ali o fu­te­bol ven­ceu a vi­o­lên­cia e a ti­ra­nia.

Nes­ta Co­pa do Mun­do, tam­bém es­tá ins­ti­tuí­da uma ti­ra­nia. Por­que é uma pe­na que o as­pec­to fi­nan­cei­ro te­nha sim­ples­men­te ali­ja­do dos es­tá­di­os as ca­ma­das mais po­bres da po­pu­la­ção. Ao con­trá­rio dos per­se­gui­dos po­lí­ti­cos chi­le­nos, aqui a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra foi pre­sa fo­ra dos es­tá­di­os.

Não te­nho na­da con­tra as pes­so­as que po­dem pa­gar por um in­gres­so de mil re­ais e que mal sa­bem o que é um es­can­teio. O pro­ble­ma é a fal­ta de con­si­de­ra­ção por aque­les que po­de­mos até cha­mar de “ver­da­dei­ros tor­ce­do­res”, aque­la ga­le­ra que “co­me gra­ma” nos cam­pe­o­na­tos de per­nas de pau.

O go­ver­no e a or­ga­ni­za­ção da Co­pa de­ve­ri­am ter pen­san­do nis­so. Te­ri­am fei­to jus­ti­ça a um país que es­tá mui­to dis­tan­te das con­di­ções fa­vo­rá­veis pro­pi­ci­a­das du­ran­te sé­cu­los às eli­tes. Já é tar­de. Não dá mais. A Co­pa, pa­ra as mas­sas po­pu­la­res, é aqui fo­ra. Lon­ge do hi­no que ago­ra faz cho­rar. Lon­ge da os­ten­ta­ção. Lon­ge do des­fi­le de vai­da­des nos ca­ma­ro­tes e nas al­mo­fa­das. Lon­ge das ca­ras e bo­cas pa­ra o te­lão. Mas per­to do ca­lor hu­ma­no que só a rua é ca­paz de nos dar.

Compartilhe