Crônicas

Receita para ganhar na loteria

terça-feira, 27 de maio de 2014 Texto de

An­to­nio Car­los Bar­bo­sa, téc­ni­co que di­ri­giu a se­le­ção bra­si­lei­ra de bas­que­te fe­mi­ni­no, es­ta­va no al­mo­ço que co­me­mo­rou os 50 anos de car­rei­ra de Sa­mu­el Fer­ro, ou­tro no­me bas­tan­te co­nhe­ci­do no es­por­te na­ci­o­nal pe­lo seu tra­ba­lho co­mo jor­na­lis­ta em São Pau­lo e que ago­ra se de­di­ca a co­man­dar a TV Pre­ve, emis­so­ra de Bau­ru que ele mes­mo im­plan­tou há vin­te anos. Con­vi­da­do pa­ra o even­to, sen­tei por aca­so à mes­ma me­sa do Bar­bo­sa.

De­pois que, ao la­do do eco­no­mis­ta Rei­nal­do Ca­feo e do gran­de jor­na­lis­ta Zar­cil­lo Bar­bo­sa, a gen­te se quei­xou dos pre­ços das be­bi­das nos ba­res e res­tau­ran­tes de Bau­ru, das al­tas ta­xas que co­bram e dos bai­xos ju­ros que pa­gam os ban­cos, de­pois que o Bar­bo­sa fa­lou da his­tó­ria de Bau­ru e tam­bém de­pois que o Zar­cil­lo quis sa­ber co­mo an­da­va o jor­nal Bom Dia (e eu dis­se a ele que saí faz tem­po e que o jor­nal in­fe­liz­men­te de­fi­nhou), o Du­da veio à me­sa.

Du­da Tre­vi­za­ni, su­pe­rin­ten­den­te da TV Pre­ve e co­man­dan­te do Pre­ve Ob­je­ti­vo, pas­sou pa­ra dar um alô e fez um co­men­tá­rio so­bre Ca­fe­lân­dia em tom de brin­ca­dei­ra. “É a úni­ca ci­da­de do mun­do on­de a elei­ção em­pa­tou du­as ve­zes”, exa­ge­rou (na ver­da­de, acho que foi uma vez só). Foi quan­do Bar­bo­sa (o téc­ni­co), aler­ta­do de que se tra­ta­va da mi­nha ci­da­de, dis­se que co­nhe­cia gen­te de lá. “Co­mo vai o Ju­ran­dir Burghet­ti?” “Bom, pe­lo que sei, ele não jo­ga mais na Ca­fe­lan­den­se”, brin­quei. “Man­da um abra­ço pra ele”, de­vol­veu o Bar­bo­sa. E em se­gui­da: “E o Ar­geu? Es­tá bom? Pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca”. “Sim, Ar­geu de Go­doy, meu pro­fes­sor”, eu dis­se, e acho que de Ca­fe­lân­dia in­tei­ra.

O Du­da, que é de Pi­ra­juí, e ain­da es­ta­va por ali pa­pe­an­do, vi­ra-se de re­pen­te e diz: “sa­be que eu e o Ar­geu ga­nha­mos na lo­te­ria?”. Ca­ram­ba, pen­sei, se­rá que foi ago­ra? Mas não. Faz um bal­de de dé­ca­das. O pre­fei­to de Bau­ru, Ro­dri­go Agos­ti­nho, que tam­bém es­ta­va por lá, nem de­via ter nas­ci­do ain­da (em Ca­fe­lân­dia, cla­ro!).

Diz o Du­da que num sá­ba­do ele e o Ar­geu es­ta­vam jun­tos não sei em que even­to e re­sol­ve­ram ar­ris­car a sor­te na lo­te­ria fe­de­ral. Com­pra­ram al­guns pe­da­ços de cer­to bi­lhe­te e fo­ram em­bo­ra. À tar­de­zi­nha, ain­da jun­tos, ou­vi­ram o es­po­car de ro­jões. “O Ar­geu dis­se pra mim”, con­ta o Du­da, “tá ou­vin­do os fo­gos? Ga­nhei na lo­te­ria”.

E não é que de­pois, ao con­fe­rir, vi­ram que re­al­men­te ti­nham le­va­do o prê­mio?

Bom, a re­cei­ta é es­sa. Fa­ça sua apos­ta e tor­ça pa­ra al­guém sol­tar ro­jões na ho­ra do sor­teio. Se não der cer­to, não es­quen­te a ca­be­ça. Co­mo di­zia o Seu Ar­geu du­ran­te nos­sas au­las de edu­ca­ção fí­si­ca, o im­por­tan­te é com­pe­tir. Quan­to a es­se man­da­men­to, vou tran­qui­lo. Faz tem­po que, bem ou mal, es­tou no jo­go. E quan­do vo­cê es­tá há mui­to tem­po no jo­go, vo­cê apren­de al­gu­ma coi­sa.

Eu apren­di que se o jo­go te der as cos­tas, é acon­se­lhá­vel res­pon­der a ele com as pa­la­vras do Ca­zu­za: “se vo­cê achar que eu tô der­ro­ta­do, sai­ba que ain­da es­tão ro­lan­do os da­dos, por­que o tem­po, o tem­po não pa­ra”.

Compartilhe