Crônicas

A tática do Tufim e o futuro do passado

terça-feira, 20 de maio de 2014 Texto de
Eu aos 9: terceiro ano do grupo escolar

Eu aos 9: ter­cei­ro ano do gru­po es­co­lar

- Vo­cê acha que po­de? – a mu­lher que apa­ren­ta ter ses­sen­ta anos ba­te uma das mãos na per­na, in­dig­na­da, na fi­la do ban­co.

Es­tão em du­as e fa­lam so­bre um epi­só­dio ba­nal nu­ma es­co­la pú­bli­ca. O alu­no quis des­cer o bra­ço na pro­fes­so­ra. Pe­lo que ou­vi de­las, a coi­sa não che­gou às vi­as de fa­to. E tal­vez a in­dig­na­ção da­que­la se­nho­ra de bai­xa es­ta­tu­ra e olhos graú­dos atrás dos ócu­los aca­be se per­den­do na gran­de ba­bel em que se trans­for­mou a es­co­la pú­bli­ca no Bra­sil.

Afo­ra pro­je­tos pon­tu­ais, cu­jo mé­ri­to es­tá vin­cu­la­do mui­to mais aos pro­fes­so­res e aos pró­pri­os alu­nos, so­brou pou­ca coi­sa além de pro­fis­si­o­nais mal pa­gos aban­do­na­dos pe­lo Es­ta­do e de es­tu­dan­tes per­di­dos em meio às ad­ver­si­da­des ge­ra­das pe­la fal­ta de uma po­lí­ti­ca edu­ca­ci­o­nal de­cen­te, e bem no mo­men­to em que eles mais pre­ci­sam, na­que­le pe­río­do em que re­ce­bem a for­ma­ção bá­si­ca pa­ra a vi­da to­da.

Fiz aqui uma con­ta ra­sa e (ao me­nos no meu tem­po de es­co­la pú­bli­ca – dé­ca­das de 1970 e 1980) ti­ve en­tre cin­quen­ta e ses­sen­ta pro­fes­so­res. Pa­ra quem se ape­ga a nú­me­ros, eis aí a tra­du­ção ma­te­má­ti­ca so­bre a im­por­tân­cia da edu­ca­ção (ho­je cha­ma­da) fun­da­men­tal e de­pois a mé­dia. Um ver­da­dei­ro ba­ta­lhão de pro­fis­si­o­nais pas­sa pe­la sua vi­da pa­ra cons­truir sob seus pés o ali­cer­ce do seu fu­tu­ro.

Pa­ra o Es­ta­do, en­tre­tan­to, a edu­ca­ção pa­re­ce ser um pe­so do qual é pre­ci­so se li­vrar. E o pi­or de tu­do é que a so­ci­e­da­de, in­cluin­do fa­mí­li­as que mui­tas ve­zes tam­bém es­tão pou­co se li­xan­do pa­ra a for­ma­ção dos fi­lhos, des­de que pos­sam ter seu ce­lu­lar e seu tê­nis da mo­da, es­sa so­ci­e­da­de se omi­te e com is­so le­va à de­gra­da­ção edu­ca­ci­o­nal e cul­tu­ral de ge­ra­ções in­tei­ras.

E pen­sar que a es­co­la pú­bli­ca te­ve pro­fes­so­res co­mo Tu­fim Fu­kuha­ra. Não sei quan­tos anos ele te­rá ho­je. Não o ve­jo há qua­se três dé­ca­das. Mas me re­cor­do per­fei­ta­men­te de seu Fus­ca bran­co e de seu es­ti­lo nas au­las de his­tó­ria. Exi­gia si­lên­cio ab­so­lu­to quan­do fa­la­va. E pa­ra is­so, além de nos fu­zi­lar com olha­res ame­a­ça­do­res ou di­zen­do com sua voz po­ten­te “seu mo­o­o­o­o­o­ço!”, além des­sas es­tra­té­gi­as que no fun­do es­con­di­am sua sim­pa­tia e in­te­res­se, ele ado­ta­va um mé­to­do bas­tan­te sim­ples e in­te­li­gen­te.

En­quan­to ele ex­pli­ca­va a ma­té­ria, nin­guém po­dia ano­tar na­da. Ape­nas de­pois que ele con­cluía, vo­cê po­dia es­cre­ver o que cha­má­va­mos de “pon­to” (o con­teú­do). Ca­da um bo­ta­va em seu ca­der­no e a seu mo­do o con­teú­do ex­pli­ca­do mi­nu­tos an­tes. Tu­fim cri­a­va jo­vens au­to­res. Ou pe­lo me­nos es­ti­mu­la­va. Não ti­nha co­mo não me­mo­ri­zar a in­for­ma­ção. Is­so fa­ci­li­ta­va tu­do: a com­pre­en­são (por­que o que vo­cê es­cre­ve é mais fa­cil­men­te ab­sor­vi­do por sua men­te); a pro­va (por­que vo­cê se lem­bra­va do que ti­nha es­cri­to); e o pró­prio an­da­men­to da au­la (por­que vo­cê pre­ci­sa­va es­cre­ver o que ele ti­nha di­to e pa­ra is­so era ne­ces­sá­rio aten­ção to­tal na ho­ra em que ele fa­la­va).

Não é ge­ni­al? Uma tá­ti­ca sim­ples e ge­ni­al.

Eu po­de­ria es­cre­ver uma crô­ni­ca so­bre ca­da um dos meus pro­fes­so­res. Ou pe­lo me­nos so­bre a gran­de mai­o­ria de­les. Es­tá cer­to, ti­ve pro­fes­so­res ar­ro­gan­tes, cha­tos, ma­las e fol­ga­dos (uma se­nho­ra, por exem­plo, em­bo­ra bas­tan­te sen­su­al, usa­va ócu­los es­cu­ros pa­ra ti­rar uns co­chi­li­nhos atrás da me­sa), mas te­nho cons­ci­ên­cia de que to­dos eles me aju­da­ram na bus­ca (que ain­da não ter­mi­nou) por uma vi­da dig­na.

Fi­co pen­san­do no Tu­fim e em to­dos eles, e tam­bém nos meus co­le­gas alu­nos, e ten­to pro­je­tar o fu­tu­ro: se­rá que lá a mai­o­ria dos es­tu­dan­tes de es­co­las pú­bli­cas de ho­je lem­bra­rá des­te pre­sen­te que pa­ra eles se­rá pas­sa­do com tan­to ca­ri­nho co­mo eu me lem­bro do Tu­fim e de to­dos aque­les que se de­di­ca­ram a nos edu­car? E se­rá que os pro­fes­so­res sen­ti­rão or­gu­lho das ge­ra­ções que ten­ta­ram for­mar?

Compartilhe