Crônicas

“Ela”, o filme, e o tronco da bananeira

sexta-feira, 4 de abril de 2014 Texto de

Eu co­nhe­ci um ca­ra que na in­fân­cia ti­nha uma ba­na­nei­ra pre­fe­ri­da. “Quan­do eu fa­ço o bu­ra­co no tron­co, eu con­ver­so com ela”, ele me dis­se uma vez. “E eu a ou­ço quan­do a gen­te es­tá... vo­cê sa­be”, ele tam­bém me dis­se. Ve­ja bem o que ele me dis­se: “... quan­do a gen­te es­tá”. Ou se­ja, ele in­cluiu a ba­na­nei­ra no mun­do da ra­zão, ele deu uma cons­ci­ên­cia à ba­na­nei­ra.

Ao ver “Ela”, fil­me per­tur­ba­dor pa­ra quem bus­ca na so­li­dão uma com­pa­nhei­ra le­al, lem­brei-me des­sa con­fis­são, fei­ta nu­ma ho­ra bes­ta en­quan­to mi­já­va­mos à bei­ra de um cam­pi­nho de fu­te­bol. O sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal por quem o per­so­na­gem de Jo­a­quin Pho­e­nix se apai­xo­na num fu­tu­ro pró­xi­mo é a ba­na­nei­ra do meu qua­se-ami­go.

O tem­po cor­re, mas os ins­tin­tos bá­si­cos so­bre­vi­vem ao tem­po.

Por mais so­zi­nhos que pen­se­mos es­tar, há al­go aqui den­tro pul­san­do inin­ter­rup­ta­men­te e nos cha­man­do pa­ra jo­gar. E cer­ta­men­te não se tra­ta da ba­na­nei­ra nem do sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal, mas do gri­to lou­co que to­dos te­mos no pei­to e que uns con­se­guem su­fo­car mais do que ou­tros.

En­tre a ba­na­nei­ra do meu qua­se-ami­go e o sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal do Jo­a­quin Pho­e­nix, dá em­pa­te. Por­que a ba­na­nei­ra ti­nha a van­ta­gem fí­si­ca pa­ra que meu qua­se-ami­go fi­zes­se lá o bu­ra­co ne­ces­sá­rio pa­ra ma­tar seus de­se­jos, mas o sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal de “Ela” é ca­paz de, ele mes­mo, en­vol­ver-se sen­ti­men­tal­men­te com Jo­a­quin Pho­e­nix (fo­ra a voz da Scar­lett Johans­son, né?)

Quan­to aos hu­ma­nos, a bus­ca pe­la ba­na­nei­ra na­que­les tem­pos re­pre­sen­tou pa­ra meu qua­se-ami­go um im­por­tan­te de­grau na es­ca­la evo­lu­ti­va do pra­zer. Já o pro­ta­go­nis­ta de “Ela”, fa­zen­do jus aos tem­pos mo­der­nos, con­se­gue am­pli­ar seus ho­ri­zon­tes amo­ro­sos (e tal­vez fu­gir de sua cru­el re­a­li­da­de) ao li­dar com uma re­la­ção que, no fim das con­tas, é cria de sua ca­pa­ci­da­de de for­ma­tar a ima­gi­na­ção a par­tir de su­as pró­pri­as de­man­das sen­ti­men­tais.

Nos dois ca­sos, en­tre­tan­to, as­sim co­mo sem­pre acon­te­ce nos mo­men­tos em que bo­ta­mos o pe­zi­nho na­que­la fai­xa de so­lo ilu­mi­na­da por uma pla­ca es­ti­lo­sa que faz bri­lhar a pa­la­vra avan­ço, nos dois ca­sos nos­sos he­róis cor­rem o ris­co de se me­ter em be­las en­ras­ca­das.

É, fa­zer o quê? O des­co­nhe­ci­do é um tan­to es­cu­ro. E às ve­zes, ma­chu­ca.

“Não sei se foi aque­le lei­te, sa­be?”, jus­ti­fi­cou-se meu qua­se-ami­go à bei­ra do cam­pi­nho, am­bos já no fim da mi­ja­da. “Olha aqui”, ele vi­rou-se pa­ra mim, “tá ven­do?”. E mos­trou a pe­le do di­to cu­jo com uma man­cha es­cu­ra. “Acho que quei­mou.”

“Ela” quei­ma.

Compartilhe