Crônicas

Âncora para a vida

sábado, 12 de Abril de 2014 Texto de
A casa onde nasci, num bairro rural de Cafelândia, estava assim há alguns anos

A ca­sa on­de nas­ci, no bair­ro ru­ral La­goa Se­ca, es­ta­va as­sim há al­guns anos

(Tex­to fei­to pa­ra o Jor­nal Ci­da­de, de Ca­fe­lân­dia)

Pe­lo fa­ce­bo­ok, o Pau­lo Ro­ber­to Go­mes per­gun­ta se eu pos­so es­cre­ver uma “ho­me­na­gem” a Ca­fe­lân­dia. Eu, pra di­zer a ver­da­de, não sei se sa­be­ria for­mu­lar al­go des­se ti­po. Mi­nhas ho­me­na­gens às coi­sas que eu gos­to es­tão no meu co­ti­di­a­no. Por exem­plo: até há pou­co tem­po, eu era di­re­tor de vá­ri­as re­da­ções de jor­nal e vi­a­ja­va to­das as se­ma­nas pa­ra di­fe­ren­tes re­giões do es­ta­do de São Pau­lo. Era mui­to co­mum me per­gun­ta­rem por aí: e sua ci­da­de, co­mo vai? Eu res­pon­dia: bom, vo­cê de­ve es­tar fa­lan­do de Bau­ru, mas eu sou de Ca­fe­lân­dia, co­nhe­ce?

Em­bo­ra eu vi­va em Bau­ru, ci­da­de que ado­ro, ja­mais dei­xei de la­do mi­nha Ca­fe­lân­dia. Além da fa­mí­lia e de ami­gos, um pou­co de mim con­ti­nua aqui.

Con­ti­nua aqui por­que foi on­de co­me­cei o apren­di­za­do pa­ra uma vi­da cu­jo mai­or ob­je­ti­vo é não me se­pa­rar da dig­ni­da­de e da ho­nes­ti­da­de, re­fe­rên­ci­as to­ma­das no seio fa­mi­li­ar e a par­tir das quais é pos­sí­vel en­xer­gar o mun­do com es­pe­ran­ça. Eu sei que a bus­ca por es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas in­di­vi­du­ais não pas­sa de obri­ga­ção pa­ra qual­quer ser hu­ma­no, mas uma obri­ga­ção que nos di­as de ho­je me pa­re­ce bas­tan­te pá­li­da.

Em mo­men­tos cru­ci­ais da mi­nha vi­da, quan­do pre­ci­sei to­mar de­ci­sões im­por­tan­tes no cam­po pro­fis­si­o­nal ou pes­so­al, es­se apren­di­za­do sem­pre fa­lou mais al­to.

Em Ca­fe­lân­dia ti­ve meu pri­mei­ro em­pre­go, aos 14 anos. Eu era um tra­ba­lha­dor bra­çal: var­ria a lo­ja, es­pa­na­va os mó­veis, aju­da­va a car­re­gar o ca­mi­nhão pa­ra as en­tre­gas e fa­zia tam­bém ou­tros ser­vi­ços mais le­ves, co­mo ir ao ban­co e le­var as con­tas aos cli­en­tes, de ca­sa em ca­sa, no fim do mês.

Eu pen­so nes­sa épo­ca com ca­ri­nho. Às ve­zes, con­fes­so, eu me sen­tia hu­mi­lha­do ao de­sem­pe­nhar cer­tas ta­re­fas, mas as­sim mes­mo as fa­zia. Ho­je, olho pe­lo re­tro­vi­sor e ve­jo que, afi­nal, tá va­len­do! O ho­mem pre­ci­sa do des­con­for­to e da ad­ver­si­da­de pa­ra va­lo­ri­zar o que é bom e be­lo.

Pre­ci­sa da dor pa­ra apro­vei­tar me­lhor o pra­zer.

Quan­do o Pau­lo me pe­diu um tex­to em ho­me­na­gem a Ca­fe­lân­dia, pen­sei em ci­tar um mon­te de gen­te ba­ca­na com quem con­vi­vi e com quem apren­di. Mas de­sis­ti da ideia por­que cor­re­ria o ris­co de omi­tir no­mes que, no de­cor­rer dos tem­pos, vão se aco­mo­dan­do nas pro­fun­de­zas da mi­nha meia dú­zia de neurô­ni­os.

E des­se mo­do, pa­ra evi­tar que es­te tex­to te­nha um con­tor­no im­pes­so­al, pa­ra não dei­xá-lo se per­der na ne­bli­na das coi­sas ge­né­ri­cas, re­sol­vi es­cre­ver aqui o no­me de uma só pes­soa, que tem no­bre­za de ca­rá­ter su­fi­ci­en­te pa­ra ilus­trar na prá­ti­ca mi­nha me­mó­ria afe­ti­va de Ca­fe­lân­dia: Iri­neu Me­ne­gas­si.

Ou­tro dia es­cre­vi em al­gum lu­gar que sem­pre ti­ve mui­ta sor­te com meus pa­trões e che­fes. O Seu Iri­neu foi um dos pri­mei­ros. Cul­to, sim­pá­ti­co, com­pe­ten­te, apre­ci­a­dor de mú­si­ca or­ques­tra­da e ar­tis­ta es­me­ra­do e cui­da­do­so. Um exem­plo pa­ra qual­quer ga­ro­to que, co­mo eu, es­ta­va sain­do das fral­das.

Lem­bro-me de uma gran­de li­ção que re­ce­bi de­le e que me ser­viu de mo­do de­ci­si­vo pa­ra mi­nha con­du­ta pro­fis­si­o­nal. Eu ain­da tra­ba­lha­va na Ca­sa Chic quan­do co­me­cei a es­cre­ver pa­ra o Jor­nal de Ca­fe­lân­dia. Na mi­nha co­lu­na, eu não eco­no­mi­za­va crí­ti­cas ao pre­fei­to. Crí­ti­cas, às ve­zes, áci­das de­mais, pe­sa­das pa­ra a épo­ca. Foi quan­do o Seu Iri­neu me cha­mou ao es­cri­tó­rio e, com sua edu­ca­ção re­fi­na­da tra­du­zi­da num tom de voz cal­mo e pa­ter­nal, dis­se al­go as­sim: “Már­cio, vo­cê de­ve re­al­men­te cri­ti­car o que es­tá er­ra­do, mas acho que sem­pre é bom fa­zer is­so com res­pei­to”.

É is­so. Es­se con­se­lho en­trou na mi­nha ca­be­ça co­mo a ân­co­ra que sub­mer­ge sob o na­vio pa­ra dar a ele se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de. Uma ân­co­ra que po­de ser er­gui­da e bai­xa­da à me­di­da das ne­ces­si­da­des. Ca­fe­lân­dia não dei­xa de ser uma ân­co­ra na mi­nha vi­da. E, acho eu com jus­ti­ça, o Seu Iri­neu é um le­gí­ti­mo re­pre­sen­tan­te da­qui­lo que há de bom nes­ta ter­ra.

Palavras-chave

Compartilhe