De responsabilidade e colhões | Márcio ABC

Crônicas

De responsabilidade e colhões

quarta-feira, 26 de março de 2014 Texto de

Quan­tas ve­zes já ou­vi­mos al­guém bra­dar “que­ro ver se ele tem co­ra­gem de di­zer is­so na mi­nha ca­ra”? Es­se ti­po de fra­se e seus afins são co­muns quan­do as pes­so­as se sen­tem ofen­di­das por pa­la­vras di­tas lon­ge de sua pre­sen­ça.

No jor­na­lis­mo cos­tu­ma-se di­zer que é mui­to mais fá­cil cri­ti­car os po­lí­ti­cos de Bra­sí­lia, que ge­ral­men­te es­tão dis­tan­tes, do que fa­lar da­que­les mais pró­xi­mos, dos ho­mens pú­bli­cos que po­dem ser en­con­tra­dos nos ba­res, res­tau­ran­tes ou mes­mo nas ru­as por on­de pas­sa­mos.

De fa­to, a ve­lha te­se de que é mais fá­cil ter co­lhões quan­do sua ví­ti­ma es­tá fo­ra do al­can­ce fí­si­co pa­re­ce ga­nhar cor­po nas re­des so­ci­ais.

Tor­nou-se uma ba­na­li­da­de do co­ti­di­a­no os usuá­ri­os man­da­rem chum­bo quen­te em fi­gu­ras pú­bli­cas, co­mo po­lí­ti­cos, ar­tis­tas e jo­ga­do­res de fu­te­bol, en­tre ou­tros. Mas é um chum­bo ati­ra­do de uma dis­tân­cia se­gu­ra.

Mui­ta gen­te se apro­vei­ta do es­cu­do vir­tu­al pa­ra des­ti­lar pa­la­vrões ba­nha­dos a ódio con­tra quem quer que se­ja. Pre­si­den­te da re­pú­bli­ca, go­ver­na­do­res, se­na­do­res, de­pu­ta­dos, nin­guém se sal­va.

Na ver­da­de, qua­se sem­pre os usuá­ri­os têm um fun­do de ra­zão em sua re­vol­ta. Is­so, en­tre­tan­to, não jus­ti­fi­ca a fal­ta de res­pei­to e os ata­ques pes­so­ais, mui­tas ve­zes des­fe­ri­dos a par­tir de fal­sas no­tí­ci­as, bo­a­tos ou mes­mo acu­sa­ções que ain­da não fo­ram de­vi­da­men­te apu­ra­das.

Em boa par­te dos ca­sos, as ofen­sas são con­fun­di­das com a tal li­ber­da­de de ex­pres­são. A li­ber­da­de de ex­pres­são tal­vez se­ja o mais va­li­o­so re­cur­so de uma so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca. Po­rém, é pre­ci­so com­pre­en­dê-la, sa­ber até on­de vão os li­mi­tes de sua abran­gên­cia.

Cla­ro que o te­ma me­re­ce um tra­ta­do e é po­lê­mi­co. Mas acho que se nos ape­gar­mos a uma re­gri­nha bas­tan­te sim­ples já se­rá um bom co­me­ço: quan­do for cri­ti­car um ci­da­dão (se­ja lá quem for) pe­las re­des so­ci­ais, es­cre­va ape­nas o que vo­cê te­ria co­ra­gem de di­zer a ele pes­so­al­men­te. Ou, se pre­fe­rir ser ain­da mais ri­go­ro­so, di­ga ape­nas o que vo­cê tem cer­te­za de que po­de sus­ten­tar num tri­bu­nal.

Pa­ra agir as­sim nem é pre­ci­so ter co­lhões, mas ape­nas res­pon­sa­bi­li­da­de.

Compartilhe