Crônicas

O chiqueirinho do elo perdido

sexta-feira, 28 de março de 2014 Texto de

A dis­cus­são na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va so­bre a cri­a­ção de va­gões ex­clu­si­vos pa­ra mu­lhe­res no Me­trô é qua­se ina­cre­di­tá­vel. Pa­re­ce ro­tei­ro de um des­ses pro­gra­mas de hu­mor que exa­ge­ram nos te­mas des­pre­zí­veis e em su­as ca­ri­ca­tu­ras exa­ta­men­te com o ob­je­ti­vo de cha­mar aten­ção pa­ra o ab­sur­do que re­pre­sen­tam.

Não pa­re­ce um so­nho sur­re­al que no ano 2014 pen­sem em ins­tru­men­tos de pro­te­ção pa­ra o pú­bli­co fe­mi­ni­no? E uma pro­te­ção pa­ra sal­vá-lo dos... ho­mens???

Sus­ten­ta­da por meia dú­zia de neurô­ni­os lú­ci­dos, mi­nha te­se pa­ra a exis­tên­cia hu­ma­na é de um re­gi­me ri­go­ro­sa­men­te cí­cli­co, um ci­clo cir­cu­lar.

As­sim co­mo cir­cu­lam os pla­ne­tas no sis­te­ma so­lar, a lua ao re­dor da ter­ra, e a ter­ra em tor­no de si mes­ma, tam­bém des­se mes­mo mo­do avan­ça a hu­ma­ni­da­de: em ci­clos que, de al­gum mo­do, re­pe­tem-se de tem­pos em tem­pos sem que, mui­tas ve­zes, to­me­mos cons­ci­ên­cia do fenô­me­no.

Um exem­plo qua­se an­tro­po­ló­gi­co: no meio do sé­cu­lo pas­sa­do, ori­gi­nou-se um des­me­di­do êxo­do ru­ral. O cam­po es­va­zi­ou-se. As ci­da­des in­cha­ram. Ho­je, sen­ta­das so­bre a mer­da que fi­ze­ram, as pes­so­as ten­tam zar­par pa­ra lo­cais pró­xi­mos da na­tu­re­za. E, co­mo agi­ram nas ci­da­des, nes­ta eta­pa se­guin­te se ocu­pam de pro­vi­den­ci­ar uma no­va de­vas­ta­ção.

As bri­lhan­tes tec­no­lo­gi­as, a cor­re­ria das me­tró­po­les, as re­la­ções su­per­fi­ci­ais e to­do o es­tré­pi­to que cons­ti­tui os pi­la­res da cha­ma­da so­ci­e­da­de mo­der­na são ca­da vez mais ques­ti­o­na­dos por se­to­res que, ao con­trá­rio da gran­de zum­bi­lân­dia que per­cor­re as ru­as de ca­be­ça bai­xa e olhos co­la­dos no vi­sor de seus ce­lu­la­res, ipads e o es­cam­bau, es­ses se­to­res vis­lum­bram já a ne­ces­si­da­de de uma vi­da mais sim­ples pa­ra que pos­sa­mos nos apro­xi­mar o má­xi­mo pos­sí­vel da­qui­lo pa­ra o que vi­ve­mos: a tal fe­li­ci­da­de.

O que eu sin­ce­ra­men­te não es­pe­ra­va é que mi­nha te­se es­ti­ves­se tão pal­pá­vel a pon­to de in­cluir as­pec­tos com­por­ta­men­tais fun­da­men­ta­dos em ci­vi­li­za­ções ar­cai­cas, tão ar­cai­cas que as re­la­ções en­tre ho­mem e mu­lher de­vem ser mo­ni­to­ra­das por apa­re­lhos alhei­os à ca­pa­ci­da­de da ra­zão. Ca­pa­ci­da­de da ra­zão que, aliás, de­fi­ne o pró­prio ser hu­ma­no. Que o dis­tin­gue, por exem­plo, das hi­e­nas.

E ve­jam ago­ra a que pon­to che­ga­mos. A li­nha do ci­clo no qual acre­di­to re­en­con­tra-se a es­ta al­tu­ra dos trá­gi­cos acon­te­ci­men­tos com uma es­pé­cie de elo per­di­do. Por­que o ser hu­ma­no, ao dis­cu­tir a se­gre­ga­ção fe­mi­ni­na ou, tan­to faz, a cri­a­ção de um chi­quei­ri­nho adul­to, re­tor­na me­do­nha­men­te a um tem­po em que sua ca­pa­ci­da­de de ex­pres­são não pas­sa­va de aummmm ea­a­aummm ou­u­u­u­a­aa io­o­o­ou oo­oo aa­a­o­o­oo ua­a­a­a­oo...

Compartilhe