Crônicas

O que restou

terça-feira, 25 de março de 2014 Texto de

Ou­tro dia, fo­mos pas­se­ar pe­la zo­na ru­ral de Ca­fe­lân­dia, em di­re­ção ao Ti­e­tê, fron­tei­ra com No­vo Ho­ri­zon­te. Ca­fe­lân­dia é um mu­ni­cí­pio ex­ten­so. De­ve ter em tor­no de ses­sen­ta quilô­me­tros en­tre as ex­tre­mi­da­des mais dis­tan­tes. Tí­nha­mos a ideia de vi­si­tar umas ma­tas que até pou­cas dé­ca­das atrás abri­ga­vam ani­mais de por­te. On­ça, ve­a­do-ga­lhei­ro etc. Quem sa­be, por aca­so, um des­ses bi­chos apa­re­ces­se em nos­so ca­mi­nho...

Mas o que eu vi foi ca­na. Ca­na, ca­na e mais ca­na. Sim, é um pro­du­to ne­ces­sá­rio à eco­no­mia. Exis­tem ali per­to al­gu­mas usi­nas. Mui­tas pro­pri­e­da­des da re­gião fo­ram ar­ren­da­das pa­ra o plan­tio. E seus do­nos vi­vem, em al­guns ca­sos ex­clu­si­va­men­te, da ren­da ob­ti­da com o ne­gó­cio.

O que me cha­ma a aten­ção, en­tre­tan­to, é co­mo a re­gião es­tá des­ma­ta­da sem ne­nhum pu­dor. Em pou­cas dé­ca­das a pai­sa­gem foi al­te­ra­da de mo­do sig­ni­fi­ca­ti­vo. De fa­to, não é uma ca­rac­te­rís­ti­ca es­pe­cí­fi­ca de Ca­fe­lân­dia ou qual­quer ou­tra ci­da­de. O des­ma­ta­men­to sem cri­té­ri­os mo­eu a ve­ge­ta­ção bra­si­lei­ra no sé­cu­lo pas­sa­do.

Di­zem que ho­je o Iba­ma tor­ce o na­riz até pa­ra o cor­te de lei­tei­ros, uma pra­ga que se alas­tra fa­cil­men­te pe­los pas­tos ou áre­as aban­do­na­das. Mas te­nho a im­pres­são de que é um pou­co tar­de. O ri­gor atu­al de­ve­ria ter si­do ado­ta­do em me­a­dos do sé­cu­lo vin­te. Tal­vez as­sim ti­vés­se­mos ho­je um equi­lí­brio ra­zoá­vel pa­ra o meio am­bi­en­te.

Olhan­do pa­ra to­dos os go­ver­nos que co­nhe­ci e pa­ra nos­sa so­ci­e­da­de “mo­der­na”, não sou ca­paz de ima­gi­nar uma ação de gran­de es­ca­la que pos­sa re­cu­pe­rar ao me­nos par­te do que se per­deu (ve­ge­ta­ção e ani­mais). O de­sa­pe­go do ho­mem às su­as raí­zes, a ex­tre­ma am­bi­ção mer­can­til e a fal­ta de ver­da­dei­ras po­lí­ti­cas am­bi­en­ta­lis­tas, en­tre ou­tros as­pec­tos, con­de­nam a ter­ra ao de­se­qui­lí­brio e à ex­tin­ção de mui­tas de su­as ri­que­zas.

As pe­que­nas man­chas de ma­tas, es­pre­mi­das en­tre a ca­na, são co­mo as raquí­ti­cas pra­ças com meia dú­zia de ár­vo­res em meio às cons­tru­ções das ci­da­des. Não há grau de com­pa­ra­ção en­tre su­as ex­ten­sões.

Em nos­sa pe­que­na vi­a­gem nos ca­mi­nhos de ter­ra mar­ge­a­dos pe­la ca­na e por del­ga­das fai­xas de ma­ta que se aca­bam a pou­cos me­tros da­li, tí­nha­mos a es­pe­ran­ça (não a ex­pec­ta­ti­va, mas ape­nas a es­pe­ran­ça) de to­par com um ou ou­tro ani­mal de cer­to por­te. Mas, fo­ra os pás­sa­ros, vi­mos ape­nas um pe­que­no preá que, já na par­te as­fal­ta­da da es­tra­da, ace­le­rou o pas­so pa­ra fu­gir das ro­das do car­ro que avan­ça­va de vol­ta à ci­da­de.

Compartilhe