Ho­je um ca­so cu­ri­o­so re­per­cu­tiu nas mí­di­as so­ci­ais. Uma pro­fes­so­ra zom­bou de um ca­ra no ae­ro­por­to (por­que ele não es­ta­ria in­te­gra­do ao am­bi­en­te “gla­mou­ro­so” com o qual ela pa­re­ce iden­ti­fi­car-se).

Só que, ao in­vés de con­de­ná-la nes­ta crô­ni­ca, vou di­zer o se­guin­te: acho que te­mos uma dí­vi­da com ela.

Es­sa se­nho­ra não se es­con­deu atrás da hi­po­cri­sia.

E as­sim sen­do expôs sua fa­ce trá­gi­ca. A mes­ma fa­ce trá­gi­ca de uma so­ci­e­da­de que pu­bli­ca­men­te im­põe-se a re­gras po­li­ti­ca­men­te cor­re­tas, mas por bai­xo dos pa­nos... ai, ji­suis!

Se eu fos­se o ca­ra do ae­ro­por­to e to­mas­se co­nhe­ci­men­to do epi­só­dio (di­go, os co­men­tá­ri­os pre­con­cei­tu­o­sos no fa­ce­bo­ok), acho que es­ta­ria rin­do até ago­ra. De tu­do. De mim mes­mo, prin­ci­pal­men­te das fra­se­si­nhas bi­to­la­das e acho que até do ae­ro­por­to!

Cer­ta vez, lá pe­los anos 1980, fo­mos a Cam­bo­riú (SC) sal­gar a bun­da e as coi­sas não de­ram mui­to cer­to. Pa­ra co­me­çar, a ca­sa on­de fi­ca­ría­mos sim­ples­men­te não es­ta­va dis­po­ní­vel. O con­tra­tem­po com­pli­cou tu­do. Ti­ve­mos que ir pa­ra um acam­pa­men­to, de on­de lo­go fo­mos ex­pul­sos (por ra­zões que eu con­to ou­tra ho­ra), e de­pois pa­ra uma qui­ti­ne­te, alu­ga­da com a gra­na que le­va­mos pa­ra co­mer!

Es­tá­va­mos em qua­tro. En­quan­to eu e um dos co­le­gas de tu­ris­mo su­bi­mos ao sé­ti­mo an­dar pa­ra vis­to­ri­ar o es­pa­ço, os ou­tros dois fi­ca­ram por ali, na es­ca­da­ria da en­tra­da do edi­fí­cio, com mo­chi­las e a tra­lha to­da.

Ao des­cer­mos, ha­via uma con­fu­são lá fo­ra. O por­tei­ro ame­a­ça­va nos­sos ami­gos, ia cha­mar a po­lí­cia por­que ali não era lu­gar de men­di­gos! Ah! Ah! Ah!

Não ha­via fa­ce­bo­ok nem es­se exa­ge­ro to­do com epi­só­di­os ba­nais do co­ti­di­a­no. Epi­só­di­os que, ao con­trá­rio do es­tra­go que pa­re­cem fa­zer e da fe­ri­da su­ja que de­les eclo­de, ser­vem mui­to mais pa­ra que a gen­te cres­ça, pa­ra que nos­sa so­ci­e­da­de evo­lua ao apren­der com seus er­ros.

Não sei se a su­jei­ta e sua tchur­mi­nha gla­mou­ro­sa te­rão a ca­pa­ci­da­de de apren­der al­go com a his­to­ri­nha. Ve­jo ci­da­dãos se com­por­ta­rem de ma­nei­ra se­me­lhan­te su­ces­si­va­men­te sem que na­da pos­sa mu­dar o ru­mo das coi­sas pa­ra sua vi­di­nha pre­sa a con­ven­ções de­ca­den­tes.

Mas, em con­tra­par­ti­da, acre­di­to na im­por­tân­cia de­les (a pro­fa e sua tchur­ma) pa­ra a la­pi­da­ção so­ci­al por que pas­sa­mos, mes­mo sen­do tão len­ta. É co­mo na sa­va­na, on­de o ri­so da hi­e­na es­ca­pa sem que o po­bre ani­mal pos­sa con­tê-lo. É o avi­so pa­ra su­as pre­sas. As hi­e­nas es­tão aí. Cui­da­do!

Compartilhe