Crônicas

Oração para Yuri e Assis

terça-feira, 4 de Fevereiro de 2014 Texto de

yuri (foto que peguei no site do JC)Assis (foto do site do JC)
(Fo­tos do si­te do JC - aci­ma, Yu­ri; abai­xo, As­sis)

Yu­ri e As­sis

Eu não os co­nhe­ci, mas pre­ci­so in­co­mo­dá-los com es­tas pa­la­vras. Não sei bem o que elas são: uma ho­me­na­gem, um de­sa­ba­fo ou ape­nas a ne­ces­si­da­de de ex­pul­sá-las de den­tro de mim.

Em­bo­ra eu se­ja um ca­ra de cer­to mo­do fa­cil­men­te im­pres­si­o­ná­vel, pou­cas ve­zes pen­sei tan­to em mor­tes alhei­as ao meu cír­cu­lo de con­vi­vên­cia co­mo nas de vo­cês.

A do Yu­ri, uma vi­o­lên­cia bru­tal.

A do As­sis, a cha­ma­da mor­te na­tu­ral.

Mas o que po­de ser mais bru­tal do que uma “mor­te na­tu­ral”?

E nes­tes tem­pos, em que a vi­da pa­re­ce ca­da vez mais ba­nal, o que po­de ser mais na­tu­ral do que uma mor­te bru­tal?

Elas se en­tre­la­çam cru­el­men­te. Bru­tal ou na­tu­ral, aca­bam com sor­ri­sos, pla­nos, so­nhos.

Di­zem que pa­ra a eter­ni­da­de uma vi­da não pas­sa de um se­gun­do, um pis­car de olhos.

Mas o ca­so é que não vi­ve­mos em ne­nhu­ma por­ra de eter­ni­da­de. Vi­ve­mos aqui. Ago­ra. Le­va­dos adi­an­te pe­la pro­pul­são de um tem­po avas­sa­la­dor cu­ja di­men­são des­co­nhe­ce­mos com­ple­ta­men­te, em­bo­ra sai­ba­mos olhar as ho­ras.

E nes­te tem­po, que mar­cou até do­min­go (pa­ra vo­cê, As­sis) e até ho­je (pa­ra vo­cê, Yu­ri) a li­nha de du­as vi­das cor­ta­das por uma fi­an­dei­ra sem co­ra­ção, nes­te tem­po de ci­la­das en­ge­nho­sas, to­das as fe­li­ci­da­des e to­das as tris­te­zas po­dem ser ex­ten­sas de­mais ou mui­to cur­tas.

Pen­so na ja­ne­la que abri nes­ta ma­dru­ga­da, umas du­as e pou­co ou três ho­ras, tal­vez bem per­to do mo­men­to de sua par­ti­da, Yu­ri. Re­pen­ti­na­men­te sem so­no, um ca­lor dos di­a­bos, olhei lá fo­ra e o céu es­ta­va to­do es­tre­la­do. Mas as fo­lhas das ár­vo­res da rua não se me­xi­am.

Até que me vi­rei na ca­ma e num re­pen­te sen­ti uma le­ve bri­sa var­rer mi­nhas cos­tas. E ima­gi­nei uma crô­ni­ca: ela se cha­ma­ria “O so­pro de Deus”.

Pla­ne­jei es­cre­ver que o pra­zer da­que­la bri­sa em mi­nha pe­le ha­via si­do tão ín­fi­mo exa­ta­men­te pa­ra que eu com­pre­en­des­se a es­sên­cia de to­das as ale­gri­as, quem sa­be, de to­das as fe­li­ci­da­des: e não era ou­tra coi­sa se­não que a bre­vi­da­de as va­lo­ri­za e as in­ten­si­fi­ca (as ale­gri­as e, quem sa­be, as fe­li­ci­da­des).

As­sim, Yu­ri e As­sis, por cau­sa de vo­cês, de sua vi­da cor­ta­da abrup­ta­men­te, de seus pla­nos es­tra­ça­lha­dos, de seus so­nhos ca­den­tes num uni­ver­so in­fi­ni­to, por cau­sa de vo­cês, eu sin­to que pre­ci­so ser me­lhor do que sou, fa­zer me­lhor do que fa­ço. Ca­da se­gun­do im­por­ta. Ca­da ins­tan­te é fun­da­men­tal.

Que­ro re­for­çar mi­nha in­ten­ção de agir com éti­ca e ho­nes­ti­da­de em mi­nha pro­fis­são, com amor e com­pai­xão em mi­nha vi­da mun­da­na, com pa­ci­ên­cia e com­pre­en­são em mi­nhas in­cur­sões es­pi­ri­tu­ais.

Que­ro de­di­car es­sa mi­nha in­ten­ção a vo­cês dois. E a to­dos que mor­rem jo­vens. Pa­ra abran­dar mi­nha cons­ci­ên­cia. Pa­ra sen­tir me­nos ver­go­nha por con­ti­nu­ar vi­ven­do.

Palavras-chave

Compartilhe