Crônicas

Piadas, Nelson Ned, música e morte

domingo, 5 de janeiro de 2014 Texto de

Cli­que aqui pa­ra ou­vir “Tu­do pas­sa­rá”

Di­fi­cil­men­te eu guar­do na me­mó­ria uma pi­a­da. Acho que é por­que eu não gos­to da mai­o­ria de­las. Uma pi­a­da qua­se sem­pre é de­pre­ci­a­ti­va, pre­con­cei­tu­o­sa, ra­cis­ta e, ain­da mais qua­se sem­pre, de mau gos­to.

Ho­je, do­min­go, ve­jo no fa­ce­bo­ok uma sé­rie de pi­a­das so­bre a mor­te de Nel­son Ned, boa par­te dis­far­ça­da sob o pseudô­ni­mo de “en­ter­ro de anão”.

Há tan­tas pi­a­das so­bre a mor­te. Al­gu­mas são bo­as, des­pro­vi­das do ran­ço que enu­me­rei no pri­mei­ro pa­rá­gra­fo. Às ve­zes, nem pi­a­das são. São his­tó­ri­as, mes­mo. Fa­tos.

Na mi­nha ci­da­de, con­tam a pas­sa­gem de um ve­lhi­nho que ado­ra­va to­car pan­dei­ro e não po­dia ver uma ro­di­nha de pes­so­as que já ia che­gan­do, ba­ten­do no seu ins­tru­men­to mu­si­cal.

Pois bem. Nu­ma cer­ta noi­te, de­pois de to­mar umas e ou­tras, ele vol­ta­va pa­ra ca­sa quan­do uma aglo­me­ra­ção cha­mou sua aten­ção. Fes­ta, de­ve ter pen­sa­do. E, co­mo as ma­ri­po­si­nhas de Ado­ni­ran, di­ri­giu-se pa­ra as lu­zes agi­ta­das. Era um ve­ló­rio. Di­zem que saí­ram com ele nas cos­tas.

A his­to­ri­nha en­vol­ve mor­te, mú­si­ca e bom hu­mor. É ino­fen­si­va. Qua­se in­gê­nua.

Mas nem sem­pre a brin­ca­dei­ra obe­de­ce a con­tor­nos sin­ge­los, prin­ci­pal­men­te quan­do o as­sun­to é a di­ta cu­ja. E é is­so que me as­sus­ta. Se­rá que as pes­so­as que se pro­põem a fa­zer pi­a­das de mau gos­to com a mor­te o fa­zem cons­ci­en­te­men­te? Se­rá que o fa­zem com a ra­zão em dia?

Uma vez, nu­ma das re­da­ções on­de tra­ba­lhei, ha­via vá­ri­os jor­na­lis­tas jo­vens, bem jo­vens (acho que até eu era jo­vem na épo­ca). Foi no ano em que mor­reu o de­pu­ta­do fi­lho de An­to­nio Car­los Ma­ga­lhães.

A TV trans­mi­tia o ve­ló­rio ao vi­vo e, cla­ro, ACM apa­re­cia cons­tan­te­men­te. Cho­ra­va cons­tan­te­men­te. E na re­da­ção al­guns dos jo­vens jor­na­lis­tas co­me­mo­ra­vam o so­fri­men­to do ve­lho co­ro­nel da po­lí­ti­ca nor­des­ti­na. Co­mo se a per­da de um fi­lho fos­se di­fe­ren­te en­tre um po­bre e um ri­co, na ca­sa gran­de ou na sen­za­la, en­tre um po­lí­ti­co e um elei­tor, en­tre um ho­mem ho­nes­to e um cor­rup­to ex­plo­ra­dor fi­lho da pu­ta.

O fa­to é que não me lem­bro de ter ou­vi­do uma mú­si­ca na voz de Nel­son Ned. Mi­nhas eclé­ti­cas pre­fe­rên­ci­as mu­si­cais nun­ca o in­cluí­ram no meu se­tlist. Até que cer­to dia, no Rio de Ja­nei­ro, eu e al­guns ami­gos saí­mos da praia pa­ra al­mo­çar. Na rua, ao la­do do bar “Ga­ro­ta de Ipa­ne­ma”, ha­via um gru­po can­tan­do. Um dos su­jei­tos ti­nha um vo­zei­rão es­pe­ta­cu­lar. E bem nes­sa ho­ra, sob uma in­co­mum ga­roa ca­ri­o­ca, foi que ou­vi­mos “Tu­do pas­sa­rá”, eter­ni­za­do na voz de Nel­son Ned.

Eu sei, com­pre­en­do – e acho na­tu­ral –, que pa­ra mui­ta gen­te, e tal­vez pa­ra mim mes­mo ca­so es­ti­ves­se do ou­tro la­do, ou se­ja, não ti­ves­se par­ti­ci­pa­do da­que­le aca­so, pa­ra mui­ta gen­te es­se lap­so do co­ti­di­a­no na­da re­pre­sen­ta. Por­que re­al­men­te é es­tra­nho ex­pli­car co­mo um mo­men­to tão sim­ples te­nha se tor­na­do tão es­pe­ci­al.

Es­tá­va­mos, tal­vez, an­dan­do tão à flor da pe­le que qual­quer bei­jo de no­ve­la nos fi­zes­se cho­rar, co­mo can­ta Ze­ca Ba­lei­ro? Fra­gi­li­za­dos por ra­zões pes­so­ais? Ou ape­nas en­tre­gues à emo­ção que o Rio de Ja­nei­ro é ca­paz de nos im­preg­nar? Quem sa­be?

Quem po­de­rá sa­ber?

Quem po­de­rá men­su­rar ins­tan­tes in­tra­du­zí­veis cu­jo te­or mer­gu­lha nas pro­fun­de­zas da mú­si­ca?

Quem po­de­rá men­su­rar a emo­ção da mor­te? Se­ja na ca­sa de lu­to em que o ve­lhi­nho in­va­diu ino­cen­te­men­te com seu pan­dei­ro, se­ja no ve­ló­rio do fi­lho do po­lí­ti­co odi­a­do, se­ja no en­ter­ro do anão.

Acho que mui­ta gen­te se per­deu na fu­ti­li­da­de (se qui­se­rem, na su­per­fi­ci­a­li­da­de) das re­la­ções. A vi­da ho­je se pa­re­ce mais com um ob­je­to que po­de­mos en­ter­rar no quin­tal do que com uma me­mó­ria ri­ca que de­ve­mos guar­dar.

Compartilhe