As novas tecnologias e o mundo lá fora (baseado em coisas que vi hoje nas ruas) | Márcio ABC

“Um dia as pes­so­as vão achar tu­do is­so
tão cha­to que di­rão: nos­sa,
co­mo eu pu­de vi­ver as­sim?”
João Pe­dro Fe­za, jor­na­lis­ta meu ami­go,
re­fe­rin­do-se ao uso exa­ge­ra­do de ce­lu­la­res

São 13h32. Saí do res­tau­ran­te on­de al­mo­ço qua­se to­dos os di­as e vou em di­re­ção ao ca­fé on­de to­mo ca­fé qua­se to­dos os di­as. Atra­ves­so o pri­mei­ro cru­za­men­to e no meio da qua­dra a ga­ro­ta de tal­vez 15 anos tro­pe­ça e por pou­co não vai de bo­ca ao chão. Mo­vi­do pe­lo re­fle­xo, fa­ço um mo­vi­men­to em sua di­re­ção, mas ela já es­tá ca­mi­nhan­do co­mo an­tes... de olho no vi­sor do ce­lu­lar.

Ime­di­a­ta­men­te me lem­bro de ter vis­to pe­la ma­nhã uma no­tí­cia so­bre a que­da de uma tu­ris­ta em Mel­bour­ne. Ela es­ta­va no píer e se dis­traiu en­quan­to che­ca­va sua con­ta no fa­ce­bo­ok. Caiu na água e por sor­te foi res­ga­ta­da vin­te mi­nu­tos mais tar­de... com seu smartpho­ne bem se­gu­ro na mão, se­gun­do in­for­mou a po­lí­cia.

Tan­to a tu­ris­ta na Aus­trá­lia quan­to a me­ni­na em Bau­ru pas­sam bem.

Mas as du­as si­tu­a­ções con­ver­gem pa­ra a mes­ma sim­bo­lo­gia so­bre o mun­do atu­al. As pes­so­as es­tão sen­do su­ga­das pa­ra um pe­ri­go­so ra­lo vir­tu­al. Aliás, es­tão se dei­xan­do su­gar. Não, não se tra­ta de cair de bo­ca na cal­ça­da ou ge­lar a bun­da nas águas do mar. O pro­ble­ma é a fra­tu­ra ca­da vez mais ex­pos­ta en­tre o ser hu­ma­no mo­der­no e a re­a­li­da­de que o en­vol­ve, mes­mo que ele não a per­ce­ba, mas as­sim mes­mo o en­vol­ve.

Bom, mas eu es­ta­va in­do pa­ra o ca­fé. Sen­to à me­sa cu­jo raio de vi­são pas­sa obri­ga­to­ri­a­men­te por um ca­sal, acho que am­bos na ca­sa dos vin­te e pou­cos anos. Pe­ço o ex­pres­so, es­pe­ro a gar­ço­ne­te tra­zer a be­bi­da, mas­ti­go o do­ci­nho (quan­do não tem, fi­co pu­ta da vi­da), bo­to o açú­car (um sa­qui­nho só), me­xo com a co­lhe­ri­nha (bas­tan­te), to­mo a ga­so­sa ge­la­da do co­pi­nho e co­me­ço a sa­bo­re­ar o ca­fé.

Cin­co mi­nu­tos de­pois es­tá ter­mi­na­do. Du­ran­te quan­to tem­po fi­quei ali? Dez mi­nu­tos tal­vez. E nem um pio na me­sa do ca­sal­zi­nho. Am­bos, ca­da qual no seu, vi­dra­dos nos ce­lu­la­res.

Não, não sou con­tra. Tam­bém fa­ço is­so. Só acho que fal­ta equi­lí­brio, do­sa­gem. Por­que na sequên­cia vou até a lo­té­ri­ca. À mi­nha fren­te, o ra­paz é cha­ma­do pe­la mo­ça do cai­xa du­as ve­zes. Cla­ro, es­tá afun­da­do no ce­lu­lar, hip­no­ti­za­do, dis­tan­te.

Saio à rua no­va­men­te. Qua­tro ou cin­co fun­ci­o­ná­ri­os de um su­per­mer­ca­do des­can­sam sen­ta­dos à som­bra, na cal­ça­da. Si­lên­cio de vo­zes. To­dos su­ga­dos. Atra­ves­so a rua. Dois tra­ba­lha­do­res de uma de­sen­tu­pi­do­ra sen­tam-se en­cos­ta­dos ao tron­co de uma ár­vo­re. Su­ga­dos. O me­ni­no que vem à mi­nha fren­te, as pes­so­as nos car­ros, nas lo­jas, nas ca­sas...

Es­ta­mos per­den­do um mun­do de coi­sas lá fo­ra. Coi­sas que po­dem ser bo­bas, é ver­da­de, mas as es­ta­mos per­den­do.

O es­trei­to ca­mi­nho de ve­ge­ta­ção nu­ma cal­ça­da ur­ba­na que faz vo­cê se sen­tir nu­ma tri­lha ru­ral.

A grua que se er­gue aos céus pa­ra mos­trar a en­ge­nho­si­da­de do ho­mem.

O su­jei­to can­sa­do que es­ta­ci­o­nou seu car­ro sob uns enor­mes pi­nhei­ros e ago­ra dor­me en­quan­to o rá­dio to­ca uma mo­da de vi­o­la.

As flo­res ama­re­las que de­se­nham so­bre nos­sas ca­be­ças uma ne­ve cre­mo­sa de ve­rão.

A pi­cha­ção na pa­re­de do pré­dio va­zio que nos me­te na fu­ça a du­ra re­a­li­da­de da nos­sa po­bre po­lí­ti­ca.

O pai que, de­pois da bri­ga feia, cer­ca o fi­lho no meio da rua, am­bos des­con­tro­la­dos, e diz a ele cal­ma, cal­ma, eu te amo, eu te amo.

A la­ti­nha de Co­ca jo­ga­da no jar­din­zi­nho e o li­xo aban­do­na­do nas sar­je­tas que es­can­ca­ram a fal­ta de cons­ci­ên­cia am­bi­en­tal, nos­sa frou­xa ci­da­da­nia.

A mu­lher ve­lha e cor­pu­len­ta que sa­co­le­ja cheia de pa­co­tes nu­ma mão e a som­bri­nha na ou­tra, uma tí­pi­ca pai­sa­gem bra­si­lei­ra.

O ca­ri­nho do ven­to na ca­ra sob o sol abra­san­te des­te qua­se-ve­rão.

Es­ta­mos per­den­do coi­sas lá fo­ra.

Es­ta­mos per­den­do os sor­ri­sos e as lá­gri­mas, as fo­lhas e as flo­res, o sol e as nu­vens.

Es­ta­mos per­den­do o céu.

Es­pe­ro que meu ami­go te­nha ra­zão. Es­pe­ro que lo­go vol­te­mos a ver.

Palavras-chave

Compartilhe