Impressões

O que eu acho do caso Padre Beto

segunda-feira, 29 de abril de 2013 Texto de
Eu e o padre Beto no lançamento de Pater

Eu e o pa­dre Be­to no lan­ça­men­to de Pa­ter

Em ver­da­de (a mi­nha, cla­ro), vos di­go: o pa­dre Be­to não se en­cai­xa na en­gre­na­gem da Igre­ja Ca­tó­li­ca. Há cer­ta in­dig­na­ção, ou re­vol­ta, de par­te da po­pu­la­ção (ca­tó­li­ca ou não) con­tra a ati­tu­de to­ma­da pe­lo bis­po de Bau­ru (que ini­ci­al­men­te pe­diu re­tra­ta­ção e ago­ra re­cor­reu à ex­co­mu­nhão). No en­tan­to, não há qual­quer sur­pre­sa nes­sa pos­tu­ra.

A Igre­ja Ca­tó­li­ca é um ele­fan­te que ca­mi­nha a pas­sos de tar­ta­ru­ga. Su­as po­si­ções, seus dog­mas, seus man­da­men­tos, sua com­pre­en­são de mun­do, to­dos os seus ten­tá­cu­los fa­zem par­te de um com­ple­xo ema­ra­nha­do de fi­os em que qual­quer des­vio po­de pro­vo­car um gran­de nó, um ter­rí­vel en­ros­co ca­paz de fa­zer tro­pe­çar o por­ten­to­so pa­qui­der­me e, daí, que­brar a ve­lha cas­ca de mi­lê­ni­os.

Con­cor­do com a es­sên­cia da pre­ga­ção do pa­dre Be­to. Mas o pa­ra­fu­so do pa­dre Be­to não en­tra na por­ca da Igre­ja. E ele sa­be dis­so. Sem­pre sou­be, aliás. Mas tal­vez con­si­de­ras­se a pos­si­bi­li­da­de de o ele­fan­te co­me­çar a se li­vrar da ca­ra­pa­ça de tar­ta­ru­ga com um pou­co mais de agi­li­da­de. Is­so, en­tre­tan­to, es­tá fo­ra de co­gi­ta­ção.

A Igre­ja ja­mais mu­da­rá por den­tro. E a jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra is­so é sim­ples: não é con­ve­ni­en­te mu­dar. Há uma gran­de par­ce­la da so­ci­e­da­de ca­tó­li­ca que não de­se­ja es­sa mu­dan­ça, que pre­ci­sa acre­di­tar ce­ga­men­te, que pre­ci­sa se sen­tir am­pa­ra­da pe­lo di­vi­no (uma pos­tu­ra que de­ve ser res­pei­ta­da co­mo qual­quer ou­tra, in­cluin­do a do pa­dre ex­co­mun­ga­do).

O pa­dre Be­to, no fun­do, for­çou a bar­ra quan­do, fi­nal­men­te, per­ce­beu que a ca­ra­pa­ça é im­pe­ne­trá­vel. Me­teu seu pa­ra­fu­so na por­ca da Igre­ja e aper­tou até es­pa­nar. O pa­dre Be­to não con­se­guia mais acom­pa­nhar o pe­sa­do pa­qui­der­me. In­qui­e­to, ele te­meu a atro­fia. A mes­ma atro­fia do gran­de ele­fan­te que se mo­ve a pas­sos de tar­ta­ru­ga.

Compartilhe