Geral

Poema: Tempo do tempo

terça-feira, 16 de abril de 2013 Texto de

Sa­be? Vo­cê po­de me com­pa­rar àque­la ár­vo­re gran­de pres­tes a tom­bar
Mas, sai­ba, eu não vou cair ago­ra
Por­que sou ape­nas uma mu­da em bus­ca de ar

Se qui­ser, lem­bre-se de mim ao ver o me­te­o­ro que cai nes­te mo­men­to
Tam­bém es­tou ten­tan­do ris­car o céu
Mas ape­nas com pa­la­vras sus­sur­ra­das ao ven­to

Ve­ja ali na es­qui­na, ao la­do do seu car­rão
O ga­ro­to de per­nas aber­tas al­ge­ma­do
Bem, eu tam­bém es­tou nu­ma pri­são

Sa­be? Po­de se lem­brar de mim olhan­do pa­ra as al­ge­mas em su­as mãos
Um dia vou sair sor­rin­do com ele
Dei­xa­re­mos nos­sas pri­sões nu­ma ma­nhã em que o sol nos tor­na­rá sãos

De pei­to aber­to, sem fa­zer gran­de alar­de
An­da­re­mos jun­tos fa­min­tos de li­ber­da­de
E nin­guém po­de­rá di­zer que já é tar­de

Lem­bre-se de mim na ve­lha ár­vo­re, no ga­ro­to po­bre, no me­te­o­ro fu­gaz
Por­que es­tou com eles, es­tou in­do com eles
E vo­cê aqui jaz, ou­viu? Vo­cê aqui jaz

Palavras-chave

Compartilhe